Margaridas em marcha por terra, água e agroecologia

Ilse Gomes Silva, Berenice Gomes da Silva

Resumo


O objetivo deste artigo é examinar como a temática do meio ambiente adquiriu importância na Marcha das Margaridas e tem se constituído em estratégia de mobilização e ampliação das lutas sociais que envolvem as trabalhadoras rurais no Brasil. Trata-se de uma pesquisa em andamento na qual utilizamos como método a análise das pautas e os Cadernos de Formação elaborados pela organização desta Marcha. A análise dos resultados parciais demonstra que as mulheres organizadas na Marcha das Margaridas compreendem que a defesa do meio ambiente é a garantia de sua própria sobrevivência, dos seus territórios e dos povos. E também nos apresentam como prática política a proteção e conservação da sociobiodiversidade, das fontes de água e da floresta, a agroecologia e a segurança alimentar. Revelam ainda que o meio ambiente constitui pauta central nesta Marcha, sobretudo no atual contexto de ameaça à soberania no país, onde as políticas ambientais têm sido desmontadas.

Palavras-chave


Marcha das Margaridas; Agroecologia; meio ambiente; lutas sociais

Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, Lourdes M., Desafios da transversalidade de gênero nas políticas públicas. In: SWAIN, Tânia Navarro, Muniz, Diva do Couto G. (Orgs). Mulheres em ação - práticas discursivas, práticas políticas. Florianópolis: Ed. Mulheres; Belo Horizonte: PUC/MG, 2005.

CONTAG. Secretaria Nacional De Mulheres Trabalhadoras Rurais, Agricultoras Familiares. Cartilha. Brasília: CONTAG, 2018.

DEERE, Carmen Diana. Os direitos da mulher à terra e os movimentos sociais rurais na reforma agrária brasileira. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, n.12, v.1, 2004.

MARCHA DAS MARGARIDAS. MANIFESTO da Marcha das Margaridas –Margaridas na luta por democracia e garantia de direitos. 8 de março. Brasília: CONTAG. Disponível em Acesso em 11 Abr. 2018.

MARCHA das Margaridas se encerra com novas conquistas e mostra a força das mulheres organizadas. Disponível em Acesso em 07 abr. 2018.

MEDEIROS, Leonilde S.de. Movimentos sociais no campo. Rio de Janeiro: Fase, 1989.

SILIPRANDI, Emma. Ecofeminismo: contribuições e limites para a abordagem de políticas ambientais. In: Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável., Porto Alegre, vol.1, n1, 2000.

SILVA, Berenice G. O golpe de 2016 e o retrocesso para as mulheres trabalhadoras rurais. In: Encontro Maranhenses sobre Educação, Mulheres e Relações de Gênero, 2, São Luís, Anais, São Luís, 2017.

__________. Resistência e luta das mulheres trabalhadoras rurais na Marcha das Margaridas. In: Mundo de Mujeres, 13 e Fazendo Gênero, 11, 2017, Florianópolis. Anais do Semin. Intern. Fazendo Gênero (documento eletrônico). Disponível em Acesso em 20 Abr. 2018.

__________. A Marcha das Margaridas: resistências e permanências. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Universidade de Brasília, Brasília-DF, 2008.

TIBURI, Márcia. O golpe foi contra as mulheres trabalhadoras. Entrevista ao Portal da CUT. Disponível em Acesso em 12 abr. 2018.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Lutas Sociais
Revista do Núcleo de Estudos de Ideologias e Lutas Sociais (NEILS)
Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais – PUC/SP
Ministro Godói, 969 - 4º andar – Perdizes
CEP: 05015-001 - São Paulo - SP - Brasil
Fone/Fax: (+55 11) 3670-8517

Lutas Sociais está indexada em: