Vitalidade da Ótica Feminina: Adélia Prado poeticamente habita na Mística

Kellen Irene Rabelo Borges, Josias da Costa Júnior

Resumo


Este artigo é resultante das pesquisas desenvolvida pelo projeto “Mística e Vitalidade na poética de Adélia Prado”. A proposta inicial é apresentar a poética adeliana no espaço das discussões a repeito da mística. Para esse objetivo reflexões interdisciplinares e multidisciplinares proporcionam a finalidade de analisar as relações entre literatura – no estilo poesia – e a teologia – na categoria do estudo da mística. As contribuições teóricas são de cunho literário, filosófico, teológico e a metodologia é de caráter bibliográfico. Em uma concepção eliadiana, o mundo é sagrado, e as pessoas estão passíveis a experiência religiosa através dos meios que a cultura possibilita. Tal experiência é relatada através de vários gêneros literários, como por exemplo, a poesia. Os diálogos traçados entre literatura e teologia impulsionam questões a respeito da relação e a comunicação que ocorre entre humano e divino. Quando essa comunicação acontece a partir da ótica de uma vitalidade feminina com o sagrado essa temática ganha um contorno diferente, ainda mais se a poesia é a ferramenta utilizada. Em Adélia Prado sua vitalidade se expressa na poética que também a faz habitar na mística.

Palavras-chave


Vitalidade, Mística e Poesia.

Texto completo:

PDF

Referências


Agenda Rede Minas. 2014. Entrevista com Adélia Prado no Agenda. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=q7yybMFc1hQ >. Acessado em, Ago. de 2015.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

HEIDEGGER, Martin. Ensaios e conferências. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universidade São Francisco, 2012.

________. A origem da obra de arte. Lisboa: Edições 70, s/d.

HERMANDES, Andréa. A mulher e o Prazer na Poesia erótica de Maria Tereza Horta. Boitatá – Revista do GT de Literatura Oral e Popular da ANPOLL ISSN 1980-4504.

LEAL, Larissa do Socorro Martins. As várias faces da mulher no medievo. Disponível em: < http://www.giacon.pro.br/lem/EDICOES/03/Arquivos/larissaleal.pdf >. Acessado em, Set. de 2015.

MAGEE, Bryan. História da filosofia. São Paulo: Loyola, 2001.

McGINN, Bernard. As Fundações da Mística: das origens ao século V. São Paulo: Paulus, 2012.

COSTA JÚNIOR. Josias; MORAES, M. R. J. (Org.). Religião em dialogo: considerações sobre religião, cultura e sociedade. Rio de Janeiro: Horizonal, 2008.

OLIVEIRA, Cleide. O poético, o erótico, o sagrado: ensaio sobre literatura. Rio de Janeiro: Mulltifoco, 2013.

SILVA, André Candido da; MEDEIROS, Márcia Maria de. SEXUALIDADE E A HISTÓRIA DA MULHER NA IDADE MÉDIA: a representação do corpo feminino no período medieval nos séculos X a XII. Revista Eletrônica História em Reflexão, v. 7, n. 14, 2014.

SOARES, Angélica. Vozes femininas da liberação do erotismo (Momentos selecionados na poesia brasileira). Via Atlântica, n.4, p.118-129, out. 2000. Disponível em: Acesso em: 18 fev. 2014.

PAZ, Octavio. O arco e a lírica. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

PRADO, Adélia. Cadernos de Literatura Brasileira, n.9. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2000, p. 23.

________. Poesia Reunida. São Paulo: Siciliano, 1991.

________. Mística e poesia. Revista Magis – Cadernos de Fé e Cultura, Centro Loyola de Fé e Cultura/Puc, Rio de Janeiro: Edições Loyola, 2004.

TEIXEIRA, Faustino (org). No limiar do mistério: mística e religião. São Paulo: Paulinas, 2004. p. 83.




DOI: https://doi.org/10.19143/2236-9937.2016v6n11p174-197

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.