A CENTRALIDADE DAS COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS NAS POLÍTICAS CURRICULARES CONTEMPORÂNEAS NO BRASIL

Tassia Joana Rodrigues Ciervo, Roberto Rafael Dias da Silva

Resumo


O presente artigo objetiva  mapear as contribuições teóricas  sociais contemporâneas dos estudos sobre neoliberalismo e capitalismo emocional para o entendimento das políticas curriculares, especificamente no que se refere à ênfase nas competências socioemocionais. Nesse sentido, a partir de um alinhamento na perspectiva dos Estudos Curriculares, serão problematizados os elementos instituintes deste cenário contemporâneo em sua interface com as propostas de inovação curricular que engendram a inclusão das emoções no trabalho pedagógico. Através de análise documental a  aproximação com o campo empírico será orientada pelos conceitos de competência e individualização entendidos como conceitos que, com maior ou menor intensidade, articulam a escola aos imperativos econômicos advindos do mundo do trabalho.  A racionalidade econômica vigente ao engendrar modos de subjetivação específicos faz uso da emocionalidade com vistas intensificar a produtividade dos indivíduos e fomentar a constituição subjetiva de “empresários de si”. Em linhas gerais, pode se afirmar que os debates acerca da seleção dos conhecimentos escolares são reposicionados no interior desta gramática formativa.


Palavras-chave


Currículo; Competências socioemocionais; Capitalismo emocional; Políticas curriculares.

Texto completo:

PDF

Referências


ABED, Anita Lilian Zuppo. O desenvolvimento das habilidades socioemocionais como caminho para a aprendizagem e o sucesso escolar de alunos da educação básica. São Paulo: UNESCO/MEC, 2014.

BIESTA, Gerd. Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. 6. ed. São Paulo: Cortez; Brasília: MEC, UNESCO, 1998.

DELUIZ, Neise. O modelo das competências profissionais no mundo do trabalho e na educação: implicações para o currículo. Boletim Técnico do Senac, n. 273, p. 1-16, mar. 2001.

FÓRUM INTERNACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS, 2014, São Paulo. Competências para o progresso social. São Paulo: MEC/OCDE/IAS, 2014.

GORZ, André. O imaterial: conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume, 2003.

GRINBERG, Silvia. Vivir y estudiar en las villas del sur global: modulaciones gerenciales de las biopolíticas de la vida urbana. Educar em Revista, Curitiba, v. 33, n. 66, p. 57-76, out./dez. 2017.

HAN, Byung-Chul. Psicopolítica. Barcelona: Herder, 2014.

ILLOUZ, Eva. Intimidades Congeladas: as emoções no capitalismo. Buenos Aires: Katz Editores, 2007.

ILLOUZ, Eva. La salvación del alma moderna: terapia, emociones, y la cultura de la autoayuda. Buenos Aires: Katz Editores, 2010.

INSTITUTO AYRTON SENNA; UNESCO. Competências Socioemocionais: material de discussão. [S.l.]: IAS; UNESCO, [201-].

LAVAL, Christian. A Escola não é uma empresa: o neo-liberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Editora Planta, 2004.

LAZZARATO, Maurizio; NEGRI, Antonio. Trabalho Imaterial. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

LOCKMANN, Kamila; TRAVERSINI, Clarice Salete. Alargamento das funções da escola e redefinição dos conhecimentos escolares: implicações da educacionalização do social. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 26, n. 63, p. 817-835, set./dez. 2017.

MARÍN-DIAZ, Dora Lilia. Autoajuda e educação: uma genealogia das antropotécnicas contemporâneas. 2012. 491 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC, 2017.

NOBILE, Mariana. Sobre la ‘Educación Emocional’: subjetividad y psicologización en la modernidad tardía. Digithum, n. 20, p. 22-33, 2017.

NOGUERA-RAMIREZ, Carlos Ernesto. Pedagogia e governamentalidade ou da Modernidade como uma sociedade educativa. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Pisa em foco, n. 5, jun. 2011.

PACHECO, José Augusto. Políticas Curriculares: referenciais para análise. Porto Alegre: Artmed, 2003.

PAIVA, Thais. “Se fosse brasileiro, estaria indignado com a situação da educação”. Entrevista com António Nóvoa. Carta Educação, 28 mar. 2017.

PRIMI, Ricardo; SANTOS, Daniel. Desenvolvimento socioemocional e aprendizado escolar: uma proposta de mensuração para apoiar políticas públicas. São Paulo: OCDE, Instituto Ayrton Senna, Governo do Rio de Janeiro, 2014.

ROPÉ, Françoise; TANGUY, Lucie (Orgs.). Saberes e Competência: o uso de tais noções na escola e na empresa. Campinas: Papirus, 1997.

SACRISTÁN, José Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SACRISTÁN, José Gimeno. O que significa o currículo? In: ______ (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 16-35.

SAFATLE, Vladimir. O circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO; INSTITUTO AYRTON SENNA. Diretrizes para a Política de Educação Integral: Solução Educacional para o Ensino Médio. Caderno 2: Modelo Pedagógico: princípios, metodologias integradoras e avaliação da aprendizagem. Rio de Janeiro: SEEDUC/RJ; IAS, 2014.

SILVA, Roberto Rafael Dias da. Emocionalização, algoritimização e personalização dos itinerários formativos: como operam os dispositivos de customização curricular? Currículo sem Fronteiras, v. 17, n. 3, p. 699-717, set./dez. 2017a. SILVA, Roberto Rafael Dias da. Entre percursos formativos e comunidades de aprendentes: políticas curriculares para a educação integral no Brasil. Perspectiva, Florianópolis, v. 35, n. 3, p. 838-858, jul./set. 2017b. VARELA, Julia. Categorias espaço-temporais e socialização escolar: do individualismo ao narcisismo. In: COSTA, Maria Vorraber (Org.). Escola básica na virada do século: cultura, política e currículo. São Paulo: Cortez, 2012. p. 73-106. YOUNG, Michael. Para que servem as escolas? Educação & Sociedade, v. 28, n. 101, p. 1287-1302, 2007.

YOUNG, Michael. O futuro da educação em uma sociedade do conhecimento: o argumento radical em defesa de um currículo centrado em disciplinas. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48, p. 609-623, set./dez. 2011.

______. Porque o conhecimento é importante nas escolas do século XXI? Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 46, n. 159, p. 18-37, mar. 2016.

YUNES, Angela Mattar; SZYMANSKI, Heloísa. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES, José (Org.). Educação e Resiliência. São Paulo: Cortez, 2001. p. 13-43.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2019v17i2p382-401

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais