Avental lúdico fisioterapêutico: proposta, planejamento e confecção

Autores

  • Michele Magalhães Universidade de Sorocaba (UNISO)
  • Ana Laura Schliemann PUC-SP
  • Hugo Pasini Neto Universidade de Sorocaba (UNISO)

DOI:

https://doi.org/10.23925/1984-4840.2017v19i4a3

Palavras-chave:

fisioterapia, humanização, pediatria, jogos e brinquedos

Resumo

Introdução: O atendimento do paciente na fisioterapia infantil, para se tornar humano e eficaz, deve respeitar um aspecto primordial da infância: a brincadeira. A brincadeira é transportada para a sessão por meio de elementos lúdicos. A ludicidade de uma sessão geralmente depende de brinquedos (bolas, jogos de encaixe, bonecos) que propiciem menos estresse e maior colaboração por parte da criança para a correta realização dos exercícios. Objetivo: O objetivo deste trabalho foi apresentar o desenvolvimento do avental lúdico que pode ser utilizado nos atendimentos da fisioterapia infantil, e avaliar quais podem ser os benefícios de tal uso. Método: O presente estudo trata da construção de um protótipo de avental lúdico, que vem como proposta de um produto que possa somar em um ambiente rico em estímulos ou ser o único objeto lúdico da sessão. Resultados: O avental foi feito com TNT azul, pois é uma cor que transmite tranquilidade, e os animais foram feitos em E.V.A. colorido e colados com cola quente. Por meio da construção da tabela de idade e estímulos, foi possível ampliar o conhecimento sobre o uso do avental de diversas formas, com crianças de idades diferentes. Considerações Finais: Os temas da humanização e do lúdico nos atendimentos da pediatria ainda são pouco explorados. Novos estudos são necessários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Michele Magalhães, Universidade de Sorocaba (UNISO)

Estudante de graduação do curso de Fisioterapia na Universidade de Sorocaba (UNISO)

Ana Laura Schliemann, PUC-SP

Doutora em Psicologia Clínica (PUC-SP)

Hugo Pasini Neto, Universidade de Sorocaba (UNISO)

Doutor em Ciências da Reabilitação (UNINOVE)

Referências

Santos EC, Ramos AS, Sousa EA. Atendimento pediátrico humanizado, reação da criança e satisfação dos pais no serviço público e privado de fisioterapia respiratória. Estação Cient (UNIFAP) [Internet]. 2011 [acesso em 30 ago. 2015];1(2):69- 84. Disponível em: https://periodicos.unifap.br/index.php/estacao/article/view/242/elinaldov1n2.pdf

Traverso-Yépez M. A interface psicologia social e saúde: perspectivas e desafios. Psicol Estud [Internet]. 2001 [acesso em 8 mar. 2015];6(2):49-56. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v6n2/v6n2a07

Oberwaldner B. Physiotherapy for airway clearance in paediatrics. Eur Respir J [Internet]. 2000 [acesso em 24 jun. 2015];15:196-204. Disponível em: http://erj.ersjournals.com/content/erj/15/1/196.full.pdf

Fujisawa D, Manzini EJ. Formação acadêmica do fisioterapeuta: a utilização das atividades lúdicas nos atendimentos de crianças. Rev Bras Educ Esp [Internet]. 2016 [acesso em 29 jul. 2015];12(1):65-84. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbee/v12n1/31985.pdf

Tripp D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educ Pesqui [Internet]. 2005 [acesso em 10 mar. 2017];31(3):443- 66. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v31n3/a09v31n3.pdf

Lopes FM, Brito ES. Humanização da assistência da fisioterapia: estudo com pacientes no período pósinternação em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva [Internet]. 2009 [acesso em 27 ago. 2015];21(3):283-91. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbti/v21n3/a08v21n3.pdf

Gesell A. A criança dos 0 aos 5 anos. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes; 1996. p. 392.

Gesell A. A criança dos 5 aos 10 anos. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes; 1998. 403 p.

Faquinello P, Higarashi IH, Marcon SS. O atendimento humanizado em unidade pediátrica: percepção do acompanhante da criança hospitalizada. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2007 [acesso em 05 jun. 2015];16(4):609-16. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v16n4/a04v16n4

Melo LL, Valle ER. O brinquedo e o brincar no desenvolvimento infantil. Psicol Argum. 2005;23(40):43-8.

Burns YR, Macdonald J. Princípios do tratamento fisioterapêutico. In: Fisioterapia e crescimento na infância. São Paulo: Santos Livraria Editora; 1999. p. 123-30.

Backes DS, Lunardi Filho WD, Lunardi VL. A construção de um processo interdisciplinar de humanização à luz de Freire. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2005 [acesso em 29 jul. 2015];14(3):427- 34. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v14n3/v14n3a15.pdf

Radino G. Contos de fadas e realidade psíquica: a importância da fantasia no desenvolvimento. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2003. p. 236.

Downloads

Publicado

2018-01-29

Como Citar

1.
Magalhães M, Schliemann AL, Pasini Neto H. Avental lúdico fisioterapêutico: proposta, planejamento e confecção. Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba [Internet]. 29º de janeiro de 2018 [citado 1º de março de 2024];19(4):169-74. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/28981

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.