Edição Atual

n. 20 (2019): Agricultura digital
					Visualizar n. 20 (2019): Agricultura digital

A edição 20 da revista TECCOGS discute a transformação digital no campo, cuja aceleração está em sintonia com aquilo que vem sendo chamado de a 4ª Revolução Industrial (4RI). Como destaque, em vez do uso da força e da inteligência humana fundamentais nas revoluções anteriores, a 4RI valoriza cada vez mais o volume, a variedade e a velocidade do fluxo das informações por meio de redes tecnológicas inteligentes, como as constituídas pela Internet das Coisas (IoT). De modo geral, esses desdobramentos são associados às paisagens urbanas ou industriais, mas durante os últimos 200 anos os métodos de produção industrial se tornaram o sustentáculo da agricultura, por meio da difusão de máquinas, implementos e insumos agrícolas. Quadro abordado no dossiê e demais artigos desta edição, por autores como Bassoi et al., que exploram os avanços cognitivos provocados pela cultura digital no agrossistema.

Publicado: 2019-11-28

Edição completa

Editorial

Entrevistas

Dossiês

Ver Todas as Edições

A TECCOGS buscou implementar um periódico coerente com a natureza interdisciplinar do Programa de Estudos Pós-Graduados em Tecnologias da Inteligência e Design Digital (TIDD), da PUC-SP. O programa estava ligado a um curso de graduação, também interdisciplinarmente constituído, pioneiro no Brasil, de Tecnologia e Mídias Digitais, na sua versão atual convertido em uma graduação em Design de Interface. Assim, desde a graduação até a pós-graduação, hoje com seus programas de doutorado e pós-doutorado em funcionamento, voltado para as interfaces, complementaridades, convergências e contradições dos seres humanos com as máquinas inteligentes, dispositivos e ferramentas digitais tanto a nível científico, quanto estético e técnico. O programa de TIDD busca habilitar seus formandos a compreender e agir diante de uma realidade biomaquínica que reclama por fundamentações e pontos de vista transtecnológicos.

O que o programa visa formar são analistas simbólicos que, tomando suas bases no conhecimento computacional, sejam capazes de desenvolver reflexões teóricas sobre o papel das tecnologias cognitivas, tecnologias estas com aplicações na aprendizagem que, por sua vez, depende de designs de interface com conteúdo midiático e interação adequados.

A novidade do TIDD encontra-se na intersecção não apenas da computação e informação com a educação, ou da engenharia com a gestão do conhecimento, mas na inclusão, dentro dessas intersecções, do design de interface e do pensamento sobre as linguagens híbridas das redes, ou seja, sua novidade encontra-se na atenção que dispensa aos espaços interativos nos quais a inteligência maquínica e a biológica se encontram.

Winfried Nöth (Diretor científico da TECCOGS)