Clínicas do Testemunho na elaboração do traumático

violência de Estado na ditadura civil-militar brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/2594-3871.2021v30i2p412-432

Palavras-chave:

testemunho, trauma, espaço potencial, tortura, violência de Estado

Resumo

Na ditadura civil-militar brasileira (1964-1985) ocorreu uma violação sistemática de Direitos Humanos por parte do Estado, o que impôs à sociedade medo e silenciamento. Pessoas vítimas dessas violências não tiveram espaço social que legitimasse a realidade e o sofrimento de suas vivências. Em 2012, foi lançado o projeto Clínicas do Testemunho, iniciando um trabalho de reparação psíquica dessas vítimas. Estudando as especificidades do trauma de violência de Estado e tortura política e apresentando os conceitos de espaço potencial e de testemunho, o objetivo do artigo é estabelecer um diálogo entre esses conceitos e o trabalho realizado pelas Clínicas do Testemunho, para compreender como esta reparação psíquica pode se dar na prática. Trata-se de um estudo teórico fundamentado na Psicanálise. Conclui-se que o testemunho é uma ferramenta potente para se trabalhar o traumático. Discutir o tema é um posicionamento político, de resgate da história, memória e verdade.

Biografia do Autor

Maria Fernanda dos Santos Passoni, Escola Primeira

Maria Fernanda dos Santos Passoni é psicóloga, formada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP). É psicoterapeuta e também atua na área de educação, com práticas inclusivas.

Rosa Maria Tosta, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Rosa Maria Tosta é psicóloga, psicoterapeuta, supervisora e orientadora. Doutora em Psicologia Clínica, professora do Programa de Estudos pós-graduados em Psicologia Clínica da PUC/SP, no Núcleo de Método Psicanalítico e Formações da Cultura.  Especialização em Psicologia Clínica, Psicologia Hospitalar e Psicossomática. Membro do Espaço Potencial Winnicott (EPW) do Instituto Sedes Sapientiae, SP.

Referências

Andrade, C. D. (2012). Sentimento do mundo. São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1940)

Antonello, D. F. (2015). Trauma, corpo e sobrevivência: Um diálogo entre Sándor Ferenczi e a literatura de testemunho. Cadernos de Psicanálise, 31(34), 243–264.

Antunes, P. T. (2015). Testemunho em grupo: Gerações juntas na elaboração do trauma. In M. R. Silva Junior & I. F. S. Mercadante (Coords.), Travessia do silêncio, testemunho e reparação (pp. 47–57). São Paulo: Instituto Projetos Terapêuticos.

Arantes, M. A. A. C. (2013). Tortura: Testemunhos de um crime demasiadamente humano. São Paulo: Casapsi.

Benevides, M. V. (2004). Conversando com os jovens sobre direitos humanos. In R. Novaes & P. Vannuchi (Orgs.), Juventude e sociedade: Trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

Blum, R. (2015a). A clínica como testemunha: Silêncio e representação. In M. R. Silva Junior & I. F. S. Mercadante (Coords.), Travessia do silêncio, testemunho e reparação (pp. 65–72). São Paulo: Instituto Projetos Terapêuticos.

Blum, R. (2015b). A terceira margem da reparação. In M. R. Silva Junior & I. F. S. Mercadante (Coords.), Travessia do silêncio, testemunho e reparação (pp. 11–22). São Paulo: Instituto Projetos Terapêuticos.

Brecht, B. (1937). Os fuzis da senhora Carrar (A. Bulhões, Trad.). Recuperado de http://joinville.ifsc.edu.br/~luciana.cesconetto/Textos%20teatrais/Bertolt%20Brecht/Bertol%20Brecht%20-%20Os%20fuzis%20da%20senhora%20Carrar.pdf

Comitê Internacional da Cruz Vermelha. (2010). As Convenções de Genebra de 1949 e seus protocolos adicionais. Recuperado de https://www.icrc.org/por/war-and-law/treaties-customary-law/geneva-conventions/overview-geneva-conventions.htm

Costa, J. F. (1986). Violência e psicanálise. Rio de Janeiro: Graal.

Endo, P. (2011). Elaboração onírica e representação na literatura de testemunho pós-ditadura no Brasil. In M. Perdomo & M. Cerruti (Orgs.), Trauma, memória e transmissão: A incidência da política na clínica psicanalítica (pp. 33–46). São Paulo: Primavera Editorial.

Ferenczi, S. (1990). Diário clínico. São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1932)

Ferenczi, S. (1992). Obras completas de Sándor Ferenczi – Psicanálise IV (A. Cabral, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1934)

Figueiredo, L. C. (2018). Psicanálise: Elementos para a clínica contemporânea. São Paulo: Escuta.

Gondar, J., & Antonello, D. F. (2016). O analista como testemunha. Psicologia USP, 27(1), 16–23. https://doi.org/10.1590/0103-6564D20150010

Kehl, M. R. (2011). Sua única vida. In M. Perdomo & M. Cerruti (Orgs.), Trauma, memória e transmissão: A incidência da política na clínica psicanalítica (pp. 49–57). São Paulo: Primavera Editorial.

Labaki, M. E. P. (2018). Contra a desautorização, o reconhecimento. Boletim Online do Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae, 46. Recuperado de http://www.sedes.org.br/Departamentos/Psicanalise/index.php?apg=b_visor&pub=46&ordem=13#_ednref1

Levi, P. (1990). Os afogados e os sobreviventes. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Martín, A. G. (2005). As sequelas psicológicas da tortura. Psicologia: Ciência e Profissão, 25(3), 434–449. https://doi.org/10.1590/S1414-98932005000300008

Ocariz, M. C. (Org.) (2015). Violência de Estado na ditadura civil-militar brasileira (1964-1985): Efeitos psíquicos e testemunhos clínicos. São Paulo: Escuta.

Organização das Nações Unidas. (1948). Declaração Universal dos Direitos Humanos. Recuperado de https://brasil.un.org/pt-br/91601-declaracao-universal-dos-direitos-humanos

Silva Junior, M. R. (2015). O trauma de um ponto de vista histórico-político. In M. R. Silva Junior, & I. F. S. Mercadante (Coords.), Travessia do silêncio, testemunho e reparação (pp. 99–108). São Paulo: Instituto Projetos Terapêuticos.

Silva Junior, M. R., & Mercadante, I. F. S. (Coords.) (2015). Travessia do silêncio, testemunho e reparação. São Paulo: Instituto Projetos Terapêuticos.

Viñar, M., & Viñar, M. (1992). Exílio e tortura (W. Lisboa, Trad.). São Paulo: Escuta.

Winnicott, D. W. (1975). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago.

Downloads

Publicado

2021-12-17

Como Citar

Passoni, M. F. dos S., & Tosta, R. M. (2021). Clínicas do Testemunho na elaboração do traumático: violência de Estado na ditadura civil-militar brasileira. Psicologia Revista, 30(2), 412–432. https://doi.org/10.23925/2594-3871.2021v30i2p412-432

Edição

Seção

Artigos Teóricos