A entrevista narrativa como instrumento na investigação de fenômenos sociais na Linguística Aplicada

Neiva Cristina da Silva Rego Ravagnoli

Resumo


Este artigo, recorte de minha tese de doutoramento, discorre sobre as formas de elaborar, conduzir e analisar entrevistas narrativas, conforme proposta por Schütze (1992a; 1992b) e Jovchelovitch e Bauer (2000) e discute sua potencialidade como instrumento na investigação de fenômenos sociais na Linguística Aplicada. Sua principal característica é a não interferência do pesquisador, que desenvolve a entrevista sob a premissa de oferecer total liberdade aos entrevistados para contar suas próprias histórias, no nível de enredamento em que as percebem. Tal característica vai ao encontro dos pressupostos da Linguística Aplicada que, em busca de compreender uma determinada realidade social, prima pela legitimidade de procedimentos de pesquisa que, na e pela linguagem, chegue o mais próximo possível da realidade manifestada pelo entrevistado, indivíduo inserido na realidade social focalizada pela pesquisa e, portanto, capaz de (re)construir essa realidade, modificá-la, influenciá-la e sofrer influência de sua conformação.


Palavras-chave


Entrevista narrativa, Linguística Aplicada

Texto completo:

PDF

Referências


CAIAFA, J. 2007. Aventura das cidades: ensaios e etnografias. Rio de Janeiro: FGV.

GERMANO, I. M. P. 2004. Aplicações e implicações do método biográfico de Fritz Schütze em Psicologia Social. Arquivos Brasileiros de Psicologia. 60 (03).

JOVCHELOVITCH, S.; BAUER, M. 2000. Narrative interviewing. In: BAUER, M.; GASKELL, B. (Eds.). Qualitative researching with text, image and sound: a practical handbook. p. 57-74. London, England: Sage Publications.

MAINDOK, H. Professionelle Interviewführung in der Sozialforschung. Pfaffenweiler: Centaurus, 1996. In: WELLER, W. 2009. Tradições hermenêuticas e interacionistas na pesquisa qualitativa: a análise de narrativas segundo Fritz Schütze. In: ANAIS da 32a Reunião da Anped, 2009, Caxambu. p. 11-16.

MOITA LOPES, L. P. 1994. Pesquisa Interpretativista em Linguística Aplicada: a Linguagem como Condição e Solução. In: D.E.L.T.A., v. 10 n. 2: 329-338.

__________. (Org.). 2006. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial.

RAJAGOPALAN, K. 2006. Repensar o papel da Linguística Aplicada. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). 2006. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial. p. 149-167.

SCHÜTZE, F. 1992a. Pressure and guilt: war experiences of a young German soldier and their biographical implications', Parts 1 and 2, International Sociology, 7. p. 187-208, 347-67.

__________. 1992b. Biography analysis on the empirical base of autobiographical narratives: how to analyse autobiographical narrative interviews – part 1. Disponível online em: http://www.uni-magdeburg.de/zsm/projekt/biographical/1/B2.1.pdf Acesso em: 06 jul. 2017.

__________. 1992c. Biography analysis on the empirical base of autobiographical narratives: how to analyse autobiographical narrative interviews – part 2. Disponível em: http://www.uni-magdeburg.de/zsm/projekt/biographical/1/B2.2.pdf Acesso em: 06 jul. 2017.

__________. 2010. Pesquisa Biográfica e entrevista narrativa. Metodologias de pesquisa qualitativa na educação: teoria e prática. Petrópolis: Vozes. [Publicado originalmente em: Neue Praxis, 1, 1983, p. 283-293. Tradução de Denilson Werle. Revisão de Wivian Weller].

VAN LIER, L. The classroom and the language learner: ethnography and the second language classroom research. London: Longman, 1988.

WELLER, W. 2009. Tradições hermenêuticas e interacionistas na pesquisa qualitativa: a análise de narrativas segundo Fritz Schütze. In: ANAIS da 32a Reunião da Anped, 2009, Caxambu. p. 11-16.

WELLER, W; OTTE, J. 2014. Análise de narrativas segundo o método documentário. Exemplificação a partir de um estudo com gestoras de instituições públicas. Civitas, Porto Alegre, v. 1.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2018v39i3a2

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)