A evidência do divino indizível em Vergílio Ferreira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/2236-9937.2020v21p344-371

Palavras-chave:

Romance, divino, Vergílio Ferreira, “eu”, crente.

Resumo

A presença do divino ao longo dos séculos foi-se transformando na literatura. Encontramos os deuses poderosos, pagãos e cristãos, um Deus temível que há de julgar, o Deus que dá sentido à existência e o Deus inexistente. No século XX, a literatura influenciada pela corrente filosófica do Existencialismo enfrenta-se à existência do ser, questionando a (in)existência do divino, de Deus. Vergílio Ferreira, autor português, essencialmente, da segunda metade do século XX, abre um diálogo entre o ser e o divino através da evidência do invisível e do indizível da fé numa narrativa que não diz, mas que se sente. Sem uma história com princípio, meio e fim, e uma prosa cada vez mais lírica, os seus romances apresentam o “eu” do protagonista que sofre um processo de autognose acompanhado pelo leitor, que vai ordenando o pensamento e a memória sobre a relação do “eu” com os outros. É o leitor que termina o romance, imaginando a palavra, a frase, a ideia que nunca se chega a dizer, atribuindo um dos múltiplos sentidos à narrativa que mostra o pensamento e o sentir de um “eu” crente.

Biografia do Autor

Ana Catarina Coimbra de Matos, Centro de Língua Portuguesa – Camões I.P. / Universidad Autónoma de Madrid

Doutora Cum Laude em literatura comparada / literatura europeia pela Universidade Autónoma de Madrid. Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas - variante de Estudos Portugueses e Ingleses com formação pedagógica pela Universidade de Lisboa. Professora de língua, cultura e literatura portuguesas na Universidade de Alcalá (Madrid) e, atualmente, professora de PLE no Centro de Língua Portuguesa na Universidade Autónoma de Madrid e nos cursos online do Camões, I.P., tendo participado na conceção de um curso online específico para hispanofalantes. A prática pedagógica e a literatura portuguesa são as suas linhas de investigação.

Referências

ALIGHIERI, Dante. Divina Comedia. Madrid: Alianza Editorial, 2004.

BACHILLER, Angel Rodríguez. El ente, Dios y el Existencialismo. Madrid: Editorial Pueyo, 1959.

FERREIRA, Vergílio. Manhã Submersa. 24.ª ed. Lisboa: Bertrand, 2004a.

FERREIRA, Vergílio. Alegria Breve. 7.ª ed. Lisboa: Bertrand, 2004b.

FERREIRA, Vergílio. Até ao Fim. 8.ª ed. Lisboa: Bertrand, 2004c.

FERREIRA, Vergílio. Para Sempre. 15.ª ed. Lisboa: Bertrand, 2005.

FERREIRA, Vergílio. Cartas a Sandra. 7.ª ed. Lisboa: Bertrand, 2002.

FERREIRA, Vergílio. Mudança. 5.ª ed. Lisboa: Bertrand, 1991.

FERREIRA, Vergílio. Aparição. 69.ª ed. Lisboa: Bertrand, 2003a.

FERREIRA, Vergílio. Deus o que é? O Tempo e o Modo – Revista de pensamento e acção. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003b.

GARCÍA BERRIO, Antonio e Teresa Hernández Fernández. Crítica Literaria – iniciación al estudio de la literatura. Madrid: Cátedra, 2006.

LOPES, Óscar. Os Sinais e os Sentidos – Literatura Portuguesa do Século XX. Lisboa: Caminho, 1986.

LORCA, Federico García. “Poeta en Neuva York”. In Obras Completas. Madrid: Aguilar, 1960.

LUKÁCS, György. El alma y las formas y La teoria de la novela. Barcelona: Grijalbo, 1975.

MADISON, Gary Brent. Sentido y existencia. Pamplona: Verbo Divino, 1976.

RICOEUR, Paul. Teoria da Interpretação – O Discurso e o Excesso de Significação. Colecção Biblioteca de Filosofia Comtemporânea. Lisboa: Edições 70, 2000.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emilio o De la Educación. Madrid: Alianza Editorial, 2005.

SANTO AGOSTINHO. A Imortalidade da Alma. Rio de Janeiro: Teodoro Editor, 2018.

SOUSA, José Antunes de. Vergílio Ferreira e a filosofia da sua obra literária. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa, 2001.

Downloads

Publicado

2020-10-10

Edição

Seção

Dossiê: Invisível e Indizível