Elogio da vaidade

a recepção do Eclesiastes em Machado de Assis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/2236-9937.2022v27p228-245

Palavras-chave:

Machado de Assis, Eclesiastes, Vaidade, Pessimismo, Religião e literatura

Resumo

A religião ocupou um lugar importante na obra de Machado de Assis. Escrito em 1878, Elogio da vaidade revela a presença do Eclesiastes no texto machadiano. O tema da vaidade presente no conjunto da obra machadiana ganhou a companhia do pessimismo e reforçou no escritor um significado negativo da vida. Dom Hugo de Bressane abordou de forma pioneira o tema da religião na obra do escritor fluminense. No limiar do século XXI ocorreu de modo expressivo, o número de trabalhos sobre a religião em Machado. O Eclesiastes, um dos livros bíblicos mais conhecidos, trata de temas que revelam o cotidiano e a efemeridade da vontade e da vida humana. A rotina de trabalho a qual está submetido o homem que labora sol a sol levanta questões em torno do sentido da vida. O esforço humano é associado à fadiga e ao sofrimento.   Machado faz uma reflexão sobre a vaidade e as vanidades humanas. O conto revela a importância da Bíblia para as reflexões machadianas sobre o pessimismo e o sentido da vida.

Biografia do Autor

Carlos Mário Paes Camacho, Instituto de Laticínios Cândido Tostes

Pós-Doutorado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Doutor em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Doutor em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Contato: carlosmariodegraus@hotmail.com.

Referências

ARAÚJO, Dom Hugo Bressane de. O aspecto religioso na obra de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Cruzada da boa imprensa, 1939.

ASSIS, Machado de. Obras completas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2015.

ASSIS, Machado de. Elogio da vaidade. Obras completas. Organização de Aluízio Leite et al. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2015.

ASSIS, Machado de. Memórias de póstumas de Brás Cubas. Obras completas. Organização Aluízio Leite et al. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2015.

BARCELLOS, José Carlos. Em busca do significado teológico de obras literárias: uma abordagem a partir da hermenêutica. Gragoatá. Niterói: No.8, 2000:113-128.

BARCELLOS, José Carlos. Literatura e espiritualidade: uma leitura de Jeunes Annés, de Julien Green. Bauru: EDUSC, 2001.

BARCELLOS, José Carlos. O Drama da salvação: espaço autobiográfico e experiência cristã em Julien Green. Juiz de Fora: Edições Subiaco, 2008.

BRUM, Fernando Machado. Literatura e religião: estudo das referências religiosas na oba de Machado de Assis. Dissertação (Mestrado). Porto Alegre: Departamento de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.

CALDAS, Carlos; MORI, Geraldo de; SANTOS, Luciano (orgs.). Aragem do sagrado: Deus na literatura brasileira contemporânea. São Paulo: Loyola, 2011.

CALDAS, Carlos. A festa da salvação: Um diálogo entre a teologia e literatura a partir do conto “A festa de Babette”. São Paulo: Garimpo Editorial, 2016.

CÂNDIDO, Viviane Cristina. O mal em Machado de Assis: cristianismo versus condição humana: As Memórias póstumas de Brás Cubas na perspectiva da Filosofia da Religião e da Educação. São Paulo: Musa Editora, 2011.

CARVALHO, Castelar de. Dicionário de Machado de Assis: língua, estilo, temas. Rio de Janeiro: Lexikon, 2004.

CEI, Vitor. A voluptuosidade do nada: niilismo e galhofa em Machado de Assis. São Paulo: Annablume, 2016.

CONCEIÇÃO, Douglas. Rodrigues da. Fuga da promessa e nostalgia do divino: antropologia de Dom Casmurro de Machado de Assis como tema no diálogo teologia e literatura. Rio de Janeiro: Horizontal, 2004.

COUTINHO, Afrânio. Machado de Assis na literatura brasileira. Rio de Janeiro: ABL, 1990.

FUCHIGAMI, Ivna Maia. O Mal na literatura brasileira: uma leitura teológica da obra de Quincas Borba. In: RIBEIRO, Cláudio; FONSECA, Hugo (orgs.). Teologias literatura 2: aproximação entre religião, teologia e literatura. São Paulo: Fonte Editorial, 2013.

GUTTIÉRREZ, Jorge Luiz. Data, autor e local do Livro Eclesiastes. Horizonte. , Belo Horizonte, v. 14, n. 42, 2016: 473-496

KIVITZ, Ed René. O livro mais mal-humorado da Bíblia: a acidez da vida e a sabedoria do Eclesiastes. São Paulo: Mundo cristão, 2009.

LÍNDEZ, José Vílchez. Eclesiastes ou Qohélet. São Paulo: Paulus, 2009.

MANZATTO, Antonio. Teologia e literatura: reflexões a partir dos romances de Jorge Amado. São Paulo: Edições Loyola, 1994.

NOGUEIRA, Paulo Augusto de Souza (org.). Linguagens da religião: desafios, métodos e conceitos centrais. São Paulo: Paulinas, 2012.

NOGUEIRA, Paulo Religião e linguagem. São Paulo: Paulinas, 2015.

PASCAL, Blaise. Pensamentos. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

QUEIROZ, Maria Eli de. Machado de Assis e a religião: considerações acerca da alma. 2.ed. São Paulo: Ideias & Letras, 2008.

REALE, Miguel. A Filosofia na obra de Machado de Assis & antologia filosófica de Machado de Assis. São Paulo: Pioneira, 1982.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. São Paulo: Editora UNESP, 2015. Tomo 2.

STORNIOLO, Ivo; BALANCIN, Euclides Martins. Conheça a Bíblia. São Paulo: Paulus, 1986.

STORNIOLO, Ivo. Como ler o livro de Eclesiastes: trabalho e felicidade. 6.ed. São Paulo, 2011.

Downloads

Publicado

2022-09-09