Alternativas que buscam neutralizar o gênero gramatical: Usos e motivações

Cristina Lopomo Defendi, Thamires Rodrigues Gomes

Resumo


A pesquisa objetiva analisar como o gênero gramatical tem auxiliado na transposição das fronteiras do gênero social, discutindo o papel da linguagem na construção e afirmação da identidade do indivíduo. Após análise de conceitos linguísticos como gênero gramatical e princípio da marcação e definições como identidade de gênero, foi composto um corpus de textos, selecionados do Facebook, para identificar e analisar a frequência de uso de alternativas que neutralizam o gênero social e as que o marcam, realizando um levantamento quantitativo e qualitativo das possibilidades. Tendo como objeto de pesquisa a marcação de gênero, recorre-se a uma abordagem teórica que (i) focaliza a gramática e a desinência morfológica de gênero (CUNHA e CINTRA, 1984; MATTOSO CÂMARA, 1985; CEGALLA, 2009), (ii) discute o princípio funcionalista da marcação (GIVÓN, 1995) e (iii) utiliza-se de conceitos relacionados à identidade de gênero (LOURO, 2001; STERLING, 2002; BUTLER, 2003; LIVIA e HALL, 2010).


Palavras-chave


Gênero gramatical, Identidade de gênero, Marcação, Neutralização

Texto completo:

PDF

Referências


AUSTIN, John L. 1965. How to do Things with words. New York: Oxford University Press.

BUTLER, J.P. 2003. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização brasileira.

CAMARA, Jr. Joaquim Mattoso. Estrutura da Língua Portuguesa. Petrópolis: Vozes, 1970.

CAMERON, D. 2010. Desempenhando identidade de gênero: conversa entre rapazes e construção da masculinidade heterossexual. In: OSTERMANN, A.C; FONTANA, B. (Org.). Linguagem, gênero e sexualidade: clássicos traduzidos. São Paulo: Parábola editorial.

CEGALLA, D. P. 2009. Novíssima gramática da Língua Portuguesa. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

CUNHA, C; CINTRA, L. 2013. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Rio de Janeiro: Lexikon Editorial.

GIVÓN, T. 1995. Functionalism and Grammar. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company.

KOCK, Ingedore G. V. e ELIAS, Vanda M. 2009. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto.

LIVIA, A.; HALL, K. 2010. “É uma menina!”: a volta da performatividade à linguística. In: OSTERMANN, A. C; FONTANA, B. (Org.). Linguagem, gênero e sexualidade: clássicos traduzidos. São Paulo: Parábola editorial, p. 109-127.

LOURO, G.L. Teoria Queer: uma política pós-identitária para a educação. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v9n2/8639.pdf . Acesso em: 21 mai. 2017.

MÄDER, G. R. 2015. Masculino genérico e sexismo gramatical. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/158447/336814.pdf?sequence=1&isAllowed=y . Acesso em 18 dez. 2017. 159p.

MIRANDA, T. L.; SCHIMANSKI, E. 2014. Relações de gênero: algumas considerações conceituais. In: FERREIRA, A. de J. (Org.). Relações étnico-raciais, de gênero e sexualidade: perspectivas contemporâneas. Paraná: UEPG, p. 67-91.

POSSENTI, S. Meninxs, eu vi!. Disponível em: http://www.cienciahoje.org.br/noticia/v/ler/id/3090/n/meninxs,_eu_vi!/Post_page/3. Acesso em: 10 fev. 2017.

STERLING, A.F. 2002. Dualismos em duelo. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n17-18/n17a02 . Acesso em 11 fev. 2017.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2019v40i1a7

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)