Do tipo textual ao gênero de texto. A redação no vestibular

Autores

  • Maria Helena Cruz Pistori Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Palavras-chave:

Gênero discursivo, Produção de texto, Vestibular, Argumentação, Bakhtin

Resumo

Os atuais documentos oficiais elaborados pelo Ministério da Educação no Brasil têm preconizado o ensino da produção textual por meio do gênero - discursivo ou textual. Seguindo essa linha, o exame vestibular de ingresso a uma das maiores universidades paulistas de 2011 também solicitou dos candidatos a elaboração de três textos, de diferentes gêneros. Com o objetivo de verificar que horizontes teórico-metodológicos fundamentaram a elaboração daquele exame, analisamos os textos do (1) Manual do Candidato, da (2) Prova de redação e da (3) Expectativa da banca. Nosso parâmetro teórico é o conceito de gênero discursivo conforme desenvolvido pelos membros do Círculo de Bakhtin desde 1920. Observamos, então, como essa nova proposta visa avaliar as características que a Universidade espera encontrar em cada um de seus alunos; como utiliza o arsenal teórico nos textos analisados e como garante a avaliação da capacidade argumentativa dos candidatos. Finalmente, sugerimos a possibilidade de trabalho com o gênero “dissertação escolar”.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Helena Cruz Pistori, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutora em Letras pela Universidade de São Paulo (2008). Pós-doutorado em curso, sob supervisão da prof. Dra. Beth Brait, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Publicado

2012-06-28

Como Citar

Pistori, M. H. C. (2012). Do tipo textual ao gênero de texto. A redação no vestibular. Bakhtiniana. Revista De Estudos Do Discurso, 7(1), Port. 142–160 / Eng. 138. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/8955

Edição

Seção

Artigos