O Modelo Referencial da Linguagem na aprendizagem matemática de alunos surdos
The Language Referential Model in the mathematical learning of deaf students

Walber Christiano Lima da Costa, Marisa Rosâni Abreu da Silveira

Resumo


Neste artigo, apresentamos um estudo acerca do uso do Modelo Referencial da Linguagem na tradução-interpretação da linguagem matemática pelos surdos usuários da Libras. Nosso objetivo é investigar as influências desse uso no aprendizado da Matemática. Para tanto, apoiamo-nos em alguns conceitos da filosofia de Wittgenstein e de educadores matemáticos que se filiam a essa filosofia e em alguns autores que trabalham com a educação inclusiva de surdos. Realizamos uma pesquisa de campo em duas escolas, com um total de 13 (treze) estudantes surdos, sendo 4 (quatro) em uma turma e 9 (nove) em outra. A partir da abordagem qualitativa, constatamos que esses alunos utilizam a tradução literal das palavras que deriva do Modelo Referencial da Linguagem, ou seja, uma tradução palavra-sinal, fazendo com que não consigam compreender conceitos matemáticos.

In this article, we introduce a study about the use of the Language Referential Model in the translation-interpretation of the mathematical language for the deaf users of Libras. Our objective it is to investigate the influences of that use in the learning of Mathematics. For this purpose, we rely on some concepts of Wittgenstein philosophy, and on mathematical educators who affiliate themselves at that philosophy, and, also, on some authors who work with the inclusive education for the deaf.  We accomplish a field research in two schools, with a total of 13 (thirteen) deaf students, 4 (four) in one class and 9 (nine) in another. Based on a qualitative approach, we verified that those students use the literal translation of the words that derives from the Language Referential Model, in other words, a translation word-signal, thus making them unable to understand mathematical concepts.


Palavras-chave


Referencialidade; Tradução; Wittgenstein; Surdos

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Decreto n°. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n°. 10.436, de 24 de abril de 2002 que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o Art. 18 da Lei n°. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, 2005.

BRASIL. Lei n°. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais -Libras, e dá outras providências. Brasília, 2002.

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D.; MAURICIO, A. C. L. Novo Deit-Libras: Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilingue da Língua de Sinais Brasileira (Libras) baseado em Linguística e Neurociências Cognitivas, Volume 1: Sinais de A a H. 3.ed. ver. e ampl. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo / Inep / CNPq / Capes / Obeduc, 2013.

DEHAENE, S. La Bosse des maths. Paris: Odile Jacob, 1997.

DOMÍNGUEZ, P. J. C. La traducción como problema en Wittgenstein. Pensamiento. Vol. 43, Núm. 170, (1987), pp.179-196. ISSN.: 0031-4749. Disponível em: http://www.freelyreceive.net/metalogos/files/trad-witt.html Acessado em: 10 de Maio de 2018.

GESSER, A. O ouvinte e a surdez: sobre ensinar e aprender a LIBRAS. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

GONÇALVES, C. F. ADESTRAR PARA A AUTONOMIA: a crítica wittgensteiniana ao construtivismo. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Programa de Pós - Graduação em Cognição e Linguagem do Centro de Ciências do Homem, Campos dos Goytacazes - RJ, 2013.

GOTTSCHALK, C. M. C. Algumas observações sobre a questão da possibilidade de aprendizagem sem linguagem. In.: GOTTSCHALK, Cristiane M. C.;PAGOTTO-EUZEBIO, Marcos S.; ALMEIDA, Rogério. Filosofia e Educação: Interfaces. São Paulo: Képos, 2014. p.101-110.

HEIDERMANN, W. (Ed.), Clássicos da Teoria da Tradução Vol. 1 Alemão- Português. 2.ed. Florianópolis: UFSC / Núcleo de Pesquisas em Literatura e Tradução, 2010.

KRITZER, K. L.; PAGLIARO, C. M. Matemática: Um desafio internacional para estudantes surdos. Cadernos Cedes, Campinas, v.33, n.91, p.431-439, set.-dez.2013.

MONK, R. Wittgenstein. O dever do gênio. Trad. Carlos Afonso Malferrari. São Paulo: Cia. das Letras. 1995.

MOREIRA, I. M. B. Os jogos de linguagem entre surdos e ouvintes na produção de significados de conceitos matemáticos. 2015, 128 f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências Matemática) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Educação Matemática e Científica, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas, Belém, 2015.

OUSTINOFF, M. Tradução: história, teorias e métodos. Trad.de Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

QUADROS, R. M. de; KARNOPP, L. B. Língua de Sinais Brasileira – Estudos Linguísticos. Porto Alegre: ArtMed, 2004.

REAME, E. Linguagens da Matemática. São Paulo: Saraiva, 2008.

ROCHA, L. R. M. O que dizem surdos e gestores sobre vestibulares em Libras para ingresso em universidades federais. 2015. 125 f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.

SBEM. Sociedade Brasileira de Educação Matemática. Grupos de Trabalho. Disponível em: http://www.sbembrasil.org.br/sbembrasil/index.php/grupo-de-trabalho/gt. Acessado em: 20 de Maio de 2019.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVEIRA, M. R. A. Tradução de textos matemáticos para a linguagem natural em situações de ensino e aprendizagem.Educ. Matem. Pesq., São Paulo, v.16, n.1, p.47-73, 2014.

WITTGENSTEIN, L. Fichas (Zettel). Lisboa: Edições 70, 1989.

WITTGENSTEIN, L. Observações Filosóficas (OF). Trad. Adail sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Loyola, 2005.

WITTGENSTEIN, L. Tractatus Logico-Philosophicus (TLP). Trad. Luiz Henrique Lopes dos Santos. São Paulo: Edusp, 1993.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. Trad. José Carlos Bruni. 2.ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979.




DOI: https://doi.org/10.23925/1983-3156.2020v22i1p490-511

Direitos autorais 2020 Educação Matemática Pesquisa : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática



INDEXADORES DA REVISTA
     
             Anti-Plágio