A aprendizagem da língua escrita por crianças surdas

Andre Nogueira Xavier

Resumo


Objetivo com este artigo discutir a aprendizagem da língua escrita por crianças surdas. Para tanto, em virtude da condição bilíngue e bimodal dessas crianças, primeiramente, trato das semelhanças e diferenças entre línguas faladas e línguas sinalizadas e, na sequência, de sua aquisição por essas crianças. Com isso, pavimento a discussão acerca da aprendizagem da língua escrita e cito algumas propostas pedagógicas para seu ensino.


Palavras-chave


Aprendizagem de língua escrita, Aprendizes surdos, Modalidade escrita, Segunda língua

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. (2000 [1979]). Os Gêneros do Discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. 3 ed. p. 277 - 326. São Paulo: Martins Fontes.

BRASIL. 2005. Decreto n. 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em 02 mar. 2019.

BRASIL. 2002. Lei 10.436 de 24 de abril de 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em 02 mar. 2019.

CAPOVILLA, F. C.; GIACOMET, A. MAZZA, C. Z.; AMENI, R.; NEVES, M. V.; CAPOVILLA, A. G. S. 2006. Quando surdos nomeiam figuras: Processos quirêmicos, semânticos e ortográficos. Perspectiva, 24: 53-175. Florianópolis, SC.

CAPOVILLA, F. C.; CAPOVILLA, A. G. S.; VIGGIANO, K. Q. F.; RAPHAEL, W. D.; LUZ, R. D. 2004. O desafio do bilingüismo na educação do surdo: Descontinuidade entre a língua de sinais e a escrita alfabética e estratégias para resolvê-la. In: CAPOVILLA, F. C. (Org.). Neuropsicologia e aprendizagem: Uma abordagem multidisciplinar. 2 ed. p. 261-274. São Paulo: Memnon.

CUMMINS, J. 1981. The role of primary language development in promoting educational success for language minority students. In: California State Department of Education (Org.). Schooling and language minority students: A theoretical framework. p. 3-49. Los Angeles: Evaluation, Dissemination and Assessment Center, California State University.

CUMMINS, J. 1986. Empowering minority students: A framework for intervention. Harvard Education Review, 56: 18–36. Cambridge, MA.

FERNANDES, S. de F. 2006. Letramentos na Educação Bilíngue para Surdos. In: BERBERIAN, A. P.; MORI-DE-ANGELIS, C. C.; MASSI, G. (Org.). Letramento: Referências em saúde e Educação. 1ed. v. 1. p. 117-144. São Paulo: Plexus.

FERNANDES, S. de F. 2008. Letramento na educação bilíngue para surdos: caminhos para a prática pedagógica. In: FERNANDES, M. C. L.; MARÇALO, M. J.; MICHELETTI, G. (Org.). A língua portuguesa no mundo. p. 1-30. São Paulo: FFLCH.

KLIMA, E.; BELLUGI, U. 1979. The Signs of Language, Cambridge: Harvard University Press.

KNOORS, H.; MARSCHARK, M. 2014. Teaching deaf learners: psychological and developmental foundations. New York, NY: Oxford University Press.

LODI, A. C. B. 2013. Ensino da língua portuguesa como segunda língua para surdos: impacto na Educação Básica In: LACERDA, C. B. F., SANTOS, L. F. (Org.). Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. p. 50-65. São Carlos: EdUFSCar.

LODI, A. C. B.; Bortolotti, E. C.; Cavalmoret, M. J. Z. 2014. Letramentos de surdos: Práticas sociais de linguagem entre duas línguas/culturas. Bakhtiniana. 9.2: 131-149. São Paulo.

Lucas, C.; VALLI, C. 1992. Language Contact in the American Deaf Community. San Diego, CA: Academic Press.

MAYER, C.; AKAMATSU, C. T. 2003. Bilingualism and literacy. In: Marschark, M.; Spencer, P. E. (Org.). Oxford handbook of deaf studies, language and education. p. 136-147. New York: Oxford University Press.

MEIER, R. P. 2002. Why different, why the same? Explaining effects and non-effects of modality upon linguistic structure in sign and speech. In: MEIER, R. P.; Cormier, K.; Quinto-Pozos, D. (Org.). Modalidy and structure in signed and spoken languages. p. 1-26. New York: Cambridge University Press.

PEREIRA, M. C. C. 2016. Ensino da Língua Portuguesa para Surdos. São Paulo: AVA Moodle Unesp [Edutec], a. Trata-se do texto 2 da disciplina 6 do curso de Especialização em Educação Especial com ênfase em Deficiência Auditiva/Surdez - NEaD/Unesp/SMESP. Disponível em https://acervodigital.unesp.br/bitstream/unesp/252173/1/unesp-nead_reei1_ee_d11_da_texto3.pdf. Acesso em 02 mar. 2019.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. 2004. Língua de sinais brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre: ARTMED.

ROJO, R. 2009. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial.

STOKOE, W. C. 1960. Sign Language Structure: An Outline of the Visual Communication Systems of the American Deaf. Studies in Linguistics. Occasional Paper, 8: 3-78. Nova Iorque.

Supalla, S.; Wix, T.; McKEE, C. 2001. Print as a primary source of English for deaf learners. In: Nichol, J.; Langendoen, T. (Org.). One mind, two languages: Bilingual language processing. Malden, MA: Blackwell.

SUTTON, V. 2000. Lessons in SignWriting textbook. 3 ed.. La Jolla, CA: Deaf Action Committee for SignWriting. Disponível em http://www.SignWriting.org/sw120.html. Acesso em 02 mar. 2019.

TAUB. S. 2001. Language from the body: Iconicity and metaphor in American Sign Language. Cambridge: Cambridge University Press.

WALKER, L. A. 1986. A loss for words: The story of deafness in a family. New York: Harper & Row.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2019v40i3a12

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)