A sinagoga das mulheres

Análise Histórico-Crítica Feminista de Atos 16,11-15.40

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/2236-9937.2022v26p252-288

Palavras-chave:

iteratura e teologia em Atos 16, Lídia, missão paulina, método histórico-crítico, hermenêutica feminista de libertação

Resumo

Realizamos uma análise histórico-crítica feminista de Atos dos Apóstolos 16,11-15.40. Escolhemos tema e objeto pelas suas especificidades semânticas, como indícios para adentrar o mundo do texto, o protagonismo de Lídia na missão paulina e a história interpretativa eurocêntrica e patriarcal. Observamos a estrutura de Atos, seu gênero literário, sua origem e objetivo, conjunto no qual caracterizamos essa perícope do ‘Fragmento Nós’ como gênero literário de missão e fortalecimento eclesial. Sua característica literária testemunhal justifica o uso de hapaxlegomena oriundos do contexto histórico-social, ao qual a compilação final se manteve fiel. Trabalho heurístico e hermenêutica feminista possibilitaram reconstruir parte da história das origens da igreja na Macedônia a partir da missão paulina realizada na sinagoga de mulheres em Filipos. A liderança de Lídia com o grupo de mulheres na produção manufatureira e na vivência da fé judaica continuou na igreja em sua casa, após sua declaração teológica e o batismo dela e seu grupo. Compreendemos as especificidades do texto em seu contexto literário e histórico, sociocultural, geopolítico e econômico, sua significação teológica em Atos e sua contribuição para fortalecimento de mulheres e homens também hoje. O artigo pode ampliar aspectos epistemológicos, metodológicos e teológico-eclesiais por meio da análise crítica libertadora interdisciplinar.

Biografia do Autor

Ivoni Richter Reimer, Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Doutora em Ciências da Religião/Teologia pela Universität Kassel. Pós-doutorado em Ciências Humanas (UFSC). Docente no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da PUC Goiás. Contato: ivonirr@pucgoias.edu.

Haroldo Reimer, Universidade Estadual de Goiás

Doutor em Teologia pela Kirchliche Hochschule Bethel. Pós-doutorado em História pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Professor na Universidade Estadual de Goiás (UEG). Contato: haroldo.reimer@gmail.com

Referências

A BÍBLIA NA LINGUAGEM DE HOJE. 1. ed. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 1988. (BLH)

A BÍBLIA – Tradução Ecumênica. ed. rev.corr. São Paulo: Loyola; Paulinas; 1995. (TEB)

A BÍBLIA SAGRADA. 2. ed. Tradução: João Ferreira de Almeida, rev. e atualiz. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 1996. (BS)

BIBEL IN GERECHTER SPRACHE. 1. Aufl. Gütersloh: Gütersloher Verlagshaus, 2006. (BGS)

BÍBLIA DO CENTENÁRIO das Assembleias de Deus. Goiânia: Karis; Rio de Janeiro: JUERP; Betel, 2009. (BCAD)

BÍBLIA SAGRADA, Edição Pastoral. 4. impr. São Paulo: Paulinas, 1990. (BSEP)

BÍBLIA SAGRADA. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 1990. (BSV)

BÍBLIA SAGRADA DE APARECIDA. 6. ed. Aparecida: Santuário, 2009. (BSA)

BÍBLIA Tradução Brasileira: Introduções Acadêmicas. Alessandra de Proença; Eduardo de Proença; Luiz Alexandre Solano Rossi (Eds.). São Paulo: Fonte Editorial, 2018. (BTBIA)

LA BIBLIA ISHA: La mujer según la Biblia. Corea: Sociedades Bíblicas Unidas, 2008. (BISHA)

NOVA BÍBLIA PASTORAL. São Paulo: Paulus, 2014. (NBP)

NESTLE, Eberhard e Erwin; ALAND, Barbara e Kurt (orgs.). Novum Testamentum Graece. 27. rev. Aufl., 8. Druck. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 2001.

ARENS, Eduardo. Ásia Menor nos tempos de Paulo, Lucas e João: aspectos sociais e econômicos para a compreensão do Novo Testamento. Tradução: João Rezende Costa. São Paulo: Paulus, 1997.

BERGER, Klaus. As formas literárias do Novo Testamento. Tradução: Fredericus A.Stein. São Paulo: Loyola, 1998.

BROOTEN, Bernadette J. Women Leaders in the Ancient Synagogue: Inscriptional Evidence and Background Issues. Providence/Rhode Island: Brown University, 1982. (Brown Judaic Studies, n. 36).

BYRSKOG, Samuel. History and Story in Acts – a middle Way? The “We” Passages, Historical Intertexture, and Oral History. In: PENNER, Todd; VANDER STICHELE, Caroline (Eds.). Contextualizing Acts: Lukan Narrative and Greco-Roman Discourse. Atlanta: Society of Biblical Literature, 2003. p. 257-284.

COMBLIN, José. Atos dos Apóstolos. V. II. Petrópolis: Vozes, 1987.

CRÜSEMANN, Marlene; RICHTER REIMER, Ivoni. Igrejas Domésticas: lugar de acolhida, partilha e celebração na casa de mulheres. Caminhos, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 179-190, jan./jun. 2016. Disponível em: http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/caminhos/article/view/4835/2701.

ELLIGER, Winfried. Paulus in Griechenland: Philippi, Thessaloniki, Athen, Korinth. Stuttgart: Verlag Katholisches Bibelwerk, 1987.

ESTUDOS TEOLÓGICOS. São Leopoldo, v. 19, n. 2, 2019. Disponível em: http://periodicos.est.edu.br/index.php/estudos_teologicos/issue/view/320.

FERREIRA, Joel Antônio. A Libertação da Escravidão de Onésimo no Império Romano e a Situação Análoga da Escravidão no Brasil. Goiânia: Espaço Acadêmico, 2019.

FUNARI, Pedro Paulo. Os historiadores e a cultura material. In: PINSKY, Carla Bassanezi (org.). Fontes históricas. 2. ed., 2. reimpr. São Paulo: Contexto, 2010. p. 81-110.

FUNARI, Pedro Paulo. Grécia e Roma. São Paulo: Contexto, 2001.

GONÇALVES, Ana Tereza Marques. Imagens oníricas e o poder imperial dos severos na Roma antiga. In: SANTOS, Dulce O. Amarantes dos; TURCHI, Maria Zaira (orgs.). Encruzilhadas do imaginário: ensaios de literatura e história. Goiânia: Cânone Editorial, 2003. p. 27-48.

HENGEL, Martin. Proseuché und Synagoge. Jüdische Gemeinde, Gotteshaus und Gottesdienst in der Diaspora und in Palästina. In: JEREMIAS, G. et al. (Hg.). Tradition und Glaube: das frühe Christentum in seriner Umwelt. Göttingen, 1971. p. 157-184.

KOESTER, Helmut. Introdução ao Novo Testamento: história e literatura do cristianismo primitivo. V. 2. Tradução: Euclides L.Calloni. São Paulo: Paulus, 2005.

KRAUSS, Samuel. Synagogaler Altertümer. Berlin; Wien, 1922.

LAMPE, Peter. Die stadtrömischen Christen in den ersten beiden Jahrhunderten. 2. Aufl. Tübingen, 1989 (WUNT 18).

NORELLI, Enrico. Gli Atti degli Apostoli sono una Storia del Cristianesimo? Rivista di Storia del Cristianesimo, Brescia, v. XII, n. 1, p. 13-50, 2015.

PAROSCHI, Wilson. Crítica Textual do Novo Testamento. reimp. da 2.ed. São Paulo: Vida Nova, 2010. Disponível em: <http://www.eetad226.com/wp-content/uploads/2015/03/Critica-Textual-do-Novo-Testamento.pdf>.

PENNER, Todd. Contextualizing Acts. In: PENNER, Todd; VANDER STICHELE, Caroline (Eds.). Contextualizing Acts: Lukan Narrative and Greco-Roman Discourse. Atlanta: Society of Biblical Literature, 2003. p. 01-21.

PENNER, Todd. Civilizing Discourse: Acts, Declamation, and the Rhetoric of the Polis. In: PENNER, Todd; VANDER STICHELE, Caroline (Eds.). Contextualizing Acts: Lukan Narrative and Greco-Roman Discourse. Atlanta: Society of Biblical Literature, 2003. p. 65-104.

POMEROY, Sarah B. Frauenleben im klassischen Altertum. Übers.: Norbert F.Mattheis. Stuttgart: Kröner, 1985.

RICHARD, Pablo. El movimiento de Jesus antes de la iglesia: una interpretación liberadora de los Hechos de los Apóstoles. San José/Costa Rica: DEI, 1998.

RICHTER REIMER, Ivoni. Desde Princípios: acuidade historiográfica e injustiça contra mulheres (Atos 1). Caminhos, Goiânia, v. 17, n. 1, p. 390-396, 2019. Disponível em: http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/caminhos/article/view/7101/3994.

RICHTER REIMER, Ivoni. Aspectos Geopolíticos y Socioculturales en Hechos 16. Revista de Interpretación Bíblica Latinoamericana, Quito, v. 72, n. 2, p. 135-151, 2012. Disponível em: https://www.centrobiblicoquito.org/images/ribla/72.pdf.

RICHTER REIMER, Ivoni. Frauen in der Apostelgeschichte des Lukas: eine feministisch-theologische Exegese. Mit einer Einführung von Luise Schottroff. Gütersloh: Güterloher Verlagshaus Gerd Mohn, 1992. (Traduzido para o inglês em 1995, por Fortress Press).

RICHTER REIMER, Ivoni; MATOS, Keila. Silencioso desespero: violência e silêncio contra a mulher em casa e na Bíblia. In: RICHTER REIMER, Ivoni (org.). Direitos Humanos: enfoques bíblicos, teológicos e filosóficos. São Leopoldo: Oikos; Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2011. p. 73-90.

ROLOFF, Jürgen. Die Apostelgeschichte. Göttingen, 1981. (NTD 5).

SCHOTTROFF, Luise. A caminho de uma reconstrução feminista da história do cristianismo primitivo. In: SCHOTTROFF, Luise; SCHROER, Silvia; WACKER, Marie-Theres. Exegese Feminista: resultados de pesquisas bíblicas a partir da perspectiva de mulheres. Tradução: Monika Ottermann. São Leopoldo: Sinodal; EST; CEBI; São Paulo: ASTE, 2008. p. 161-225.

SCHOTTROFF, Luise. Lydias ungeduldige Schwestern: feministische Sozialgeschichte des frühen Christentums. Gütersloh: Chr. Kaiser, Gütersloher Verlagshaus, 1994.

SCHÜSSLER FIORENZA, Elisabeth. Caminhos da Sabedoria: uma introdução à interpretação bíblica feminista. Tradução: Monika Ottermann. São Bernardo do Campo: NhandutiEditora, 2009.

STEGEMANN, Wolfgang. Jesus e seu tempo. Tradução: Uwe Wegner. São Leopoldo: Sinodal; EST, 2012.

STEGEMANN; Ekkehard W.; STEGEMANN, Wolfgang. História social do protocristianismo: os primórdios no judaísmo e as comunidades de Cristono mundo mediterrâneo. Tradução: Nélio Schneider. São Leopoldo: Sinodal; São Paulo: Paulus, 2004.

STRACK, Hermann L.; BILLERBECK, Paul. Kommentar zum Neuen Testament aus Talmud und Midrasch. IV.Bd. Exkurse zu einzelnen Stellen des Neuen Testaments. 1.Tl. München: C.H.Beck’sche Verlag, 1928/1986. S. 115-188. 353-414.

SELVATICI, Monica. Considerações sobre história, teologia e pós-modernidade: para um estudo do cristianismo antigo. Phoînix, Rio de Janeiro, v. 11, p. 188-195, 2005.

TAYLOR, William Carey. Introdução ao estudo do Novo Testamento: dicionário. 8. ed., 1. reimpr. Rio de Janeiro: Ed. Batista Regular, 2000.

VIELHAUER, Philipp. História da Literatura Cristã Primitiva: introdução ao Novo Testamento, aos Apócrifos e aos Pais Apostólicos. Tradução: Ilson Kayser. Santo André/SP: Academia Cristã, 2005.

WEGNER, Uwe. Exegese do Novo Testamento: manual de metodologia. São Leopoldo: Sinodal; São Paulo: Paulus, 1998.

WENGST, Klaus. Pax Romana: pretensão e realidade. Experiências e percepções da paz em Jesus e no cristianismo primitivo. São Paulo: Paulinas, 1991.

Downloads

Publicado

2022-05-20