Estudo das funções trigonométricas com o uso do software GeoGebra: uma experiência com calouros do curso de engenharia elétrica
Study of the trigonometric functions with the use of GeoGebra software: an experience with freshmen's of the course of electrical engineering

Gustavo Teixeira de Castro, Suélem Costa Braz, Lucia Helena Costa Braz

Resumo


O presente trabalho tem o objetivo de apresentar resultados obtidos em uma experiência envolvendo o uso de tecnologias no ensino de Matemática em uma turma de calouros do curso de Engenharia Elétrica. A partir da literatura consultada, considera-se que a inserção das tecnologias no ambiente de ensino pode possibilitar que os alunos construam seus próprios conhecimentos e assumam um papel ativo nesta construção. Buscando ilustrar sua utilização e benefícios em sala de aula, foi desenvolvida uma atividade que faz uso do software GeoGebra cujo objetivo principal era estudar as funções trigonométricas e suas propriedades. Os resultados mostraram que o uso do software GeoGebra contribuiu para a compreensão dos conceitos envolvidos, para o desenvolvimento da capacidade de análise e argumentação, para a socialização e colaboração dos discentes durante o desenvolvimento da atividade, para a motivação para o estudo e para a inserção dos estudantes em um ambiente de ensino com uso de tecnologias.


Palavras-chave


Funções trigonométricas; GeoGebra; Engenharia elétrica.

Texto completo:

PDF

Referências


BORBA, M.C.; PENTEADO, M.G. Informática e Educação Matemática. 5. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

BORBA, M.C.; SILVA, R. S. R.; GADANIDIS, G. Fases das tecnologias digitais em Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

BRAZ, L. H. C.; CASTRO, G. T. O uso do software GeoGebra no ensino das funções afim e quadrática: uma experiência com alunos do 2o ano do ensino médio. ForScience: revista científica do IFMG, Formiga, v. 6, n. 1, e00338, jan./jul. 2018.

DIONÍZIO, F.Q.; BRANDT, C. F. Análise das dificuldades apresentadas pelos alunos do ensino médio em trigonometria. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (EDUCERE), X., 2011, Curitiba. Seminário Internacional de Representações Sociais, Subjetividade e Educação. Anais... Curitiba: PUCPR, 2011,14p. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2017.

FERREIRA, D. H. L.; BRUMATTI, R. N. M. Dificuldades em matemática em um curso de engenharia elétrica. Horizontes, SL, v. 27, n. 1, p. 51-60, 2009.

LIENBAN. D. E.; MÜLLER, T. J. Construção de utilitários com o software GeoGebra: uma proposta de divulgação da geometria dinâmica entre professores e alunos. Revista do Instituto GeoGebra Internacional de São Paulo, v. 1, p. 37-50, 2012.

MEC. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES 11 de 11 de março de 2002. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de abril de 2002, seção 1, p. 32.

MICOTTI, M. C. O. O ensino e as propostas pedagógicas. In: BICUDO, Maria Aparecida Viggiani (Org.). Pesquisa em educação matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: Editora UNESP, 1999, p. 153-167.

MOREIRA, A. M.; MASINI, E. F. S. A aprendizagem significativa: a teoria de David

Ausubel. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2011.

PEREIRA, E.; GUERRA, E. A. A utilização de applets no geogebra para a aprendizagem da trigonometria no ensino médio. Revista de Educação de Ciências e Matemática, v. 7, n. 3, p.53-72, 2016. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2018.

PINHO, A. Sem preparo e financiamento, 3 em 10 alunos largam cursos de exatas. Folha de S. Paulo, São Paulo, 03 out. 2016. Disponível em: . Acesso em: 17 maio 2017.

PONTE, J. P.; BROCARDO, J.; OLIVEIRA, H. Investigações matemáticas na sala de aula. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

REZENDE, W. M.; PESCO, D. U.; BORTOLOSSI, H. J. Explorando aspectos dinâmicos no ensino de funções reais com recursos do geogebra. Revista do Instituto GeoGebra Internacional de São Paulo, v. 1, p. 74-89, 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2017.

ZULATTO, R. B. A.(2002). Professores de matemática que utilizam softwares de geometria dinâmica: suas características e perspectivas. 2002. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP Rio Claro, SP, 2002.




DOI: https://doi.org/10.23925/2237-9657.2020.v9i2p103-119

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista do Instituto Geogebra Internacional de São Paulo está indexada nas seguintes bases:

             

 

        

   

Revista do Instituto GeoGebra internacional de São Paulo (IGISP) E- ISSN 2237-9657  (versão eletrônica)

Qualis/Capes: Qualis A3 na avaliação de Qualis/Capes (2017/2018)

Licença que permite que outros compartilhem o trabalho com um reconhecimento da autoria do mesmo e publicação inicial nessa revista GeoGebra.

Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.