Um equilibrista na ponte: a experiência-limite de Kafka

Marta Dantas, André Gheti

Resumo


Maurice Blanchot descobriu na literatura, por meio da experiência insólita de autores como Franz Kafka, como o processo de criação literária pode colocar em crise a soberania daquele que escreve, destitui-lo de si e do mundo. Essa experiência-limite é atravessada pela loucura, não como fato social, mas como experiência trágica, em que o movimento da escritura se torna vizinho da morte, do vazio e do colapso do autor. O conto “A ponte”, ou a imagem que ele porta, remete a outros textos de Kafka e permite apontar para uma mesma situação: a experiência -limite vivida por ele. Este conto é aqui interpretado como uma grande metáfora com, pelo menos, duplo sentido: como metaficção e como transfiguração da experiência-limite de Kafka.


Palavras-chave


Kafka; Experiência-limite; “A ponte”; Judeu errante

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2020i25p75-91

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 FronteiraZ. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: