Um estudo comparativo sobre o uso das TIC na aprendizagem de Matemática do ensino secundário/médio em Portugal e no Brasil
A comparative study on the use of ICT for learning in secondary school mathematics in Portugal and in Brazil school

Floriano Viseu, Antonia Jacinta Lima, José António Fernandes

Resumo


A crescente utilização de recursos tecnológicos na sociedade encontra abertura da escola para os integrar nas atividades de ensino e de aprendizagem. Na disciplina de matemática, muito contribuem para essa abertura as recomendações dos programas escolares ao preconizarem o uso desses recursos. Como o que é prescrito nem sempre é concretizado, procuramos averiguar como alunos do ensino médio, do Brasil, e do ensino secundário, de Portugal, utilizam os recursos tecnológicos nas suas atividades de aprendizagem nesta disciplina. O estudo seguiu uma abordagem quantitativa e a recolha de dados foi efetuada através de um questionário. Dos recursos tecnológicos, o mais utilizado pelos alunos nas suas atividades de estudo de matemática é a calculadora. O computador, a Internet e, sobretudo, o Quadro Interativo e o Moodle são ainda pouco explorados pelos alunos de ambos os países nas atividades que realizam na sala de aula e fora dela.

Abstract

The increasing use of technology resources in society is having an impact in the school in what regards their integration in teaching and learning processes. In the Mathematics, the school curriculum is also advocating the use of these resources. However, as what is prescribed is not always implemented, we examine how secondary school students from Brazil and Portugal use the technological resources in their learning activities in this subject. The study followed a quantitative approach and the data were collected through a questionnaire. In relation to results, the technological resource most used by students in their math study activities is the calculator. The computer, the Internet and especially the Interactive Table and Moodle are still scarcely explored by students of both countries in the learning activities that take place in the classroom and beyond.

 


Palavras-chave


aprendizagem de matemática; tecnologias de informação e comunicação (TIC); alunos do ensino médio/secundário

Texto completo:

PDF

Referências


BORBA, M. C. (2010). Softwares e Internet na sala de aula de Matemática. [Online: htpp://www.rs.unesp.br/gpimen/downloads/artigos/borba/marceloxenem.pdf].

BORBA, M. C., & PENTEADO, M. G. (2003). Informática e Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica.

BRASIL (2002). PCN + Ensino Médio: Orientações Educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica.

BRASIL (2006). Orientações curriculares para o ensino médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.

CRUZ, S. M. A. (2012). As TIC na atividade profissional do professor de matemática: um estudo com incidência na prática docente. Dissertação de mestrado, Universidade do Minho, Braga. [Online: http://hdl.handle.net/1822/19029].

ELLINGTON, A. J. (2003). A meta-analysis of the effects of calculators on students´ achievement and attitude levels in precollege Mathematics classes. Journal for Research in Mathematics Education, 34(5), 433-463.

FERNANDES, J. A., & VAZ, O. (1998). Porquê usar tecnologia nas aulas de matemática? Boletim da SPM, 39, 43-55.

FERNANDES, J. A., ALMEIDA, C., VISEU, F. & RODRIGUES, A. M. (1999). Um estudo exploratório sobre atitudes e práticas de professores de matemática na utilização de calculadoras. In C. Almeida, J. A. Fernandes, A. M. Rodrigues, A. P. Mourão, F. Viseu, & H. Martinho (Orgs.), Calculadoras gráficas no ensino da matemática (pp. 1-28). Braga: Departamento de Metodologias da Educação da Universidade do Minho.

FERNANDES, J. A., ALVES, M. P., VISEU, F. & LACAZ, T. M. (2006). Tecnologias de informação e comunicação no currículo de Matemática do ensino secundário após a reforma curricular de 1986. Revista de Estudos Curriculares, 4(2), 291-329.

FITAS, E. S., & COSTA, C. (2008). Quadros interativos: relato das experiências realizadas no âmbito do ensino e aprendizagem da Matemática. In A. P. Canavarro, D. Moreira, & I. M. Rocha (Orgs.), Tecnologias e educação matemática (pp. 340-353). Lisboa: Secção de Educação Matemática da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação.

GALL, M., GALL, P., & BORG, W. (2003). Educational research: An introduction. Boston: Allyn and Bacon.

GASPAR, M. I. (2007). Aprendizagem colaborativa online. In L. Aires, J. Azevedo, I. Gaspar, & A. Teixeira (Orgs.), Comunidades virtuais de aprendizagem e identidades no ensino superior (pp. 111-124). Lisboa: Universidade Aberta.

JONASSEN, D. H. (2007). Computadores, ferramentas cognitivas. Desenvolver o pensamento crítico nas escolas. Porto: Porto Editora.

LÉVY, P. (2001). O que é o virtual? Coimbra: Quarteto Editora.

MARTINS, A., & REIS, F. (2008). A importância das plataformas no ensino à distância. In F. Costa et al. (Orgs.), Actas de comunidade de aprendizagem Moodle (pp.36-38). Caldas Moodle`08. EDUCOM.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (2001). Matemática Aplicada às Ciências Sociais. Lisboa: Autor.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (2002). Programa de Matemática A (10.º, 11.º e 12.º anos). Lisboa: Autor.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (2002a). Programa de Matemática B (10.º 11.º e 12.º anos). Lisboa: Autor.

MIRANDA, L. (2005). Educação online: Interacção e estilos de aprendizagem de alunos do ensino superior numa plataforma web. Tese de doutoramento, Universidade do Minho, Braga.

NCTM (2007). Princípios e normas para a matemática escolar. Lisboa: Associação de Professores de Matemática.

PAPERT, S. (1993). The chidren´s machine: rethinking school in the computer. Basic Books.

PONTE, J. P. (2000). Tecnologias de Informação e Comunicação na formação de professores: que desafios? Revista Ibero Americana de Educação, 24, 63-90.

PONTE, J. P. (2002). A formação para a integração das TIC na educação pré-escolar e no 1.º ciclo do ensino básico. Porto: Porto Editora.

PONTE, J. P., MATOS, M. J., & ABRANTES, P. (1998). Investigação em Educação matemática: implicações curriculares. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

RIO, F. D., & LIMA, L. (2008). Professores em comunidades virtuais aprendentes. In F. Costa et al. (Orgs.), Actas de comunidade de aprendizagem Moodle (pp. 191-204). Caldas Moodle`08. EDUCOM.

ROCHA, H. (2002). A utilização que os alunos fazem da calculadora gráfica nas aulas de Matemática. Quadrante, 11(2), 3-27.

RODRIGUES, M. (2000). Interacções sociais na aprendizagem de matemática. Quadrante, 9(1), 3-38.

SIMÕES, A. (2005). Avaliação de sites de matemática e implicações na prática docente. Dissertação de mestrado, Universidade do Minho, Braga. [Online: http://hdl.handle.net/1822/3259].

VISEU, F., & PONTE, J. P. (2012). A formação do professor de Matemática, apoiada pelas TIC, no seu estágio pedagógico. Bolema, 26(42A), 329-357.

WAITS, B. K., & DEMANA, F. (1994). Graphing calculator intensive calculus: A first step in calculus reform for all students. In A. Slow (Ed.), Preparing for a new calculus conference proceedings (pp. 96-102). Washington: The Mathematical Association of America.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA