HETEROGENEIDADE, EXPERIÊNCIA E CURRÍCULO: CONTRAPONTOS À IDEIA DE BASE COMUM NACIONAL E À VONTADE DE EXTERODETERMINAÇÃO DA FORMAÇÃO

Roberto Sidnei Macedo, Claudio Orlando do Nascimento, Denise de Moura Guerra

Resumo


O artigo em pauta elabora e explicita um conjunto de contrapontos em relação à ideia de uma base comum nacional de currículo para a educação básica brasileira. Argumenta em favor do trabalho curricular e formativo tendo a heterogeneidade e a experiência como emergências fundantes de processos formativos, que vão provocar as políticas curriculares para inflexionar suas ações em direção ao currículo como um instituinte cultural generativo. Esses argumentos têm como contexto de inspiração o atual movimento que discute através de iniciativas do Ministério da Educação a construção de uma base comum para o currículo da Escola Básica, tomando como centralidade o conceito de “direito à aprendizagem e ao desenvolvimento”. Neste contexto, o presente artigo tensiona esta perspectiva conceitual tanto na sua concepção política quanto na sua construção pedagógica, na medida em que vincula a aprendizagem à processos formativos percebidos como irredutíveis, irrepetíveis, finitos, social e culturalmente valorados. Nesses termos, experiência, diferença e encontro fazem emergir o ethos, a ética e a perspectiva curricular que inspira os argumentos centrais desse artigo.

 


Palavras-chave


base nacional curricular comum; currículo; políticas de currículo; heterogeneidade; formação

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais