A PRÁTICA EXPLORATÓRIA NA INTERNET: ENQUADRES E O MODELO 3C EM UM PÔSTER VIRTUAL COLABORATIVO

Sabine Mendes Moura

Resumo


O presente artigo analisa a construção de um pôster virtual, a partir do conceito de Trabalho Colaborativo Apoiado por Computador (ELLIS et al., 1991). O pôster foi construído por membros do grupo de Prática Exploratória do Rio de Janeiro, considerando seus princípios de atuação (ALLWRIGHT e HANKS, 2009), e analisado a partir dos conceitos de enquadre e laminação (GOFFMAN, 2012) e do modelo de interação mediada 3C (FUKS et al., 2002). O objetivo da análise foi entender até que ponto o tipo de trabalho que fazemos presencialmente pode se beneficiar com a transição para ambientes virtuais. Nesse sentido, destaco a importância das atividades de pré-estruturação e coordenação em trabalhos enquadrados como colaborativos, bem como a contribuição do foco interacional no estudo das limitações e possibilidades de ressignificação dos recursos da internet, sugerindo que a área de linguagem-em-interação pode colaborar, diretamente, com a área de desenvolvimento groupware.


Palavras-chave


Prática Exploratória; Trabalho Colaborativo Apoiado por Computador; Modelo 3C; Enquadres; Pôster Virtual.

Texto completo:

PDF

Referências


ALATORRE ROJO, E.P; CAMACHO REAL, C. 2007. El trabajo cooperativo en entornos virtuales de aprendizaje. IX Congreso Mexicano de Investigación Educativa COMIE. Merida, Yucatán.

ALLWRIGHT, D. 2003. Exploratory Practice: re-thinking practitioner research in language teaching. Language Teaching Research, 7.2:113-142. Califórnia.

____________. 2006. Six promising directions in Applied Linguistics. In: GIEVE, S.; MILLER, I. K. (Orgs.), 2006, Understanding the language classroom. Hampshire: Palgrave Macmillan, p. 11-17.

ALLWRIGHT, D; HANKS, J. 2009. The developing language learner – an introduction to exploratory practice. Londres: Palgrave Macmillan.

CARO, L.A. 2014. The enhanced school, usage and appropriation of emerging Information and Communication. I Ilumno International Virtual Seminar. Rio de Janeiro: Rede Ilumno.

CARO, L.A; VELANDIA, C.A.; RUIZ, W.B., ALVAREZ, C.A. 2004. Concepciones educativas contemporáneas y escenarios virtuales de aprendizaje. Bogotá: Kapria.

ELLIS, C.A.; GIBBS, S.J.;REIN, G.L. 1991. Groupware – some issues and experiences. Communications of the ACM, 34:1, pp. 39-58. Nova Iorque.

FILIPPO, D.; RAPOSO, A., ENDLER, M.;FUKS, H. 2007. Ambientes Colaborativos de Realidade Virtual e Aumentada. In: KIRNER, C. e SISCOUTTO, R. (Orgs.), 2007, Realidade Virtual e Aumentada - Conceitos, Projeto e Aplicações. Porto Alegre: Editora SBC, pp 168-191.

FUKS, H., RAPOSO, A.B., GEROSA, M.A., LUCENA, C.J.P. 2002. O modelo de colaboração 3C e a Engenharia de Software. In: LUCENA, C.J.P (Org.), 2002, Monografias em Ciências da Computação, 17:2, pp.1-14. Rio de Janeiro.

FUKS, H; RAPOSO, A.B.; GEROSA, M.A.; PIMENTEL, M.G.; LUCENA, C.J.P. 2004. Suporte à Coordenação e à Cooperação em uma Ferramenta de Comunicação Textual Assíncrona: Um estudo de caso no ambiente AulaNet. Anais do I Workshop Brasileiro de Tecnologias para Colaboração, pp. 173-180. Ribeirão Preto.

FUKS, H.; RAPOSO, A.; GEROSA, M.A.; PIMENTEL, M.G.; FILIPPO, D.; LUCENA, C.J.P. 2007. Inter- e Intra-relações entre Comunicação, Coordenação e Cooperação. Anais do IV Simpósio Brasileiro de Sistemas Colaborativos, pp.1789-1800. Rio de Janeiro.

GEROSA, M.A.; PIMENTEL, M.G.; FILIPPO, D.; BARRETO, C.G.; RAPOSO, A.B.; FUKS, H.; LUCENA, C.J.P. 2005. Componentes Baseados no Modelo 3C para o Desenvolvimento de Ferramentas Colaborativas. Anais do 5º Workshop de Desenvolvimento Baseado em Componentes, pp. 109-112. Juiz de Fora.

GIEVE, S; MILLER, IK. 2008. What do we mean by 'quality of classroom life'? In: GIEVE, S; MILLER, IK. Understanding the language classroom, p.18-46. London: Palgrave Macmillan.

GOFFMAN, E. 2012. Os quadros da experiência social – uma perspectiva de análise. Petrópolis: Vozes.

HANKS, J. 2017. Exploratory Practice in Language Teaching: puzzling about principles and practices. London: Palgrave Macmillan.

LINCOLN, YS; GUBA, EG. 2010. Controvérsias paradigmáticas, contradições e confluências emergentes. DENZIN, NK; LINCOLN, YS [org]. O planejamento da pesquisa qualitativa – teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed.

MILLER, I. K. 2001. Researching Teacher Consultancy via Exploratory Practice: a Reflexive and Socio-Interactional Approach. Tese de Doutorado. Department of Linguistics and Modern English Language, Lancaster University.

________. 2009. The ‘Web of Life’ of the Rio de Janeiro Exploratory Practice Group. In: ALLWRIGHT, D; HANKS, J. The Developing Language Learner – an introduction to Exploratory Practice, 2009. Londres: Palgrave Macmillan.

________. 2012. A Prática Exploratória na educação continuada de professores de línguas: inserções acadêmicas e teorizações híbridas. In: SILVA, K.A; DANIEL, F.G.; KANEKO-MARQUES, S.M.; SALOMÃO, A.C.B, 2012, A Formação dos Professores de Línguas: Novos Olhares – Volume II. São Paulo: Pontes.

MOITA LOPES, L.P. 2008. Introdução – Uma linguistica aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como linguista aplicado. In: MOITA LOPES, L.P.(Org.), 2008. Por uma linguística aplicada indisciplinar. Rio de Janeiro: Parábola.

MORAES BEZERRA, I. C. R. 2007. Com quantos fios se tece uma reflexão?” Narrativas e argumentações no tear da interação. Tese de Doutorado. Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

MOURA, S.L.M. 2016. A tese como Atividade Pedagógica com Potencial Exploratório: trabalhando para entender entextualizações do conhecimento acadêmico. Tese de Doutorado. Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

PIMENTEL, M., FUKS, H., LUCENA, C.J.P. 2008. Um Processo de Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos baseado no Modelo 3C: RUP- 3C-Groupware. Anais IV Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação, pp. 1-13. Rio de Janeiro.

SCHRAGE, M. 1995. No more teams! Mastering the dynamics of creative collaboration. Nova Iorque: Doubleday.

SENA, C. G. 2006. Ensinando e aprendendo e pesquisando: professora e alunos trabalhando pelo entendimento da interação em sala de aula. Dissertação de Mestrado. Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

SETTE, M. de L. 2006. A vida na sala de aula: ponto de encontro da Prática Exploratória com a Psicanálise. Tese de Doutorado. Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

SOUZA SANTOS, B. 2010. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez.

VAN MANEN, M. 1990. Researching lived experience: Human Science for an action sensitive pedagogy. New York: State University of New York Press.

WATSON, J. Student Comunication using a “social wall” on a pre-arrival online course. 2012. International Conference ICT for Language Learning, pp. 1-4. Londres.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2018v39i1a10

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)