Teofania e niilismo: leituras zizekianas de um haicai de Adélia Prado

Danilo Mendes

Resumo


Este texto visa apresentar uma contribuição à filosofia da religião a partir da leitura do poema "Artefato nipônico" de Adélia Prado através da estruturação do haicai apresentada por Žižek, tendo como chave o conceito de acontecimento, contando, sobretudo, com contribuições de Heidegger. Desta forma, relacionaremos os conceitos de acontecimento, nada e Deus, mostrando como a literatura pode ser, para além de locus privilegiado da experiência estética, ponto de partida para se entender o fenômeno religioso. Nesse sentido, pode-se apontar para uma teoria da religião entre niilismo e teofania. A relação entre Deus e nada, no poema de Adélia não deve ser entendida como contraditória nem sequencial. Isso significa que há, nesta leitura, a estreita relação entre os dois termos, de modo que o primeiro, como corte da paisagem estática, é o movimento que gera o acontecimento em si - e este é nada. Partindo, então, dos três versos desse poema, busca-se uma forma de conceituar religião: extraindo consequências filosóficas deste haicai. Por fim, indicamos como o nada pode ser entendido como silêncio místico. Nesse ponto, pode-se indicar uma teologia às avessas: ela não expressa o Deus que vem do nada, mas o nada que vem de Deus.


Palavras-chave


Niilismo. Adélia Prado. Žižek. Haicai. Mística.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Rubem. Deus Morreu – Viva Deus! In: ALVES, Rubem; MOLTMANN, Jürgen. Liberdade e Fé. Rio de Janeiro: Tempo e Presença, 1972. p. 9-34.

ALVES, Rubem. O suspiro dos oprimidos. São Paulo: Paulus, 1999.

BADIOU, Alain. Em busca do real perdido. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2017.

CICERO, Antonio. A poesia e a crítica: ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

FRANCHETTI, Paulo. O haikai no Brasil. In: FRANCHETTI, TAEKO (org.) Haikai: antologia e história. Campinas: Editora da Unicamp, 2012a. p. 195-211.

FRANCHETTI, Paulo. Introdução. In: FRANCHETTI, TAEKO (org.) Haikai: antologia e história. Campinas: Editora da Unicamp, 2012b. p. 9-54.

HEIDEGGER, Martin. Fenomenologia da vida religiosa. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Ed. Uni. São Francisco, 2014.

HEIDEGGER, Martin. Ontologia: (hermenêutica da faticidade). Petrópolis: Vozes, 2013.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Ed. Uni. São Francisco, 2015.

HEIDEGGER, Martin. Sobre o humanismo. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1995.

KIERKEGAARD, Soren, O conceito de angústia: uma simples reflexão psicológico-demonstrativa direcionada ao problema dogmático do pecado hereditário. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

LEMINSKI, Paulo. Bashô. In: LEMINSKI, Vida: Cruz e Souza, Bashô, Jesus e Trótski - 4 Biografias. São Paulo: Companhia das Letras, 2013. p. 79-154.

MARDONES, José Maria. Matar nossos deuses: Em que Deus acreditar? São Paulo: Editora Ave-Maria, 2009.

MOISÉS, Maussad. Dicionário de termos literários. São Paulo: Cultrix, 1992.

NIETZSCHE, Friedrich. O anticristo: maldição ao cristianismo: Ditirambos de Dionísio. São Paulo: Companhia das letras, 2017.

NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das letras, 2012.

PIEPER, Frederico. Religião e cinema. São Paulo: Fonte editorial, 2015.

PRADO, Adélia. A faca no peito. Rio de Janeiro: Record, 2007.

TILLICH, Paul. A era protestante. São Paulo: Ciências da religião, 1992.

VATTIMO, Gianni. Depois da cristandade. Rio de Janeiro: Record, 2004.

VATTIMO, Gianni. O vestígio do vestígio. In: DERRIDA, J.; VATTIMO, G. A religião: o seminário de Capri. São Paulo: Estação Liberdade, 2000. p. 91-107.

VOLPI, Franco. O niilismo. São Paulo: Loyola, 1999.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Tractatus Logico-Philosophicus. São Paulo: Ed. Da Universidade de São Paulo, 2017.

ŽIŽEK, Slavoj. Acontecimento: uma viagem filosófica através de um conceito. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.




DOI: https://doi.org/10.23925/2236-9937.2020v21p498-517

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Filiada:

Apoio:


Teoliteraria está indexada em:

     

    

  

                         

 

 

 

 

 

Presença da Teoliteraria em Bibliotecas no exterior:

 

                         
                               
            
                        
                       
              
                              
                                          
                       
                
                             

 

           

  

 



  

     
 Está obra está licenciada sobre uma Creative Commons Attribution 4.0 International License.