BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR: CIÊNCIAS E MULTICULTURALISMO

Lucas Munhoz Cabral, Rosana dos Santos Jordão

Resumo


A Base Nacional Comum Curricular é o documento que concretiza a atual política curricular em nosso país, por meio da seleção de um conjunto de aprendizagens essenciais à formação básica. Dada a sua relevância educacional, neste artigo analisamos a versão final desse documento, publicada em 2018, com o objetivo de verificarmos se elementos do multiculturalismo estão contemplados em seu texto geral e na parte específica da área de Ciências da Natureza. Para tanto, foram selecionados excertos que faziam menção aos fundamentos éticos e a tratamentos direcionados à pluralidade e foi feita a análise das habilidades designadas para a área da Ciências da Natureza Ensino Fundamental I e II. Como resultado, identificamos que, embora a BNCC utilize argumentos pautados na defesa da igualdade de direitos às diversidades, apenas 1% das habilidades para as Ciências utilizam verbos associados à aprendizagem de valores. Além disso, a presença de habilidades potencialmente muito associadas ao multiculturalismo foi considerada reduzida e, em certos casos, superficial. Essa participação tímida do multiculturalismo na Base é um resultado preocupante, revelando o quão distante estamos de abordamos o pluralismo além de um mero acordo moral.

Palavras-chave


Base Nacional Comum Curricular; Multiculturalismo; Currículo; Ciências da Natureza; Políticas educativas.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Ana Carolina Ayres Pereira. Ensino de Ciências e pluralidade cultural: professores de ciências e temáticas multiculturais no currículo. 2010. Orientador: Marcelo Gustavo Andrade de Souza. Dissertação (Mestrado em Educação) – Departamento de Educação do Centro de Teologia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 6. ed. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2006.

BATISTA, Antônio Augusto Gomes; RIBEIRO, Vanda Mendes. Consensos e dissensos em torno de uma Base Nacional Comum Curricular no Brasil, relatório de pesquisa. CENPEC: Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, cultura e Ação Comunitária. São Paulo, fev. 2015. Disponível em: http://ftp.cenpec.org.br/com/portalcenpec/biblioteca/Consensos_e_Dissensos_Relatorio_Pesquisa_Cenpec_Final.pdf. Acesso em: 24 out. 2017.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em: 16 abr. 2017.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/a-base. Acesso em: 9 set. 2019.

BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, [1996]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 10 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC; SEB; DICEI, 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13448-diretrizes-curiculares-nacionais-2013-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 5 maio 2018.

CACHAPUZ, António et al. A necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo: Cortez, 2005.

CACHAPUZ, António; PRAIA, João; JORGE, Manuela. Da educação em ciência às orientações para o ensino das ciências: um repensar epistemológico. Ciência e Educação, Bauru, v. 10, n. 3, p. 363-381, 2004.

CANEN, Ana. Educação multicultural, identidade nacional e pluralidade cultural: tensões e implicações curriculares. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 111, p. 135-149, dez. 2000.

CANEN, Ana. O Multiculturalismo e seus dilemas: implicações na educação. Comunicação e Política, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 91-107, jan. 2007.

CANEN, Ana. Sentidos e dilemas do multiculturalismo: desafios curriculares para o novo milênio. In: LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth (Orgs.). Currículo: debates contemporâneos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2015. p. 174-195.

CARVALHO, Janete Magalhães; SILVA, Sandra Kretli; DELBONI, Tânia Mara Zanotti Guerra Frizzera. A Base Nacional Comum Curricular e a produção biopolítica da educação como formação de “capital humano”. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 481-503, abr./ jun. 2017.

CUNHA, Kátia Silva; SILVA, Janini Paula. Sobre bases e bases curriculares, nacionais, comuns: de que currículo estamos falando? Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 14, n. 4, p. 1236-1257, out. /dez. 2016.

FERREIRA, Fernanda Nunes. Multiculturalismo e currículo escolar: desafios e possibilidades no Ensino Fundamental. 2012. Orientadora: Maria Angélica Rodrigues Martins. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica de Santos, Santos, 2012.

FRANCO, Maria Laura Puglisi Barbosa. Análise de conteúdo. 2. ed. Brasília: Liber Livro Editora, 2005.

GOMES, Nilma Lino. Indagações sobre o currículo: Diversidade e currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/indag4.pdf. Acesso em: 6 jun. 2017.

JAFELICE, Luiz Carlos. A formação docente (em ciências naturais): para quê? Para quem? In: NORONHA, Claudianny Amorim; SÁ JÚNIOR, Lucrécio Araújo de (Orgs.). Por uma formação para a docência. Natal: EDURFN, 2017. p. 145-175. Disponível em:repositorio.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/23540/7/Por%20uma%20formação%20para%20a%20docência.pdf. Acesso em: 1 jan. 2020.

KRASILCHICK, Myriam. Perspectivas do ensino de biologia. In: KRASILCHICK, Myriam (Org.). Prática do Ensino de Biologia. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo (Edusp), 2016. p. 185-196.

LEWONTIN, Richard. Um ceticismo racional. In: LEWONTIN, Richard (Org.). Biologia como ideologia- a doutrina do DNA. São Paulo: FUNPEC, 2001. p. 7-21.

LIBÂNEO, José Carlos. As relações “dentro-fora” na escola ou as interfaces entre práticas socioculturais e ensino. In: LIBÂNEO, José Carlos; ALVES, Nilda (Orgs.). Temas da Pedagogia: diálogos entre didática e currículo. São Paulo: Cortez, 2012. p. 333-349.

MERCADO, Elisangela Leal de Oliveira; FUMES, Neiza de Lourdes Frederico. Base Nacional Comum Curricular e a educação especial no contexto da inclusão escolar. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES E FÓRUM PERMANENTE DE INOVAÇÃO EDUCACIONAL, 10., 2017, Aracaju. Anais eletrônicos [...]. Aracaju: Universidade Tiradentes. Disponível em: https://eventos.set.edu.br/index.php/enfope/article/view/4770. Acesso em: 22 out. 2017.

MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa; CANDAU, Vera Maria. Indagações sobre o currículo: currículo, conhecimento e cultura. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/indag3.pdf. Acesso em: 10 jun. 2017.

MOREIRA, Carmen Tereza Velanga. As contribuições do pensamento do canadense Peter McLaren e de Paulo Freire para a construção de uma educação multicultural inclusiva. In: NENEVÉ, Miguel; PROENÇA, Marilene (Orgs.). Educação e diversidade: interfaces Brasil – Canadá. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005. p. 87-108.

MORIN, Edgar. Para a ciência. In: MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil LTDA, 2008. p.15-36.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. Currículo escolar e justiça social: o cavalo de troia da educação. Porto Alegre: Penso, 2013.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. Os conteúdos culturais, a diversidade cultural e a função das instituições escolares. In: SANTOMÉ, Jurjo Torres. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. p. 129-152.

SANTOS, Jose Luiz dos. O que é cultura. 16. ed. São Paulo: Brasiliense, 2017.

SANTOS, Lucíola Licínio de C. P.; LOPES, José de Souza Miguel. Globalização, multiculturalismo e currículo. In: MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa (Org.). Currículo: questões atuais. 14. ed. Campinas: Papirus Editora, 2008. p. 29-39.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade, uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SODRÉ, Muniz; TRINDADE, Azoilda Loretto. Cultura, diversidade cultural e educação. In: TRINDADE, Azoilda Loretto da; SANTOS, Rafael dos (Orgs.). Multiculturalismo: mil e uma faces da escola. 3. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 17-32.

SOUSA, Jorge Luis Umbelino de. Currículo e projetos de formação: Base Nacional Comum Curricular e seus desejos de performance. Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 8, n. 3, p. 323-334, set./out. 2015.

TRICHES, Eliane de Fátima; ARANDA, Maria Alice de Miranda. A formulação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) como ação da política educacional: breve levantamento bibliográfico (2014-2016). Realização: Revista Online de Extensão e Cultura, Dourados, v. 3, n. 5, p. 81-96, 2016.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2020v18i1p111-136

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais