UM ESTUDO SOBRE DIZERES DE LICENCIANDOS COTISTAS NO PIBID: 'TRÊS LANCHES, PROFESSORA?'

Carla Lynn Reichmann, Daniel Sousa Morais

Resumo


Situado na Linguística Aplicada, na perspectiva das vozes do sul (MOITA LOPES, 2006; KLEIMAN, 2013), este trabalho busca compreender como os dizeres de licenciandos desvelam voz de autor. Ancorada no Interacionismo Sociodiscursivo (BRONCKART, 1999, 2008; MACHADO, 2004) e na Clínica da Atividade (CLOT, [1999], 2007), analisou-se o trabalho docente de dois estudantes cotistas inseridos no PIBID Letras-Inglês na UFPB (MORAIS, 2017). De natureza qualitativa, e seguindo a proposta da autoconfrontação simples, conforme a referida Clínica, a discussão focaliza duas entrevistas propulsionadas pela filmagem de aulas dos colaboradores, que posteriormente, ao se verem, geraram as entrevistas, corpus da pesquisa. Foi verificada a saliência do tema ‘conflitos’ e, neste recorte sobre seis fragmentos, observa-se a emergência da voz de autor empírico, inscrevendo questões socioprofissionais como escrita e oralidade, preconceito e fome. Em suma, emergem novas vozes docentes, sugerindo o entrelaçamento de histórias de vida dos licenciandos cotistas e seus alunos.


Palavras-chave


Formação inicial; PIBID; Cotas; Interacionismo sociodiscursivo; Ciências do trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


AMIGUES, R. 2004. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: A.R. MACHADO, O Ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, pp. 37-53.

BABHA, H. K. 1998. O lugar da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

BÖHN, H. I. 2004. A formação do professor de línguas: a construção de uma identidade profissional. Investigações – linguística e teoria literária. Recife: UFPE, 17: 97-113.

BRASIL.1998. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF.

BRONCKART, J. P. 1999. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sociodiscursivo. São Paulo: Educ.

____________. 2006. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Campinas: Mercado de Letras.

____________. 2008. O agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Campinas: Mercado de Letras.

CLOT, Y. [1999]2007. A função psicológica do trabalho. 2ªed. Trad.: Adail Sobral. Petrópolis: Vozes.

_____. 2010. Trabalho e o poder de agir. Belo Horizonte: Fabrefactum.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. 2006. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: N. K, DENZIN; Y. S. LINCOLN. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, pp. 15-42.

DOSSIÊ Ações Afirmativas na UFPB. 2013. A longa década da democratização inconclusa no ensino superior (1999-2012). João Pessoa: NEABI/CCHLA.

KLEIMAN, Angela B. 2013. Agenda de pesquisa e ação em Linguística Aplicada: problematizações. In: L. P. MOITA-LOPES (Org.). Linguística Aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, pp. 39-58.

LOUSADA, E. G. 2006. Entre trabalho prescrito e realizado: um espaço para a emergência do trabalho real do professor. Tese de Doutorado. São Paulo: Pontifica Universidade Católica de São Paulo.

MACHADO, A. R. 2004. O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: EDUEL; São Paulo: FAPESP.

__________. 2007. Por uma concepção ampliada do trabalho do professor. In: A. M. M. GUIMARÃES; A. R. MACHADO; A. COUTINHO (Orgs.) O interacionismo sociodiscursivo: questões epistemológicas e metodológicas. Campinas: Mercado de Letras, pp. 77-97.

MACHADO, A. R. et. al. 2009. Linguagem e educação: o trabalho do professor em uma nova perspectiva. Campinas: Mercado de Letras.

MACHADO, A. R.; BRONCKART, J. P. 2009. (Re-)configuração do trabalho do professor construídas nos e pelos textos: a perspectiva metodológica do grupo ALTER-LAEL. In.: A. R. MACHADO et al. 2009a. Linguagem e educação: o trabalho do professor em uma nova perspectiva. Campinas: Mercado de Letras.

MEDRADO, B. P. 2017. Tornando-se professor: a compreensão de graduandos em Letras sobre a atividade educacional. In: B.P MEDRADO, B. P.; C.L.REICHMANN, Projetos e práticas de professores de língua inglesa (ebook, 2a ed.). João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2017. Acesso em: 14 de março de 2018.Disponível em: http://www.editora.ufpb.br/sistema/press/index.php/press/catalog/book/212.

MOITA-LOPES, L. P. 2006. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. SP: Parábola.

MORAIS, D.S. Uma análise do agir linguageiro de licenciandos cotistas no PIBID/Letras-Inglês. Dissertação de Mestrado. João Pessoa: UFPB, 2017.

MOURA, E. M.; SOUZA JUNIOR, A. J. 2015. Saberes docentes sobre o trabalho educativo no projeto PIBID. In.: M. V. BARBOSA; A. R. GONÇALVES; B. GAYDECSKA et al. A boniteza de ensinar e a identidade do professor na contemporaneidade. Campinas, São Paulo: Mercado das Letras, pp. 289-310.

REICHMANN, C.L. 2015. Letras e letramentos: escrita situada, identidade e trabalho docente no estágio supervisionado. Campinas: Mercado de Letras.

VYGOTSKY, L. S. 1984. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

___________. 1987. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

YAMIN, G. A.; CAMPOS, M. I.; CATANANTE, B. R. 2016. "Quero ser professora": a construção de sentidos da docência por meio do Pibid. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. 97.245:31-45. Disponível online em: http://dx.doi.org/10.1590/S2176-6681/3368314027. Acesso em: 20 de janeiro de 2017.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2018v39i1a8

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)