A implantação do NucLi UFS e a formação inicial de professores: realidades e possibilidades

Ana Karina de Oliveira Nascimento, Talyta Freitas de Mello

Resumo


Esse artigo trata do processo de implantação do Programa Inglês sem Fronteiras na Universidade Federal de Sergipe, em especial, do Núcleo de Línguas (NucLi), sob duas perspectivas: da coordenadora geral e de uma professora atuante do núcleo, graduanda do curso de Letras Inglês da instituição. Discute-se o processo de implantação das atividades pedagógicas que se materializaram por meio de aulas presenciais aos graduandos da instituição. Nesse contexto, problematiza-se a formação inicial de professores por meio das práticas pedagógicas adotadas, analisadas sob as lentes do letramento crítico (MENEZES DE SOUZA, 2011; JANKS, 2010), referente ao que se tornou realidade e a que possibilidades poderiam existir naquele contexto específico. Trata-se de um estudo autoetnográfico, entrecruzamento da etnografia e da autobiografia, o qual aponta para a necessidade de se pensar o ensino de língua inglesa e a formação de professores por meio de práticas que possam abranger o conceito de brechas (DUBOC, 2012).


Palavras-chave


Inglês sem Fronteiras, NucLi, Formação inicial de professores, Realidades, Possibilidades

Texto completo:

PDF

Referências


BEZERRA DA SILVA, R. 2011. Interpretações: Autobiografia de uma pesquisa sobre letramento literário em língua inglesa. Tese de Doutorado. 2011. 215f. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês da Universidade de São Paulo, São Paulo.

BRASIL. Decreto n. 7.642, de 13 de dezembro de 2011. Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2014.

CERVETTI, G. PARDALES, M. J.; DAMICO, J. S. 2001. A Tale of Differences. Reading Online, v. 4 n. 9, Abr. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2012.

CHANDLER, D. 2000. An Introduction to Genre Theory. Disponível em: . Acesso: 02 de jan. 2010.

DUBOC, A. P. M. 2012. Atitude curricular: letramentos críticos nas brechas da formação de professores de inglês. Tese de Doutorado. 2012. 246f. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês da Universidade de São Paulo, São Paulo.

DUTRA, D. P. 2016. Formação de Professores: Colaboração sem Fronteiras. In: M. C. F. D. FERREIRA; C. L. REICHMANN; T. R. de S. ROMERO. (Orgs.). Construções Identitárias de Professores de Línguas. Campinas, SP: Pontes Editores.

ELLIS, C.; ADAMS, T. E.; BOCHNER, A. P. 2011. Autoethnography: an overview. Forum: Qualitative Social Research, n.1, v.12, jan. Disponível em: . Acesso em: 02 de agosto de 2015.

GUIMARÃES, R. M. 2014. O ensino de línguas para fins específicos (ELFE) no Brasil e no mundo: ontem e hoje. HELB: História do Ensino de Línguas no Brasil. Ano 8 - nº 8 - 1. Disponível em: http://www.helb.org.br/index.php/revista-helb/ano-8-no-8-12014/227-o-ensino-de-linguas-para-fins-especificos-elfe-no-brasil-e-no-mundoontem-e-hoje . Acesso em: 19 set. 2015.

JANKS, H. 2010. Language, Power and Pedagogies. In: N. H. HORNBERGER; S. L. McKAY. (Eds.). Sociolinguistics and Language Education. Bristol, Buffalo, Toronto: Multilingual Matters.

JORDÃO, C. M. 2016. No Tabuleiro da Professora Tem.... Letramento Crítico? In: D. M. de JESUS; D. CARBONIERI. (Org.). Práticas de Multiletramentos e Letramento Crítico: outros sentidos para a sala de aula de línguas. Campinas: Pontes Editores Ltda.

MARCUSCHI, L. A. 2002. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: In: M.A. BEZERRA; A.P. DIONISIO e A.R. MACHADO (Orgs.). Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna. 2a. ed. pp. 19-36.

MENEZES DE SOUZA, L. M. T. 2011. Para uma redefinição de letramento crítico: conflito e produção de significação. In: R. FRANCO MACIEL; V. A. ARAÚJO. (Orgs.). Formação de professores de língua: ampliando perspectivas. Jundiaí: Paco Editorial.

TAKAKI, N. H. 2012. Contribuições de teorias recentes de letramentos críticos para inglês instrumental. RBLA, Belo Horizonte, v. 12, n. 4, p. 971-999.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2020v41i2a3

Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)