Corpo, herança, memória e a miragem do eu

Diana Klinger

Resumo


A partir do romance de Marta Dillon, Aparecida, o texto procura pensar a narrativa do eu a partir de lacunas e fragmentos, numa disputa em que corpo, herança familiar e memória estão atravessados pelas formas em que os poderes produzem e desmontam essas instâncias. A fragmentariedade do eu é considerada aqui uma possibilidade de posicionamento crítico diante do narcisismo da sociedade contemporânea, narcisismo este que tem sido pensado como funcional ao fascismo.


Palavras-chave


eu; imagem; fragmento; corpo; miragem

Texto completo:

PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2018i20p35-45

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: