No jogo das interações em sala de aula de matemática: implicações da pergunta do professor
Role of interactions in math classrooms: implications of teacher´s questions

Pedro Lucio Barboza, Jonei Cerquira Barbosa, Rômulo Marinho do Rego Marinho Rego

Resumo


Este artigo tem o objetivo de analisar as situações de interações discursivas presentes na pergunta do professor que favorecem a compreensão pelos alunos. Analisei essas situações de interações discursivas presentes na pergunta do professor utilizando elementos da teoria da linguagem de Bakhtin, mas de modo especial, o conceito de compreensão. Faço uma análise qualitativa dos dados da pesquisa, coletados em uma escola privada, por meio de observação, registrados em vídeo-gravação das aulas. Os resultados mostram três situações de interação presentes nas perguntas da professora que favorecem a compreensão pelo aluno: 1) perguntas que visam manter a atenção do aluno; 2) perguntas que podem ser respondidas com respostas curtas; 3) perguntas que solicitam uma reposta mais longa do aluno e mostram conhecimento do professor. As duas primeiras situações são caracterizadas pelo que denominei de compreensão intermediária, e a terceira situação por uma compreensão ativa plena dos alunos.

 

Abstract

 

 

The primary objective of this article is to analyze discursive interactions in teachers´ questions favoring understanding in the classroom. Elements of Bakhtin´s theory of language, especially the comprehension concept, were used to analyze the situations with discursive interactions. A qualitative analysis was used in this study, and the data were collected from a private school through class observations with video recordings. The results showed three interaction situations in the teacher´s questions favoring understanding in classroom: 1) questions aiming to elicit students´ attention; 2) questions requiring short answers; 3) questions requiring longer answers and revealing the teacher´s knowledge as well. The two first situations could be regarded as intermediate comprehension, whereas the third as entirely active comprehension.

 


Palavras-chave


Interações discursivas; Pergunta do professor; Compreensão dos alunos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALRO, H.; SKOVSMOSE, O. Diálogo e aprendizagem em educação matemática. Tradução de Orlando Figueiredo. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4 ed., São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 12 ed.São Paulo: Hucitec, 2006.

BARBOSA, J. C. A dinâmica das discussões dos alunos no ambiente de modelagem matemática. III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática, Águas de Lindóia –SP, Outubro de 2006.

CARVALHO, A. M. P. Uma metodologia de pesquisa para estudar os processos de ensino e aprendizagem em salas de aula. IN: SANTOS, F. M. T. e GRECA, I. M. A pesquisa em ensino de ciências no Brasil e suas metodologias. Ijuí: Ed. Unijuí, 2007.

COELHO, M. A. V. M. P.; CARVALHO, D. L. de. O estudo do discurso em educação matemática: a problematizaçao de significados hegemônicos sobre resolução de problemas. Paradigma, nº 2, vol. 27, p. 253-276, 2006.

COBB, P. et al. Reflective discourse and collective reflection. Journal for Research in Mathematics Education, v. 28, p. 258-77, 1997.

DÁMBROSIO, U. Prefácio. In: BORBA, M. de C.; ARAÚJO, J. de L. (Orgs.) Pesquisa qualitativa em educação matemática. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

D’AMBRÓSIO, U. Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, nº 1, p. 99-120, jan./abr., 2005.

DEMO, P. Pesquisa: princípio científico e educativo. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1991.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y.S. Introduction: The discipline and practice of qualittive research. IN: DENZIN, N. K. & LINCOLN, Y. S. The SAGE Handbook of Qualitative Research. Third edition. Sage publications: Thoussand Oaks: London, 2005. p. 1-32.

EVANS, J.; MORGAN, C.; TSATSARONI, A. Discursive positioning and emotion in school mathematics practices. Educational Studies in Mathematics, 63: 209-226, 2006.

ENGLUND, T. Deliberative communication: a pragmatist proposal. Journal Curriculum Studies, vol. 38, nº 5, p. 503-520, 2006.

FLORES, V. do N. et al. Dicionário de lingüística da enunciação. São Paulo: Contexto, 2009.

GHEDIN, E.; FRANCO, M. A. S. Questões de método na construção da pesquisa em educação. São Paulo: Cortez, 2008.

GÓMEZ-GRANELL, C. Rumo a uma epistemologia do conhecimento escolar: o caso da educação matemática. In: RODRIGO, M. J.; ARNAY, J. (Orgs.). Domínios do conhecimento, prática educativa e formação de professores. São Paulo: Ática, 1997. p.15-41.

GROVES, S.; DOIG, B. Progressive discourse in mathematics classes – the task of the teacher. Proceedings of the 28th Conference of the International Group for the Psychology of Mathematics Education, vol. 2, pp. 495-502, 2004.

HERBEL-EISENMANN, B. A.; LUBIENSKI, S. T.; ID DEEN, L. One teacher, two curricula: how and why does her pedagogy vary? Proceedings of the 26th annual meeting of the North American Chapter of the International Group for the Psychology of Mathematics Education – PME-NA Toronto, Ontario, 2004.

INNES, R. B. Dialogic communication in collaborative problem solving groups. International Journal for the Scholarship of Teaching and Learning, vol. 1, January 2007.

JANSEN, A. An investigation of relationships between seventh-grade students’ beliefs and their participation during mathematics discussions in two classrooms. Mathematical Thinking and Learning, 10: 68-100, 2008.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Editora Pedagógica Universitária – EPU, 1986.

MILES, M. B.; HUBERMAN, A. M. Qualitative data analysis: an expanded sourcebook. California: Sage publications, 2 ed., 1994.

McCRONE, S. S. The development of mathematical discussions: an investigation in a fifth-grade classroom. Mathematical Thinking and Learning, 7(2), p. 111-133, 2005.

NATHAN, M. J.; KNUTH, E. J. A study of whole classroom mathematical discourse and teacher change. Cognition and Instruction, 21(2), 175-207, 2003.

NACARATO, A. M.; MENGALI, B. L. da S. A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: tecendo fios do ensinar do aprender. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009. Coleção Tendências em Educação Matemática.

OLIVEIRA, M. M. de. Como fazer pesquisa qualitativa. Recife: Ed. Bagaço, 2005.

PIMM, D. Discourse analysis and mathematics education: an anniversary of sorts. ICME -International Congress on Mathematical Education - Realizado de 04 a 11 de julho de 2004 em Copenhagem, Dinamarca.

REGO, T. C. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. 16ªed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2004.

ROGERI, N. K. de O. Um Estudo das Perguntas no Discurso do Professor de Matemática. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática – PUC/SP, 2005. Disponível: http://www.sapientia.pucsp.br//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=4514, acesso em 10 de agosto de 2009.

RAMOS-LOPES, F. Estratégias de indagação em aulas de matemática. IN: ARAUJO, J. C.; DIEB, M. Linguagem e educação: fios que se entrecruzam na escola. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 193-207.

SANTOS, B. de S. Introdução a uma ciência pós-moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

SANTOS, B. de S. Um discurso sobre as ciências. Porto: Afrontamento, 1996.

SCHOENFELD, A. Ideas in the air: speculations on small group learning, environmental and cultural influences on cognition, and epistemology. International Journal for Research in Mathematics Education, 13(1), 71-78, 1989.

SFARD, A. On reform movement and the limits of mathematical discourse. Mathematical Thinking and Learning, 2(3), 157-189, 2000.

SFARD, A.; KIERAN, C. Cognition as communication: rethinking learning-by-talking through multi-faceted analysis of students mathematical interactions. Mind, Culture, and Activity, 8(1), 42-76, 2001.

SOUZA, G. M. L. de. Avaliação na rotina pedagógica da educação infantil: um olhar para a exploração das linguagens numa sala de aula da pré-escola. Dissertação de Mestrado – Universidade Estadual da Paraíba, Mestrado Interdisciplinar em Ciências da Sociedade, 2007.

STAPLES, M. Supporting whole-class collaborative inquiry in a secondary mathematics classroom. 2006. Disponível em: http://www.edb.utexas.edu/empson/wp-content/uploads/ 2006/05/Staples_NCTM%20Research%20Presession.pdf. Acesso 30 de setembro de 2009.

STAPLES, M.; TRUXAW, M. P. Preservice mathematics teachers perceptions of mathematical discourse. Proceedings of the 28th annual meeting of the North American Chapter of the International Group for the Psychology of Mathematics Education – PME-NA. Mérida, México, 2006.

STEIN, M. K. et al. Orchestrating productive mathematical discussions: five practices of helping teachers move beyond show and tell. 2007. Disponível em: http://www-gse.berkeley.edu/faculty/RAEngle/SteinEngleSmithHughes(inpress).pdf. Acesso: 10 de outubro de 2009.

SFARD, A. Learning mathematics as developing discourse. Proceedings of the 21th annual meeting of the North American Chapter of the International Group for the Psychology of Mathematics Education – PME-NA. Columbus, Ohio, p. 23-44, 2001.

TAVARES, C. F. de S.; PINTO, M. M. F. Linguagem, interação discursiva e produção de significados para os conjuntos numéricos. Disponível em: http://www.cp.ufmg.br/cpantigo/III_SIPEM/18_set/4-Cristina%20e%20Marcia-OK.pdf. Acesso em 10 de setembro de 2009.

VACCARI, B. V. A interação na sala de aula de matemática. Dissertação de Mestrado/ ULBRA, 2007.

WAGNER, D.; HERBEL-EISENMANN, B. Just don´t: the suppression and invitation of dialogue in the mathematics classroom. Educational Studies in Mathematics. 67:143-157, 2008.

WHITE, D. Y. Promoting productive mathematical classroom discourse with diverse students. Journal of Mathematical Behavior, 22: 37-53, 2003.

WATSON, J. M.; CHICK, H. L. Factors influencing the outcomes of collaborative mathematical problem solving: an introduction. Mathematical Thinking and Learning, 3(2&3), 125-173, 2001.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA