JAMES JOYCE E A PEDAGOGIA JESUÍTICA – AUTORIA E EPIFANIA JAMES JOYCE E A PEDAGOGIA JESUÍTICA

Leda Verdiani TFOUNI

Resumo


RESUMO: Em Retrato do Artista quando Jovem, considerado autobiográfico, Joyce, ao narrar a história de Stephen Dedalus, sua angústia, sua revolta contra a criação religiosa, fala de sua vida e do sofrimento para se libertar da religião e tornar-se autor. O Ratio Studiorum, método da pedagogia jesuítica, baseado na repetição e imitação dos clássicos, limita a liberdade de escolha que caracteriza a autoria. Evidenciamos que o que tolhia a autoria era o acesso ao arquivo. Joyce desenvolve uma teoria fundamentada no conceito tomista de quidditas. Procurando a beleza ideal, encontra a epifania, o momento de estesia que desvenda a “coisidade” do ser.


Palavras-chave


James Joyce; Autoria; Pedagogia Jesuítica

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Intercâmbio está indexada em:

        

Catálogo de Bibliotecas:

ISSN 2237-759X

A Intercâmbio e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em http://revistas.pucsp.br/intercambio. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://revistas.pucsp.br/intercambio.