Maneiras criativas de não gostar de Bakhtin: Lydia Ginzburg e Mikhail Gasparov

Autores

  • Caryl Emerson Princeton University

Palavras-chave:

Recepção, Crítica, Metodologia, Amor, Romance polifônico

Resumo

Este artigo contribui para nossa compreensão de como os russos receberam os conceitos de Bakhtin, principalmente dois influentes estudiosos russos, críticos de Bakhtin, cada um a partir de uma perspectiva diferente. O estudo de tais críticas é valioso, uma vez que nos incentiva a reexaminar nossas próprias percepções, por vezes complacentes, das teorias de Bakhtin. Mikhail Gasparov (1937-2005), um importante classicista e preeminente erudito do verso, publicou críticas virulentas contra Bakhtin entre 1979 e 2004. Seu problema com Bakhtin era essencialmente metodológico. Lydia Ginzburg (1902-1990), conhecida por suas Notes of a Blockade Person, e por estudos sobre os gêneros do diário, das memórias, da carta pessoal e do caderno do escritor, questionou os pressupostos psicológicos por trás das teorias bakhtinianas de simpatia e amor. Ginzburg também tinha sérias dúvidas quanto à ideia bakhtiniana do romance polifônico e a respeito do uso que Bakhtin fazia da oposição entre o monológico e o dialógico para caracterizar os romances de Tolstoi e Dostoiévski. Um exame atento das posições de Bakhtin e Ginzburg sobre o amor revela paralelos e diferenças interessantes. O artigo termina com sugestões sobre como as críticas de Ginsburg e de Gasparov podem nos ajudar a ler Bakhtin de maneiras criativas.

Metrics

Carregando Métricas ...

Publicado

2015-11-16

Como Citar

Emerson, C. (2015). Maneiras criativas de não gostar de Bakhtin: Lydia Ginzburg e Mikhail Gasparov. Bakhtiniana. Revista De Estudos Do Discurso, 11(1), Eng. 39–69 / Port. 42. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/24391

Edição

Seção

(1) O tempo de Bakhtin