Reflexões sobre o ensino/aprendizagem da Libras na educação superior

Severina Batista de Farias Klimsa, Bernardo Luís Torres Klimsa

Resumo


Em se tratando de uma educação multicultural, o ensino/aprendizagem de línguas assume um papel relevante na formação integral dos alunos, não apenas no que diz respeito aos processos de aquisição dos saberes curriculares, como também na construção de uma educação para a cidadania. Visamos com este trabalho refletir sobre o ensino e aprendizagem da Língua Brasileira de Sinais – Libras, como segunda língua na educação superior de acordo com a legislação vigente e questões sobre os aspectos didáticos-metodológicos utilizados pelos professores. Disciplina; recursos didático-metodológicos mais utilizados pelo professor no ensino da língua. Para esse fim, utilizamos uma revisão de estudos bibliográficos que estão de acordo com os pressupostos legais atuais para o ensino da Libras na educação superior e sua importância para a formação docente. Nossa expectativa é que oferecendo esses dados, novas reflexões possam se desdobrar contribuindo dessa forma para a ampliação do debate em torno dessa temática.


Palavras-chave


Ensino/Aprendizagem de Línguas, Libras, Ensino Superior, Formação docente

Texto completo:

PDF

Referências


ALBRES, N. A.; VILHALVA, Shirley. 2004. Língua de sinais: processo de aprendizagem como segunda língua. Rio de Janeiro: Arara Azul. Disponível em: Acesso em: 10 de fev. de 2013.

_____. 2011. Ensino de Libras como segunda língua e as formas de registrar uma língua viso-gestual: problematização da questão. ReVEL, v. 10, n.19.

ALMEIDA FILHO, J. C. P. 2011. Ensino de Línguas & Comunicação. Campinas, SP: Pontes Editoras e Arte Língua.

BAKHTIN, M. M.2010. O problema do texto na linguística, na filologia e em outras ciências humanas. In: Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes.

BRASIL. 2013. Decreto Federal n.º 5.626/2005. Regulamenta a Lei 10.436/2002 que oficializa a Língua Brasileira de sinais – Libras. Disponível em: http://www.feneis.org.br/page/legislacao_resultado.asp?1 Acessado em: 11 de fev.

CAPOVILLA, F. C., RAPHAEL, W. D.2001. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue da Língua Brasileira de Sinais. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

CHEN-PICHLER, D.2009. Sign production by first-time hearing signers: a closer look at handshape accuracy. In: Cadernos de Saúde. Universidade Católica Portuguesa. Instituto de Ciências da Saúde. Lisboa. Número Especial Línguas Gestuais. Vol. 2.

ELLIS, N. The associative-cognitive creed. In: VANPATTEN, B; WILLIAMS, J. (Ed.). Theories in second language acquisition: an introduction. Mahwah: Lawrence Erlbaum, 2007.p.77-95.

FELIPE, T. 2001. LIBRAS em contexto: Curso Básico. Manual do professor/instrutor. Brasília: MEC/SEESP.

FERNANDES, S.2006. Letramentos na educação bilíngue para surdos. In BERBERIAN, Ana et al org. Letramento: referências na educação e na saúde. São Paulo: Plexus.

FREITAS, H. C. L.2002. Formação de professores no Brasil: 10 anos de embate entre projetos de formação. Educ. Soc., vol.23, nº. 80, p.136-167.

GESSER, A. 2012. O ouvinte e a surdez – sobre ensinar e aprender a LIBRAS. São Paulo: Parábolas.

JOHNSON, M. A. 2004.Philosophy of second language acquisition. New York: Yale University Press.

KRASHEN, S D.1978. The monitor model for second-language acquisition. In: GINGRAS, R. C. (ed.). Second-language acquisition and foreign language teaching . Washington: Center for Applied Linguistics.p.1-26.

