A solidão em Stefan George: poesia e filosofia

Arlenice Almeida da Silva

Resumo


O artigo pretende contribuir para o debate contemporâneo sobre as relações entre poesia e filosofia recuperando, em chave histórica, elementos da reflexão estética sobre a poesia de Stefan George. No polêmico “Círculo de George” encontram-se hermetismo e  esteticismo, bem como a renovação da lírica por meio da revalorização do verso e do ofício do poeta. Em defesa da poesia pura, a dicção lúcida de George tenciona os limites da lírica para além da subjetividade romântica, em direção à objetividade da palavra. Filósofos como Simmel e Lukács examinam, no começo do século XX, se o lirismo de George é moderno ou ainda clássico: se é uma produção experimental derivada de um imaginário não sujeito à argumentação e aos usos comuns da linguagem ou verifica-se nela uma recaída metafísica, a nova “reintegração da ideia” na poesia.

 


 


Palavras-chave


Stefan George; Poesia; Lirismo; Lukács; Simmel

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: