O drama da beleza na poesia de Sophia de Mello Breyner Andresen

Luis Adriano Carlos

Resumo


Numa altura em que se celebra o centenário do nascimento da Autora portuguesa (1919-2004), galardoada com o Prémio Camões em 1999 e cujo corpo repousa no Panteão Nacional, em Lisboa, desde 2014, ainda se justifica a revisitação crítica da sua obra poética. Trata-se da figura feminina mais proeminente na galeria dos poetas portugueses do século XX e é patrona da Cátedra Poesia e Transcendência da Universidade Católica Portuguesa, no Porto, dirigida por José Rui Teixeira. Pertencente à importante geração dos Cadernos de Poesia, com Jorge de Sena e outros poetas da época da II Grande Guerra e da Guerra Fria, produziu uma singular poética imagista da claridade mediterrânica e da beleza apolínea. Todavia, o presente estudo procura evidenciar que a Beleza em Sophia, normalmente associada à serenidade solene e sem tensão, envolve um carácter dramático e dionisíaco que introduz um elemento de vitalidade e transcendência, o que obriga a uma revisão do seu lugar na história das formas estéticas da poesia portuguesa contemporânea.


Palavras-chave


Estética Literária; Belo Artístico; Beleza e Trágico; Apolíneo e Dionisíaco; Poesia e Transcendência.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/2236-9937.2019v9n18p332-354

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.