______. 2004. Applying the comprehension hypothesis: some suggestions. In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM AND BOOK FAIR ON LANGUAGE TEACHING, 13., 2004, Taipei. Proceedings...Taipei: English Teachers Association of the Republic of China.

LARSEN-FREEMAN, D.; LONG, M. H.1991. An introduction to second language acquisition research. New York: Longman.

LEBEDEFF, T. B.; ROSA, F. S.2011. Ensino de libras a distância: uma discussão sobre desafios e superações didáticas. Anais do VIII Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância. Ouro Preto.

LEITE, T. de A; MCCLEARY, L.2009. Estudo em diário: fatores complicadores e facilitadores no processo de aprendizagem da Língua de Sinais Brasileira por um adulto ouvinte. In: Estudos Surdos IV. QUADROS, R. M. de; STUMPF, M. R. (org.). Petropolis: Arara Azul.

LONG, M. H.1996. The role of the linguistic environment in second language acquisition. In: RITCHIE, W.; BHATIA, T. (ed.). Handbook of second language acquisition. San Diego: Academic Press, v.2, p.413-468.

MATTOS, A. M. A. 2001. A hipótese da Gramática Universal e a aquisição da segunda língua. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, V.09, n.2.

MITCHELL, R. MYLLES, F. 2004.Second Language Learning Theories. 2nd. Ed. London: Arnold Publishers.

MORAES, A. H. C.2010. Descrição do desenvolvimento linguístico na língua inglesa em seis surdos: novos olhares sobre o processo de aquisição de uma língua estrangeira. Dissertação de Mestrado em Ciências da Linguagem. Recife: UNICAP.

MOITA LOPES, L. P. Oficina de lingüística aplicada. 1996. Campinas: Mercado das Letras.

OLIVEIRA, G. M. Línguas como Patrimônio Imaterial. 2005. Disponível em: site www.ipol.org.br. Acesso em 05 de março.

PEREIRA, T. de L. 2008. Os desafios da implementação do ensino de Libras no Ensino Superior. Dissertação de Mestrado em Educação. Ribeirão Preto: Centro Universitário Moura Lacerda de Ribeirão Preto.

PIMENTA, N. 2000. Coleção Aprendendo LSB. Rio de Janeiro: LSB.

________, N. e QUADROS, R. M.2008. Curso de LIBRAS 1. Nível Iniciante. Rio de Janeiro: Editora Pallotti, 3. ed.

____________. 2009. Curso de LIBRAS 2. Nível Básico. Rio de Janeiro: Editora Pallotti.

QUADROS, R. M. 1997. Educação de Surdos: A Aquisição da Linguagem. Artes Médicas. Porto Alegre.

__________. & KARNOPP, L. B.2004. Língua de sinais brasileira. Estudos Linguísticos. Editora ArtMed. Porto Alegre.

ROSSI, R. A. 2010. A Libras como disciplina no ensino superior. Revista de Educação. v, 13, n. 15, Valinhos.

SACKS, O. W. 1998. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. São Paulo: Companhia das Letras.

SANTOS, L. F. e CAMPOS, M. L. I. L.2011. O ensino de língua brasileira de sinais - Libras para futuros professores da Educação Básica. São Carlos: UAB-UFSCar, 139-152.

SCHIFFLER, L.1991.Pour um enseignement interactif des langues étrangères. Paris: Hatier/Didier.

SCHUMANN, J. H.1978. The acculturation model for second-language acquisition. In: GINGRAS, R. C. (ed.). Second-language acquisition & foreign language teaching. Washington: Center for Applied Linguistics, p. 27 -50.

VIEIRA-MACHADO, L.; LÍRIO, L.. 2011. A Disciplina de Libras e a Formação Inicial dos Professores: experiências dos alunos de graduação em Pedagogia na Universidade Federal do Espírito Santo. Revista FACEVV, Vila Velha, n. 6, p. 96-104, jan/jun.

WHITE, L.2003. Second language acquisition and universal grammar. Cambridge: Cambridge University Press.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2020v41i1a6

Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)