Carlos Drummond de Andrade tradutor: prática antropofágica

Leila Cristina de Melo Darin, Edgar Rosa Vieira Filho

Resumo


O presente ensaio tem por objetivo analisar as traduções poéticas do notório poeta brasileiro Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) à luz do conceito de antropofagia, desenvolvido no Brasil pelo movimento modernista da década de 1920 e articulado a questões de tradução principalmente pelos poetas concretistas Haroldo e Augusto de Campos na década de 1970. O corpus selecionado para tecer considerações sobre a prática tradutória “antropofágica” de Drummond de Andrade são poesias traduzidas pelo poeta das línguas inglesa, espanhola e francesa publicadas na coletânea intitulada Carlos Drummond de Andrade Poesia Traduzida (2011), organizada pelos pesquisadores Augusto Massi e Júlio Castañon Guimarães.


Palavras-chave


Carlos Drummond de Andrade; Tradução poética; Antropofagia

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2017i18p179-193

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: