Modos de produção de significados no ensino da derivada: um olhar para as dissertações do PROFMAT

Ricardo Augusto de Oliveira

Resumo


Pretendemos apresentar os modos de produção de significados ao conceito da Derivada, presentes nos trabalhos de Dissertação do programa PROFMAT, a partir da concepção de Campos Semânticos apresentados por Romulo Campos Lins. Para tanto, realizamos uma pesquisa qualitativa, cujo resultado é apresentado na forma de Quadros interpretativos seguido de imagens que ilustram seus apontamentos, tais como: a representação de diferentes modos de produção de significados ao conceito da Derivada, diferentes propostas de seu estudo, concepções de conteúdos tidos por essenciais a sua compreensão e diferentes modos de utilização do GeoGebra no ensino deste conteúdo. Este trabalho está vinculada a Pesquisa Tecnologias Digitais par Formação Inicial e Continuada de Professores de Matemática que esta em desenvolvimento junto a UNEMAT de Barra do Bugres – MT.

Palavras-chave


Produção de significados; Campos Semânticos; Conceitos a respeito da Derivada

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. R. Limites e derivadas: uma abordagem para o ensino médio, 2018. Disponível em: . Acesso em: 6/12/2018.

ARAÚJO, E. A. DE. Proposta de ensino de cálculo diferencial e integral no ensino médio via GeoGebra, 2015. Disponível em: . Acesso em: 6/12/2018.

DANTAS. Design, implementação e estudo de uma rede sócio profissional online de professores de Matemática, 2016. Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Disponível em: . Acesso em: 6/12/2018.

FERREIRA, A. DE J. DE S. Cálculo diferencial e integral: uma proposta para o ensino médio. 2016. Universidade Federal do Maranhão. Disponível em: . Acesso em: 9/12/2018.

FAINGUELERNET, E, K. O ensino de Geometria no 1º e 2º graus. SBEM A Educação Matemática em Revista, São Paulo, n. 45-53, 1995.

FREITAS, B. AL. Introdução à Geometria Euclidiana Axiomática com GeoGebra, 2013. Dissertação (Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional) Universidade Federal de Juiz de Fora, 2013. Disponível em < https://repositorio.ufjf.br/jspui/bitstream/ufjf/1188/1/brasilioalvesfreitas.pdf>. Acesso em 6/12/2018.

GAGLIOLI, M. A. Derivada como taxa de variação: uma abordagem com base no currículo do ensino médio, 2015. Disponível em: . Acesso em: 6/12/2018.

GARNICA. Filosofia da educação matemática: algumas ressignificações e uma proposta de pesquisa. In: UNESP (Org.); Pesquisa em educação matemática: concepções e perspectivas. p.59–74, 1999.

GIROTTO, N. O desenvolvimento de hábitos de pensamento: um estudo de caso a partir de construções geométricas no GeoGebra, 2016. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

GODINHO, L. M. Cálculo no ensino médio: uma proposta para o ensino da derivada na primeira série, 2014. Dissertação de Mestrado. Universidade do rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 6/12/2018.

GONÇALVES, W. V. O transitar entre a Matemática do Matemático, a Matemática da Escola e a Matemática do GeoGebra: um estudo de como professores de Matemática lidam com as possibilidades e limitações do GeoGebra, 2016. Faculdade de Ciências, Campus de Bauru, Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência. Disponível em: Acesso em: 6/12/2018.

GOODMAN, N. (1984) - Of mind and other matters; Cambridge: Harvard University Press.

LADISLAU, C. E. Noções de cálculo diferencial no ensino médio, 2014. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Vala do São Francisco. Disponível em: . Acesso em: 6/12/2018.

LINS, R, C. Por que discutir teoria do conhecimento é relevante para a Educação Matemática. Pesquisa em Educação Matemática: Concepções & Perspectivas. São Paulo. UNESP ed., p.75–94, 1999.

LINS, R, C; GIMENEZ, J. Perspectivas em aritmética e álgebra para o século XXI. Campinas, SP: Papirus, 1997 - (Coleção Perspectivas em Educação Matemática).

LINS, R. C. Epistemologia, História e Educação Matemática: Tornando mais Sólidas as Bases da Pesquisa. Revista de Educação Matemática SBEM - São Paulo, v. 1, p. 76–91, 1993.

LINS, R. C. O Modelo Teórico dos Campos Semânticos: Uma análise epistemológica da álgebra e do pensamento algébrico. Revista Tecnico Cientifica Universidade Regional de Blumenal, v. 2, n. 01040405, p. 29–39, 1994.

LORENZATO, S. Por que não ensinar Geometria? SBEM A Educação Matemática em Revista, São Paulo, n. 4, p. 3-13, 1995.

MOD, L. F. A. O objeto matemático triângulo em teoremas de Regiomontanus: um estudo de suas demonstrações mediado pelo Geogebra, 12. dez. 2016. Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 17/12/2018.

MOTA, J. O. Derivadas no ensino médio: reflexões e propostas, 2014. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Sergipe. Disponível em: . Acesso em: 9/12/2018.

OLIVEIRA, R. A. DE; GONÇALVES, W, V.; PIASSON, D. O Uso do GeoGebra para o Ensino de Cálculo Diferencial e Integral, um Mapeamento de Suas Publicações. Revista Thema, v. 15, p. 466–484, 2018. Disponível em Acesso em: 6/12/2018.

RIBEIRO, D. DA S. P. Cálculo diferencial de funções polinomiais no ensino médio com o uso do geogebra: fundamentação teórica e suas aplicações. 2016. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Disponível em: . Acesso em: 6/12/2018.

RIBEIRO, H. C. Cálculo: uso de recursos computacionais para inserir conceitos de limites, derivadas e integrais no ensino médio, 2018. Dissertação de Mestrado. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Disponível em: . Acesso em: 6/12/2018.




DOI: https://doi.org/10.23925/2237-9657.2019.v8i2p003-025

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista do Instituto Geogebra Internacional de São Paulo está indexada nas seguintes bases:

             

 

        

   

Revista do Instituto GeoGebra internacional de São Paulo (IGISP) E- ISSN 2237-9657  (versão eletrônica)

Qualis/Capes: Qualis A3 na avaliação de Qualis/Capes (2017/2018)

Licença que permite que outros compartilhem o trabalho com um reconhecimento da autoria do mesmo e publicação inicial nessa revista GeoGebra.

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.