Escrita de si em Etty Hillesum: da condição feminina a experiência mística

Tânia Zimmermann, Cristiano Anderson Bahia

Resumo


Este artigo objetiva inquerir os escritos de Etty Hillesum a partir de uma perspectiva de sua condição humana e de sua privação de liberdade em um campo de concentração nazista. Desse espaço, ela questiona a si e a sua situação de ser mulher, sujeito de desejos para um processo interior de mudança. Para tal encontra no diário e nas cartas, a voz necessária para acalentar o EU e se ancora fortemente na espiritualidade. Aliada a uma pesquisa bibliográfica perscrutamos seu diário e cartas para estudar as suas diversas experiências e o sentido ético por ela construído. Ao viver dualidades diversas demonstra certa capacidade para uma ação criada e propiciada por relações concretas e historicamente configuradas. Ela também questiona o feminino e o feminismo e alerta que as mulheres devem resistir à ordem dominante masculina, subvertendo significados a partir de suas mais diferentes possibilidades, incluindo uma retórica emocional e espiritual.


Palavras-chave


Feminino, mística, diário, campos nazistas.

Texto completo:

PDF

Referências


BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo, v.I, II. Tradução Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

BURKE, Peter. História como memória social. In: Variedades da História Cultural. São Paulo: Civilização Brasileira, 2000, p.67-89.

HILLESUM, Etty. Diário. ASSIRIO & ALVIM,. Trad. Maria Leonor Raven-Gomes. Prefácio de José Tolentino de Mendonça. Portugal: Teofanias ASSIRIO & ALVIM,2009.

HARDING, Sandra. A instabilidade das Categorias Analíticas na Teoria Feminista. In

Revista Estudos Feministas,vol.1,no.1, 1993, Rio de Janeiro CIEC/ECO/UFRJ, p. 1-19.

FOUCAULT, M. Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro : Forense Universitária, 2000.

FOUCAULT, M. A Ética do Cuidado de Si como Prática da Liberdade. In: MOTTA, M B. da (org.). Coleção Ditos e Escritos V. Rio de Janeiro : Forense Universitária, 2004.

JUNGES, Márcia; COSTA, Andriolli. A mística nos rastros do cotidiano. Entrevista com Faustino Teixeira. In: Revista do Instituto Humanitas Unisinos, ed 435, dez. 2013, s.p.

MALUF, Marina. A reconstrução do passado. In: Ruídos da Memória. São Paulo: Siciliano,1995.

PANASIEWISCS. Roberley. VITÓRIO, Jaldemir (Orgs) Epiritualidades e dinâmicas sociais. Memória – Prospectivas. Belo Horizonte/São Paulo: SOTER/ Paulinas, 2014, p. 150-162.

PERROT, Michelle. Práticas da memória feminina. Revista Brasileira de História, 9 (18), São Paulo : ANPUH, 1989.

RAGO, Margareth. Entre a História e a Liberdade: Luce Fabri e o anarquismo Contemporâneo. São Paulo : Editora da UNESP, 2001.

TEIXEIRA, Faustino. Mística: experiência que integra anima (feminilidade) e animus (masculinidade). Entrevista com Faustino Teixeira. In: Revista do Instituto Humanitas Unisinos, ed. 385, dez. 2011, s.p.

TEIXEIRA, Faustino. A salvaguarda da diversidade e a defesa da criação. In: Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, Jan./Mar. 2015, p. 360-378.

VAZ, Henrique de Lima. Antropologia filosófica: São Paulo: Loyola, 1992.

ZIMMERMANN, Tânia; MEDEIROS, Márcia Medeiros. Biografia e Gênero: repensando o feminino. In: Revista de História Regional, 9(1), Verão 2004, p. 31-44.




DOI: https://doi.org/10.23925/2236-9937.2020v21p262-281

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.