AS PRÁTICAS E AS POLÍTICAS CURRICULARES DE INCLUSÃO E O DIREITO À DIFERENÇA

José Antonio Sepulveda, Denize Sepulveda

Resumo


Este texto tem como objetivo apresentar e ressaltar uma prática curricular emancipatória, que auxilia na tessitura da justiça cognitiva e social, ocorrida em uma escola pública do Estado do Rio de Janeiro, que tinha como ponto de tensão a questão dos comportamentos de gênero. Foi feita uma pesquisa qualitativa a partir da observação participativa, tendo como referencial teórico/metodológico os estudos do cotidiano e o paradigma indiciário de Carlo Ginzburg. Em relação ao debate dos comportamentos de gênero, foram utilizados Foucault e Louro. Para a discussão sobre o conceito de conservadorismo tivemos como base a reflexão de Thompson que rompe com a tradição marxista ortodoxa colocando em oposição a base e a superestrutura. No atual contexto conservador da sociedade brasileira tais discussões são extremamente pertinentes. Como conclusão, entendemos que a luta por políticas de currículo que defendam o direito às diferenças não pode ser reduzida a políticas de inclusão que não privilegiam todas as diferenças. 


Palavras-chave


Currículo. Políticas Públicas. Práticas Emancipatórias.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais