Práticas de ensino de Língua Portuguesa como segunda língua no Instituto Federal Da Bahia: perspectiva bilíngue e intermediação sensível na sala de aula

Alessandra de Azevedo Costa Calixto, Joseane dos Santos do Espírito Santo, Rita de Cássia Souto Maior

Resumo


Este trabalho apresenta reflexões sobre a implantação e as práticas de ensino/aprendizagem da disciplina de Língua Portuguesa (LP) como segunda língua (L2) do Instituto Federal da Bahia (IFBA), Campus Salvador, nas turmas dos/as estudantes Surdo/as do Ensino Médio e Superior nos anos de 2013 à 2015 e em 2018. Ele analisa os desafios e as possibilidades no desenvolvimento de um trabalho para a compreensão das práticas linguístico-discursivas de Surdos/as no processo de ensino/aprendizagem. Adota-se a noção de língua, segundo Bakhtin e Volochinov (2014), que a veem como um fenômeno de natureza social, que se concretiza na relação com o outro e considera a Libras como a primeira língua (L1) do Surdo (QUADROS e SCHMIEDT, 2006; ESPÍRITO SANTO, 2020). A abordagem metodológica foi qualitativa (LÜDKE e ANDRÉ, 1986), de observação participativa. As análises indicaram possibilidades de um trabalho de intermediação sensível (LIMA, 2019), dentro de uma perspectiva bilingue com Surdos/as nos níveis de médio e superior, respeitando a Libras como L1 e a LP como L2.


Palavras-chave


Língua Portuguesa como Segunda Língua, Português para Surdos, Práticas de ensino/aprendizagem, Classe Bilíngue, Intermediação Sensível

Texto completo:

PDF

Referências


BALDO, C. F.; IACONO, J. P.2009. Letramento para alunos Surdos através de textos sociais. Artigo Final elaborado como parte dos requisitos necessários à conclusão do PDE - Programa de Desenvolvimento da Educação. Disponível em: . Acesso em 12 out. 2018.

BRASIL.1988. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em:< 5 de outubro. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 9 nov.

_______.1996. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 31 dez. 1996. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm>. Acesso em: 9 nov. 2018.

_______. 2002.Lei nº 10.436, de 24 de abril. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 07 dez. 2018.

_______.2005. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2018.

_______. 2014.Ministério da Educação. Planejando a Próxima Década. Conhecendo as 20 Metas do Plano Nacional de Educação. Ministério da Educação/Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino (MEC/Sase): Brasília, DF.

_______.2015. Lei n. 13.146 de 6 de julho. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 6 de jul. 2015. Disponível online em: . Acesso em: 9 nov. 2018.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA:1994. Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais, Salamanca, Espanha.

ESPÍRITO SANTO, J. S.2020. Discursos envolventes no ensino da língua portuguesa escrita para surdos em uma escola comum : análise linguístico-discursiva. 2020. 144 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Alagoas. Faculdade de Letras. Programa de Pós-Graduação em Linguística e Literatura. Maceió.

GESSER, A. 2009. Libras? Que Língua É Essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade Surda. São Paulo: Parábola.

INSTITUTO ALFA E BETO. 2016.Alfabetização: como ensinar a ler e a escrever com método fônico. 20 abr. 2016. Disponível em:< http://www.alfaebeto.org.br/blog/alfabetizacao-com-metodo-fonico/>. Acesso em 24 out. 2018.

KLEIMAN, A. B.2008. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado das Letras.

LACERDA, C.2000. O intérprete de língua de sinais no contexto de uma sala de aula de alunos ouvintes: problematizando a questão. In. LACERDA; GÓES, Maria Cecília (org.) Surdez: procedimentos educativos e subjetividade. São Paulo, Lovise.

LIMA, M. D. 2014.Adequação do ensino do português como l2 nas crianças Surdas: um desafio a superar/enfrentar. Disponível em: . Acesso em 12 out. 2018.

LIMA, A. C. S. de. SOUTO MAIOR, R. de C. 2012.Responsividade e Discursos Envolventes: observando o ensino e aprendizagem de Língua Portuguesa. Eutomia Revista de Literatura e Linguística. Ano V, nº 09, v.1.

LIMA, A. C. S. de. 2019. Da necessidade de uma intermediação sensível: reflexões sobre letramento acadêmico num contexto de Educação a Distância. Tese de Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística. Universidade Federal de Alagoas, UFAL, Brasil.

LODI, C. B.; LACERDA, C. B. F. de.2014. Ensino-aprendizagem de português como segunda língua: um desafio a ser enfrentado. In: LODI, C. B.; LACERDA, C. B. F. de. Uma escola, duas línguas: letramento em língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. 4. ed. Porto Alegre: Mediação, p. 143-160.

MARCUSCHI, L. A.. 2001 Da fala para a escrita. São Paulo: Cortez.

PEREIRA, M. C. da C.2014. O ensino de português como segunda língua para Surdos: princípios teóricos e metodológicos. Educar em Revista. Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 2,, p. 143-157. Editora UFPR.

PERLIN, G.; STROBEL, K.2008. Fundamentos da Educação de Surdos. Florianópolis: UFSC.

QUADROS, R. M.; SCHIMIEDT, M. 2006. Ideias para Ensinar Português para Alunos Surdos. Brasília: MEC, SEESP.

QUADROS, R. M. 2019. Libras. 1 ed. São Paulo, Parábola.

RIBEIRO, M. C.2015. Redação dos Surdos: uma jornada em busca da avaliação escrita. 1 ed. Curitiba: Editora Prismas.

SACHS, O. 2010.Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos Surdos. São Paulo: Companhia das Letras.

SANTOS, K. R. de O. R. P. 2015.Projetos Educacionais para alunos Surdos. In: LODI, A. C. B. (org.). Letramento, Bilinguismo e Educação de Surdos. Porto Alegre, Mediação.

SÃO PAULO (SP). 2008.Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem para Educação Infantil e Ensino Fundamental: Língua Portuguesa para pessoa Surda. Secretaria Municipal de Educação – São Paulo: SME / DOT.

SILVA. M. da P. M.2011. A construção de sentidos na escrita do aluno Surdo. São Paulo: Plexus.

SOUTO MAIOR, R. de C. In: SILVA, K. A. da. CAMARGO, R. (org.).2013. Conversas com formadores de professores de línguas: avanços e desafios. Campinas: Pontes.

SOUTO MAIOR, R. de C. 2018.Os saberes docentes e a constituição de ethos no PIBID/Letras: a construção de uma ética discursiva. In: FIGUEIREDO, F. J. Q. de. E SIMÕES, D. (org.) Contribuições da Linguística Aplicada para a Educação Básica. Campinas, SP: Pontes.

SOUTO MAIOR, R. de C.2019. Características Ético-discursivas e dialogicidade nas interações culturalmente sensíveis em sala de aula: convivência como objeto de ensino. Mimeo.

SOUZA, R. M. de.1998. Língua de sinais e língua majoritária como produto de trabalho discursivo. IN: Caderno do Cedes. Campinas: Scielo, V. 19, nº 46.

ZOZZOLI, R. In: SILVA, K. A. da. CAMARGO, R. (org.).2013. Conversas com formadores de professores de línguas: avanços e desafios. Campinas: Pontes.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2020v41i1a11

Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)