O Ideal de Cavalaria Medieval d’O Livro da Ordem de Cavalaria, de Raimundo Lúlio, n’Os Lusíadas, de Luís de Camões

Robson Rafael Nascimento

Resumo


RESUMO: Este artigo tem como objetivo mostrar a ressonância do ideal medievo de cavalaria, modelado por Raimundo Lúlio n’O Livro da Ordem de Cavalaria, na epopeia Os Lusíadas, de Luís de Camões. Como essa épica maneirista enaltece, ainda no século XVI, os valores cavaleirescos, através de seus reis e heróis, elogiando as virtudes por eles demonstradas. A épica de Camões, portanto, reverencia, em suas personagens, as virtudes teologais (fé, esperança e caridade) e cardeais (prudência, temperança, justiça e fortaleza), mais especificamente coragem, honra e palavra empenhada, atributos indispensáveis ao combatente, conforme recomendado por Lulío em seu Livro, manual com vistas à prescrição do guerreiro ideal. Mostra-se nesse artigo a permanecia do pensamento medieval na poética camoniana, que canta a expansão do império lusitano e de sua fé nos territórios alcançados pela colonização portuguesa. Os marinheiros portugueses e outros personagens do poema épico são, deste modo, figurados com as qualidades dos cavaleiros medievais cuja missão é a dedicação à guerra santa moderna contra os inimigos da cristandade.

 

 

Palavras-chave


Palavras-chave: Cavaleiro; épica; Os Lusíadas; medieval; Ordem

Texto completo:

PDF

Referências


A DEMANDA DO SANTO GRAAL. Organização e atualização de Heitor Megale, São Paulo: Companhia da Letras, 2008.

ALIGHIERI, Dante. A Divina Comédia. Tradução de Fábio M. Alberti. Ed. Nova Cultural: São Paulo, 2003.

ALMEIDA, Maria do Perpétuo Socorro Correia Lima de. Os Lusíadas e o discurso ideológico da expansão. In:______. Convergência lusíada. Revista cultural do Centro de Estudos do Real Gabinete de Leitura Português. Ano IV, n. 7, jul. 79 a dez. 80, p. 93-102, Rio de Janeiro: Imprinta, 1976.

BRAGA, Teófilo. Camões, A Obra Lyrica e Épica. Porto: Livraria Chardron, 1911.

BRAGA, Teófilo. Camões e o Sentimento Nacional. Porto: Livraria Internacional de Ernesto Chardron, 1891.

BRAGA, Teófilo. História da Literatura Portuguesa - Idade Média. Lisboa: Imprensa Nacional/ Casa da Moeda, 1984.

BRAGA, Teófilo. História de Camões. Porto: Imprensa Portuguesa, 1873.

BRAGA, Teófilo. Os centenários como synthese affectiva nas sociedades modernas. Porto: Typ. de A. J. da Silva Teixeira, 1884.

CAMÕES, Luís de. Os Lusíadas. Apresentação de Antônio José Saraiva, Lisboa: Figueirinhas, 1978.

CAMÕES, Luís de. Os Lusíadas. Rio de Janeiro: Bibliex, 1980.

CAMÕES, Luís de. Os Lusíadas. Leitura, prefácio e notas de Álvaro da Costa Pimpão e apresentação de Aníbal Pinto de Castro. Disponível em . Acesso 26 dez. 2014.

LOURENÇO, Eduardo. Mitologia da Saudade. São Paulo: Companhia das letras, 1999.

LÚLIO, Raimundo. O Livro da Ordem de Cavalaria. Tradução, notas, e prefácio de Ricardo da Costa. São Paulo: Giordano, Instituto Brasileiro de Filosofia e Ciência “Raimundo Lúlio” (Ramon Llull), 2000.

LUPI, João. Uma viagem pela Idade Média: estudos interdisciplinares. ZIERER, Adriana (org), SOUZA, Neila, GOMES, Flavia Santos (colab). São Luís: Editora UEMA, p. 127 – 144, 2010.

MALEVAL, Maria do Amparo Tavares. Ainda sobre Nun’Álvares Pereira e o ideal de cavalaria. Disponível em . Acesso 15 mai. 2014.

VICENTE, Gil. Auto da barca do inferno. In:______ SPINA, Segismundo (org.). Obras do teatro vicentino. 4. ed. São Paulo: DIFEL, 1983.




DOI: https://doi.org/10.19143/2236-9937.2016v6n12p223-245

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.