Um documentário me disse

a vida como obra de arte das crianças de uma comunidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/2594-3871.2021v30i2p363-390

Palavras-chave:

infâncias, estética, violências

Resumo

Esta pesquisa analisa um documentário chamado Os Caminhos Desconhecidos do Mundo Luz e busca apresentar compreensões sobre o lugar das infâncias numa comunidade em situação de vulnerabilidade social da Região da Grande Florianópolis, identificando cenas que mostram a arte como produção estética da existência. Partindo da análise das práticas discursivas (Spink, 2013), tecemos análises sobre a infância como obra de arte, considerando a arte um recurso estético de afirmação da vida, sobretudo entendendo que as fronteiras estabelecidas entre a cidade e comunidade evidenciam os efeitos das violências. Como resultados, compreende-se a violência como estrutural e estruturante da nossa sociedade e que é feita nos dispositivos da biopolítica e necropolítica. Além disso, as crianças vistas na alegoria da pipa reivindicam uma vida que quer se expandir por outros espaços, colocando para a Psicologia a necessidade de ampliação dos modos de encontro e intervenção com elas nas comunidades do nosso País.

Biografia do Autor

Letícia Teles de Sousa, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduada em Psicologia, no ano de 2019, pela Universidade do Sul de Santa Ctarina (UNISUL). Mestranda em Psicologia Social na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Psicóloga clínica.

Gisely Pereira Botega, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestre e doutora pelo programa de pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é coordenadora do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS-Ilha) da Prefeitura Municipal de Florianópolis e foi professora na Universidade do Sul de Santa Catarina nos anos 2018 à 2020 e, integra o grupo de pesquisa NUVIC (Núcleo Vida e Cuidado: Estudos e pesquisas sobre violências) e ALTERITAS (Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Diferença, Arte e Educação) do Centro de Educação da UFSC.

Referências

Chauí, M. (1999, março 14). Uma ideologia perversa. Folha de São Paulo, Caderno Mais, p. 3.

Chauí, M. (2003). Ética, política e violência. In T. Camacho (Org.), Ensaios sobre a violência (pp. 39–59). Vitória: EDUFES.

Crenshaw, K. W. (2002). Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, 1, 171–188. Recuperado de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4123084/mod_resource/content/1/Crenshaw%202002%20revista%20estudos%20feministas.pdf

Danelon, M. (2015). A infância capturada: Escola, governo e disciplina. In H. Resende (Org.), Michel Foucault: O governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica Editora. (Coleção Estudos Foucaultianos).

Deleuze, G. (1996). Crítica y clínica (T. Kauf, Trad.). Barcelona: Anagrama.

Deleuze, G. (2006). Diferença e repetição (L. B. L. Orlandi & R. Machado, Trads.). São Paulo: Graal.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1995). Mil platôs: Capitalismo e esquizofrenia (Vol. 2). São Paulo: 34.

Diniz, M. (Diretora). (2013). Os caminhos desconhecidos do Mundo Luz [Filme]. Espuma Filmes, Universidade do Sul de Santa Catarina. Recuperado de: https://curtadoc.tv/curta/povosidentidade/os-caminhos-desconhecidos-do-mundo-luz/

Duarte, G. (2015). Frei Damião: Um retrato da comunidade mais carente da Grande Florianópolis. Hora de Santa Catarina. Recuperado de https://medium.com/@HoraSC/frei-dami%C3%A3o-um-retrato-da-comunidade-mais-carente-da-grande-florian%C3%B3polis-56692c7faca2

Farina, J. T., & Fonseca, T. M. G. (2015). O cine-pensamento de Deleuze: Contribuições a uma concepção estético-política da subjetividade. Psicologia USP, 26(1), 118–124. http://dx.doi.org/10.1590/0103-6564A20135213

Foucault, M. (1985). A história da sexualidade 3: O cuidado de si (8. ed). São Paulo: Graal.

Foucault, M. (1986). De outros espaços [Conferência proferida no Cercle d’Études Architecturales, em 14 de março de 1967]. Recuperado de https://www.scielo.br/j/ea/a/zz6cfdQBcxskMtMXDHPqT4G/?format=pdf&lang=pt

Foucault, M. (2003). Microfísica do poder (18. ed.). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2009). Vigiar e punir: Nascimento da prisão. Rio de Janeiro: Vozes.

Freire, J. C. (2003). A psicologia a serviço do outro: Ética e cidadania na prática psicológica. Psicologia: Ciência e Profissão, 23(4), 12–15. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932003000400003&lng=en&nrm=iso

Guareschi, N. M. F. , Reis, D. C., Huning, S. M. , Bertuzzi, L. D. (2007). Intervenção na condição de vulnerabilidade social: um estudo sobre a produção de sentidos com adolescentes do programa do trabalho educativo. Estud. pesqui. psicol. [online]. 2007, vol.7, n.1, pp. 0-0. ISSN 1808-4281.

Kohan, W. O. (2003). Infância: Entre educação e filosofia. Belo Horizonte: Autêntica.

Mbembe, A. (2018). Necropolítica: Biopoder, soberania, Estado de exceção, política da morte. São Paulo: Nº 1.

Pagni, P. A. (2014). Experiência estética, formação humana e arte de viver: Desafios filosóficos educação escolar. São Paulo: Loyola.

Resende, H. (2015). Michel Foucault: O governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica Editora. (Coleção Estudos Foucaultianos).

Rosa, T. T. (2009). Favelas, periferias: Uma reflexão sobre conceitos e dicotomias. In Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, Anais do 33º Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu, MG.

Santos, M. (2008). Metamorfoses do espaço habitado (6. ed.). São Paulo: EDUSP.

Silveira, T. C. (2015). Da infância inventada à infância medicalizada: Considerações psicanalíticas (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-24022016-090219/publico/TACITO_CARDERELLI_DA_SILVEIRA_rev.pdf

Spink, M. J. P. (Org.). (2013). Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: Aproximações teóricas e metodológicas. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Downloads

Publicado

2021-12-17

Como Citar

Sousa, L. T. de, & Botega, G. P. (2021). Um documentário me disse: a vida como obra de arte das crianças de uma comunidade. Psicologia Revista, 30(2), 363–390. https://doi.org/10.23925/2594-3871.2021v30i2p363-390

Edição

Seção

Artigos Teóricos