O GeoGebra na aprendizagem das isometrias do plano com alunos do 6º ano

Nuno Miguel Pinto da Silva, Dárida Maria Fernandes

Resumo


O Programa de Matemática (2013) enuncia como subconteúdos das isometrias do plano: reflexão central; reflexão axial; rotação e simetrias de rotação e de reflexão. A experiência letiva diz-nos que os estudantes apresentam dificuldades na aprendizagem destes conteúdos. Por isso, foram definidas estratégias, para o processo de aprendizagem e ensino sobre isometrias do plano, utilizando o GeoGebra, como dinâmica complementar ao uso de ferramentas mais tradicionais, como a régua e o compasso. Neste estudo foi possível percecionar vantagens, desta complementaridade, com impacto positivo no conhecimento dos estudantes sobre os conteúdos em estudo. Mas surgiram, também, outras dificuldades quer na aprendizagem quer na ação do professor que urge refletir e analisar.

Palavras-chave


Geogebra

Texto completo:

PDF

Referências


BOGDAN, R. C. & BIKLEN, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora.

BREDA A.; SERRAZINA, L.; MENEZES, L.; SOUSA, H. & OLIVEIRA, P. (2011). Geometria e Medida no Ensino Básico. Brochura de apoio ao Programa de Matemática do Ensino Básico (2007) para o ensino da Geometria e Medida. Lisboa: DGIDC.

CARAÇA, B. J. (1989). Conceitos Fundamentais da Matemática. Livraria Sá da Costa Editora. e Gradiva, edições de 1951, 1984 e 1998.

CARIDADE, C.M.R., (2011). Applying Image Processing Techniques to motivate students in Linear Algebra Classes, 1st World Engineering Education Flash Week, Lisbon 2011. Editors: Jorge Bernardino and José Carlos Quadrado, p.114-121.

CARIDADE, C.M.R., (2012). Tecnologias de informação e comunicação para o enriquecimento no ensino/aprendizagem. Coimbra: Instituto Superior de Engenharia de Coimbra.

COELHO, A. (2013). GeoGebra e iTALC numa abordagem criativa das isometrias. Universidade de Aveiro: Tese de Mestrado.

COHEN, L., MANION, L. & MORRISON K. (2000). Research Methods in Education. London: Routledge.

DENZIN, N.K. & LINCOLN, Y.S. (2000). The discipline and practice of qualitative research. In N.K. Denzin & Y.S. Lincoln (eds.), Handbook of qualitative research (pp.1-28). Thousand Oaks: Sage Publications.

DICK, B. (1999). Whath is action research? Disponível em

DIKOVIÉ, L. (2009). Applications GeoGebra into teaching some topics of mathematics at the College Level, Computer Science and Information Systems, vol.6, n.2, p.191-203.

FERNANDES, D. (1994). Utilização da folha de cálculo no 4.oano de escolaridade. Estudo de uma turma. Tese de Mestrado. Braga: Universidade do Minho.

FERNANDES, D. (2006). Aprendizagens algébricas em contexto interdisciplinar no ensino básico. Tese de Doutoramento. Universidade de Aveiro.

GASPAR, J. M. P & CABRITA, I. (2014). GeoGebra e ferramentas tradicionais – Uma conjugação favorável à apropriação das isometrias. Seminário de Investigação em Educação Matemática, XXV, (p. 169-190). Braga: APM.

GRAVINA, M. A.; SANTAROSA, L. M. (1998). A Aprendizagem da Matemática em ambientes informatizados. Brasília: IV Congresso RIBIE.

GRAVEMEIJER, K. P. (1991). Na instruction-theoretical reflection on the use of manipulatives. In L. Streefland (Ed.), Realist Mathematics Education in primary school. On the occasion of the opening of the Freudenthal Institute. Utrecht: Center for Science and Mathematics Education (CD-β).

GRAVEMEIJER, K. (1994). Educational development and development research in mathematics education. Journal for Research in Mathematics Education, 25(5), (p. 443- 471).

GRAVEMEIJER, K. (1994). Developing Realistic Mathematics Education. Utrecht University: Freudenthal Institut.

GRAVEMEIJER, K.; Cobb, P.; Bowers, J. e Whitenack, J. (2000). Symbolizing, modeling e instructional design. In Paul Cobb, Erna Yackel e Kay, MacClain (Eds.), Symbolizing anda communicating in Mathematics Classrooms. Perspectives on Discourse, Tools, and Instructional Design, (p. 225-273). London: Lawrence Erlbaum Associates, Publishers.

GRAVEMEIJER, K. (2004). Documentos internos do Freudenthal Institut (FI) e entrevistas concedidas à investigadora na Universidade de Utrecht, no FI.

HACIOMEROGLU, E.S., Bu, L., SCHOEN, R.C & HOHENWARTER, M., (2009). Learning to develop mathematics lessons with GeoGebra, MSOR Connections, vol.9, n.2, p.24-26.

HOHENWATER, M., PREINER, J. & Yi, T. (2007). Incorporating GeoGebra into Teaching Mathematics at the College Level,” Proceedings of ICTCM 2007, Boston, MA. Retirado de .

LAGES, I., NÓBREGA, M.C. & CARDOSO, S. (2011). As TIC ao serviço da aprendizagem: contributos do acompanhamento parental no 2o ciclo do Ensino Básico, Projecto de Investigação. Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti.

LOURENÇO, A., e DE PAIVA, M.O.A. (2010). A motivação escolar e o processo de aprendizagem. Ciências & Cognição, vol.15, n.2, p.132-141.

NASCIMENTO, E. G. A. (2012). Avaliação do uso do Software GeoGebra no Ensino da Geometria: Reflexão da Prática na Escola. Atas de La Conferência Latinoamericana sobre GeoGebra. (p. 125-132). GeoGebra Uruguay 2012 ISSN 2301-0185.

OLIVEIRA, M. M. (2012). Utilização do GeoGebra no tópico Reflexão, Rotação e Translação – Um estudo no 6.o ano de escolaridade (Dissertação de Mestrado). Instituto Politécnico de Leiria, Leiria, Portugal.

SILVA, N. e FERNANDES, D. (2015). O GeoGebra no estudo das isometrias do plano. Revista Eletrónica: Sensos-e Vol: II Num: 1. ISSN 2183-1432. inED. Porto: ESE/IPPorto. http://sensos-e.ese.ipp.pt


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista do Instituto Geogebra Internacional de São Paulo está indexada nas seguintes bases:

             

 

        

   

Revista do Instituto GeoGebra internacional de São Paulo (IGISP) E- ISSN 2237-9657  (versão eletrônica)

Qualis/Capes: Qualis A3 na avaliação de Qualis/Capes (2017/2018)

Licença que permite que outros compartilhem o trabalho com um reconhecimento da autoria do mesmo e publicação inicial nessa revista GeoGebra.

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.