Jogos digitais e o ensino de línguas: orientações práticas para a produção de material didático digital complementar

Adilson Fernandes Gomes, Susana Cristina Dos Reis

Resumo


Pesquisas na área de Educação e Linguística Aplicada apontam o crescimento de estudos sobre jogos digitais no Brasil. Em contrapartida, os estudos que discutem opções metodológicas sobre como orientar o ensino tendo por base os jogos digitais são limitados e pouco explorados. Assim, este trabalho apresenta orientações práticas para a produção de material complementar ao uso de jogos digitais para o ensino de línguas. Esta pesquisa reporta um estudo de caso realizado com alunos do curso de Letras/Inglês de uma universidade pública. Nessa prática, utilizamos e testamos estágios de elaboração de propostas práticas, os quais compreendem: a seleção e análise; a exploração prática dos jogos; e a elaboração das atividades didáticas. Os dados confirmam a aceitabilidade da proposta por parte dos participantes e por fornecer subsídios pedagógicos para os futuros professores selecionarem e elaborarem atividades para o ensino de línguas com o uso de jogos digitais.


Palavras-chave


Proposta Metodológica, Material Didático Digital Complementar, Ensino de Língua Estrangeira, Jogos Digitais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L.R.G. 2005. Game over: jogos eletrônicos e violência. São Paulo: Futura.

ALVES, L.R.G.; RIOS, V.; CALBO, T; 2013. Games: delineando novos percursos de interação. Intersemiose – Revista digital, 2.4: 268-293. Recife.

CENTENARO, F.K.; REIS, S.C. 2017. Jogos digitais em sala de aula de língua Inglesa: Investigação de uma proposta de gestão pedagógica para o ensino. Linguagem & Ensino, 20: 35-60. Pelotas.

ECHEVERRÍA, A.; GARCÍA-CAMPO, C.; NUSSBAUM, M.; GIL, F.; VILLALTA, M.; AMÉSTICA, M; ECHEVERRÍA, S. 2011. A framework for the design and integration of collaborative classroom games. Computers & Educations, 57: 1127-1136. AEE.

ERENLI, K. 2013. The impacto of Gamification: Recommending Education Scenarios. International Journal Emerging Technologies in Learning – iJET, 8.Special Issue 1: ICL2012. Disponível online em: http://online-journals.org/index.php/i-jet/article/view/2320/2458. Acesso em: 24 out. 2015.

FLEURY, A; NAKANO, D; CORDEIRO, J.H.D.O. 2014. Mapeamento da Indústria Brasileira e Global de Jogos Digitais. Associação Brasileira de Games. NPGT: Escola Politécnica - USP. Disponível online em: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/produtos/download/aep_fep/chamada_publica_FEP0211_mapeamento_da_industria.pdf. Acesso em: 20 jan. 2017.

GARDNER, H. 1994. Estruturas da mente: a Teoria das Múltiplas Inteligências. Porto Alegre: Artes Médicas.

GEE, J.P. 2003. What video games have to teach us about learning and literacy. New York: Palgrave Macmillan.

GEE, J.P. 2005. Good video games and good learning. Phi Kappa Phi Forum, 85.2: 33-37. Louisiana US.

GEE, J.P. 2008. Learning and Games. In: K. SALEN; D. JOHN; C.T. MACARTHUR (Eds.), 2008, The Ecology of Games: Connecting Youth, Games, and Learning. Foundation Series on Digital Media and Learning. Cambridge, MA: The MIT Press. pp. 21–40.

GILLEN, J.; BARTON, D. 2009. Digital Literacies. A discussion document for TLRP-TEL (Teaching and Learning Research Programme - Technology Enhanced Learning). workshop on digital literacies. Lancaster University.

GOMES, A.F. 2017. Material didático digital, games e gamification: conexões no design para implementação de cursos online. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação, Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Educacionais em Rede, Santa Maria, RS.

GOMES, A.F.; REIS, S.C. 2017. Games e Gamification na Prática de Ensino de Línguas: avaliando uma proposta de disciplina complementar de graduação. Revista Tecnologias na Educação, 22: 1-13. São Luis do Maranhão.

GUNTER, G.A.; KENNY, R.F.; VICK, E.H. 2008. Taking educational games seriously: using the RETAIN model to design endogenous fantasy into standalone educational games. Education Tech Research Dev., 56.5-6: 511-537. Springer US.

HAAG, C.R.; FRAGA, D.M.; DA SILVA, L.C.; LACERDA, G.D. 2005. O jogo digital como um “hipergênero”. Revista Letra Magna, 2.3: São Paulo.

HAGUE, C.; PAYTON, J. 2010. Digital Literacy across the curriculum. Bristol: Futuralab.

JOHNSON, S. 2005. Surpreendente! A televisão e o videogame nos tornam mais inteligentes. Rio de Janeiro: Campus.

JÚNIOR, S.A.F.; PACHECO, M.G.; SILVEIRA JÚNIOR, C.R.; BARRA, A S B. 2017. Metodologias de uso de jogo computacional RPG em sala de aula: estudo de caso com o jogo PeaceMaker. RENOTE: Novas Tecnologias na Educação, 15.1: 01-10. Porto Alegre.

REIS, S.C. 2017. Pesquisa e ensino sobre jogos digitais na universidade: em busca de diretrizes para o design e uso de jogos em aulas de língua inglesa. In: L.M.B. TOMITCH; V.M. HEBERLE, (Orgs.). 2017. Perspectivas atuais de aprendizagem e ensino de línguas. Florianópolis: PPGI/UFSC. 1a ed. pp. 15-77.

REIS, S.C.; GOMES, A.F. 2015. A produção de jogos sérios interdisciplinares na universidade: novos desafios e possibilidades para o ensino da linguagem. Revista Horizontes de Linguística Aplicada, 14: 141-166. Brasília.

REIS, S.C.; GOMES, A.F. 2014. Podcasts para o ensino de Língua Inglesa: análise e prática de Letramento Digital. Calidoscópio (Online), 12: 367-379. São Leopoldo.

ROCHA, F.K.C. 2017. Critérios de avaliação de recurso digital e princípios de aprendizagem: o jogo Mission US no ensino de Língua Inglesa. RENOTE: Revista Novas Tecnologias na Educação, 15.2: 01-10. Porto Alegre.

SITE OFICIAL. 2012. Trace Effects. Disponível online em: https://traceeffects.state.gov/. Acesso em: 24 out. 2015.

SOUZA, V.V.S.; REIS, I.A.R.; OLIVEIRA, S.A.S. 2015. Playing trace effects with brazilian high school students: complexity and games. Revista Desempenho, 1.23: 01-21. Brasília. Disponível online em: http://periodicos.unb.br/index.php/rd/article/viewFile/16349/11633. Acesso em: 23 jan. 2016.

SYKES, J.; REINHARDT, J. 2013. Language at Play: Digital Games in Second and Foreign Language Teaching and Learning. In: J. Liskin-Gasparro & M. Lacorte (Eds.). Series on Theory and Practice in Second Language Classroom Instruction. Pearson-Prentice Hall.

WALSH, M. 2010. Multimodal literacy: what does it mean for classroom pratice? Australian journal of Language and Literacy, 33.3: 211-239. Australia.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2019v40i2a6

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)