NO DIA MAIS CLARO, NA NOITE MAIS DENSA: mito e religião nos quadrinhos do Lanterna Verde

Felipe Ribeiro Cazelli

Resumo


A experiência do sagrado se dá por meio de símbolos e o impacto deles na consciência, transformando a forma como o indivíduo percebe e atua sobre o mundo. O símbolo, quando se estrutura em modalidade narrativa, dá origem aos mitos. Os mitos cumprem importantes funções nas vivências subjetivas, sendo a atribuição de sentido à existência humana a maior delas. O Lanterna Verde é membro de uma tropa, que lhe confia um anel de poder, ensinando-o a se utilizar de sua capacidade de imaginação e sua força de vontade, para lutar contra as ações das trevas. O anel é um tema recorrente na mitologia – como o Anel de Nibelungo e o anel de Giges em Platão – e na literatura e cultura pop, como a saga d’O Senhor dos Anéis. Remete diretamente ao simbolismo do círculo, que faz referência ao arquétipo do Self. Desta forma, o objeto de estudo deste artigo é, especificamente, o arco intitulado “Origem Secreta”, do mito do Lanterna Verde, que se insere na perspectiva dos Mitos de Anéis e ensina lições sobre poder, imaginação, criatividade, responsabilidade e superação do medo, através da repetição ritualística de uma espécie de “oração”, utilizada para “reenergizar” o anel, constituindo um discurso religioso.

Palavras-chave


Sagrado; Quadrinhos; Mito; Símbolo; Lanterna Verde.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Rubem. O que é religião?. São Paulo: Loyola, 1999.

BAZÁN, Francisco. Aspectos incomuns do sagrado. São Paulo: Paulus, 2002.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. 6 ed. Petrópolis: Vozes, 1990. v. 1.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. 9 ed. Petrópolis: Vozes, 1999. v. 3.

BRENZEL, Jeff. Por que os super-heróis são bons? Os quadrinhos e o anel de Giges. In: IRWIN, William. Super-heróis e a filosofia: verdade, justiça e o caminho socrático. São Paulo: Madras, 2009: 145-156.

CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. São Paulo: Pensamento, 2007.

CAMPBELL, Joseph. O poder do mito. 24 ed. São Paulo: Palas Athena, 2006.

CAPALBO, Creusa. Fenomenologia e ciências humanas. Aparecida: Idéias & Letras, 2008.

CASSIRER, Ernst. Ensaio sobre o homem: introdução a uma filosofia da cultura humana. 2 ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

CAZELLI, Felipe R. Ideias sobre Deus: um guia introdutório à filosofia da religião. Vila Velha: Portas, 2019.

CROATTO, José Severino. As linguagens da experiência religiosa: uma introdução à fenomenologia da religião. São Paulo: Paulinas, 2001.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. São Paulo: Cultrix/EDUSP, 1988.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. 6 ed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

ELIADE, Mircea. Tratado de história das religiões. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

FILORAMO, Giovanni; PRANDI, Carlo. As ciências das religiões. São Paulo: Paulus, 1999.

FINGEROTH, Danny. Superman on the couch: what superheroes really tell us about ourselves and our society. New York/London: Continuum, 2004.

FISHER, Timothy. Wagner through Tolkien or, Tolkien through Wagner. Mythmoot: ever on, v. III, 2015: 1-47. Disponível em: https://signumuniversity.org/library/signum-digital-collections/mythmoot-2015. Acesso 27. 09. 2019.

HENDERSON, Joseph L. Os mitos antigos e o homem moderno. In: JUNG, Carl G. (org.). O homem e seus símbolos. 2 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008: 133-205.

HOWARD-HILL, Lily. The nature of power and corruption in Plato and J. R. R. Tolkien. Dissertação (Mestrado). South Carolina, College of Arts and Sciences, University of South Carolina, 2017.

IRWIN, William (coord.). Super-heróis e a filosofia: verdade, justiça e o caminho socrático. São Paulo: Madras, 2009.

JOHNS, Geoff; REIS, Ivan. Green Lantern. v 4, n 29-35. New York: DC Comics, 2008a.

JOHNS, Geoff; REIS, Ivan. Lanterna Verde: origem secreta. In: Dimensão DC Lanterna Verde. n 9-15. Barueri: Panini Comics, 2008b.

JUNG, Carl G. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Petrópolis: Vozes, 2000.

JUNG, Carl G. (org.). O homem e seus símbolos. 2 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

KNOWLES, Christopher. Nossos deuses são super-heróis: a história secreta dos super-heróis das histórias em quadrinhos. São Paulo: Cultrix, 2008.

LANTERNA VERDE. Martin Campbell. EUA: Warner Bros. Pictures/DeLine Pictures: Warner Home Video, 2011. DVD Vídeo (114 min.).

MAÇANEIRO, Marcial. O labirinto sagrado: ensaios sobre religião, psique e cultura. São Paulo: Paulus, 2011.

MENDES, André; FREITAS, Laura Villares de. Religião e participação neste mundo. Junguiana: Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica. n. 1 (1983). São Paulo: Sociedade, 1983. pp. 25-32.

MÜLLER, Lutz. O herói: a verdadeira jornada do herói e o caminho da individuação. 2 ed. São Paulo: Cultrix, 2017.

OTTO, Rudolf. O sagrado: os aspectos irracionais na noção do divino e sua relação com o racional. 2 ed. São Leopoldo: Sinodal/EST; Petrópolis: Vozes, 2011.

PLATÃO. A república. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 2000.

REBLIN, Iuri Andréas. O alienígena e o menino. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.

REBLIN, Iuri Andréas. Para o alto e avante: uma análise do universo criativo dos super-heróis. Porto Alegre, RS: Asterisco, 2008.

RICOEUR, Paul. A simbólica do mal. Lisboa: Edições 70, 2013.

XAVIER, Cristina L. M. Spawn, o soldado do inferno: mito e religiosidade nos quadrinhos. São Caetano do Sul: Difusão, 2004.

XAVIER, Marlon. O conceito de religiosidade em C. G. Jung. PSICO, Porto Alegre, PUCRS, v. 37, n. 2, pp. 183-189, mai/ago, 2006.




DOI: https://doi.org/10.23925/2236-9937.2019v19p144-172

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.