A EDUCAÇÃO E A URGÊNCIA DE “DESBARBARIZAR” O MUNDO

Elizabeth Macedo

Resumo


Neste texto, foco as recentes políticas curriculares no Brasil, inserindo-as em um cenário de hegemonia da racionalidade neoliberal. Assumo que tais políticas produziram um discurso de inclusão e justiça social, em diálogo com movimentos internacionais que, no pós-guerra, defenderam uma retórica contra a barbárie. A partir de análises formuladas por Chantal Mouffe, Wendy Brown, Judith Butler, Pierre Dardot e Christian Laval, tento entender o esgotamento ou a emergência de uma nova forma da racionalidade neoliberal. Por um lado, assumo que tal racionalidade não criou as condições materiais para que as promessas do pós-guerra se materializassem, ao contrário ampliou a desigualdade e a oligarquização. Por outro, argumento que, ao desprezar o político, ela apostou na desdemocratização. Combinados, tais movimentos desembocaram na ascensão de governos de direita em diferentes países, inclusive no Brasil. Após essa análise, defendo que uma educação para justiça social – ou para desbarbarizar o mundo – precisa corroer a equação neoliberal, não apenas na resistência às políticas públicas, mas na própria forma como teorizamos o currículo.


Palavras-chave


Políticas de currículo; Justiça social; Neoliberalismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ADDEY, Camila. Golden relics & historical standards: how the OECD is expanding global education governance through PISA for Development. Critical Studies in Education, v. 58, n. 3, p. 311-325, 2017. DOI: https://doi.org/10.1080/17508487.2017.1352006

ADORNO, Theodor. Educação e Emancipação. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

APPLE, Michael. Cultural politics and education. New York: Teachers College Press, 1996. BALL, Stephen J. Education, Majorism and ‘the Curriculum of the Dead’. Curriculum Studies, v. 1, n. 2, p. 195-214, 1993. DOI: https://www.researchgate.net/publication/232932351_Education_Majorism_and_'the_Curriculum_of_the_Dead'

BALL, Stephen. J. Foucault, power and education. New York: Routledge, 2013.

BATISTA JR., Paulo Nogueira. O Plano Real à luz da experiência mexicana e argentina. Estudos Avançados, São Paulo, v. 10, n. 28, p. 127-197, 1996. DOI: https://www.researchgate.net/publication/262710456_O_Plano_Real_a_luz_da_experiencia_mexicana_e_argentina

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da Educação Básica. Apresentação realizada pela Diretoria de Concepções e Orientações Curriculares para a Educação Básica. Brasília: MEC, n.d. Disponível em: www.mec.gov.br. Acesso em: 15 maio 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Planejando a próxima década: conhecendo as 20 metas do PNE. Brasília: MEC, 2014.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. PDE: Plano de Desenvolvimento da Educação. Brasília: MEC/SEB/INEP, 2008.

BRASIL. Resolução Nº 4, de 13 de julho de 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, [2010]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_10.pdf. Acesso em: 8 set. 2019. BROWN, Wendy. Undoing the demos: Neoliberalism’s stealth revolution. New York: Zone Books, 2015.

BURITY, Joanildo de A. Cultura e identidade nas políticas de inclusão social. In: AMARAL, JR., Aécio; BURITY, Joanildo de A. (orgs). Inclusão social, identidade e diferença: perspectivas pós-estruturalistas e análise social. São Paulo: Annabluma, 2006. p. 39-66.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, Judith. Marcos de guerra. Las vidas lloradas. Buenos Aires: Paidós, 2010.

COLL, Cesar. Psicologia e currículo. Rio de Janeiro: Ática, 1998.

CUNHA, Erika; LOPES, Alice Casimiro. Base Nacional Comum Curricular: regularidade na dispersão. Investigación Cualitativa, v. 2, p. 23-35, 2017.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A “nova” fase do neoliberalismo. Viento Sur/Traduzido por IHU, 2019. Disponível em: https://outraspalavras.net/outrasmidias/dardot-e-laval-a-nova-fase-do-neoliberalismo/. Acesso em: 7 jun. 2019. DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. Uma alternativa ao neoliberalismo: Entrevista a Daniel Pereira Andrade e Nilton Ken Ota. Tempo social, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 275-316, 2015.

DERRIDA, Jacques. Espectros de Marx: o estado da dívida, o trabalho do luto e a nova Internacional. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

DERRIDA, Jacques. Força da lei. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

DERRIDA, Jacques. Paper Machine. Stanford: Stanford University Press, 2005.

DRUMMOND DE ANDRADE, Carlos. Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2007.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

GRANT, Carl; GIBSON, Melissa L. “The path of social justice”: A Human Rights History of Social Justice Education. Equity & Excellence in Education, v. 46, n. 1, p. 81-99, 2013. DOI: https://www.researchgate.net/publication/263748989_The_path_of_social_justice_A_Human_Rights_History_of_Social_Justice_Education

GRIGERA, J. Populism in Latin America: Old and new populisms in Argentina and Brazil. International Political Science Review, v. 38, n. 4, p. 441-455, 2017.

LACLAU, Ernesto. La razón populista. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2008.

LOPES, Alice Casimiro. Itinerários formativos na BNCC do Ensino Médio: identificações docentes e projetos de vida juvenis. Retratos da Escola, Brasília, v. 13, p. 59-75, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.22420/rde.v13i25.963

MACEDO, Elizabeth. A diferença nos PCN do Ensino Fundamental. In: LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. (orgs). Políticas de currículo em múltiplos contextos. São Paulo: Cortez, 2006. p. 159-186.

MACEDO, Elizabeth. Como a diferença passa do centro à margem nos currículos: o exemplo dos PCN. Educação & Sociedade, Campinas , v. 30, n. 106, p. 87-109, 2009. DOI: 10.1590/S0101-73302009000100005.

MACEDO, Elizabeth. A noção de crise e a legitimação de discursos curriculares. Currículo sem Fronteiras, v. 13, n. 4, p. 436-450, 2013.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: Novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, p. 1530-1555, 2014.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Comum para Currículos: direitos de aprendizagem e desenvolvimento para quem?. Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, p. 891-908, 2015. MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: a falsa oposição entre conhecimento para fazer algo e conhecimento em si. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 32, p. 45-68, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698153052 MACEDO, Elizabeth. As demandas conservadoras do movimento Escola sem Partido e a Base Nacional Curricular Comum. Educação & Sociedade, Campinas, v. 38, p. 507-524, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/es0101-73302017177445

MACEDO, Elizabeth. Fazendo a Base virar realidade: competências e o germe da comparação. Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 39-58, 2019. DOI: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/download/967/pdf

MOUFFE, Chantal. On the political. Londres: Routledge, 2005. MOUFFE, Chantal. Desconstrucción, pragmatismo y la política de la democracia. In: MOUFFE, Chantal. (org.). Desconstrucción y pragmatismo. Buenos Aires: Paidós, 1998. p. 13-33.

MOUFFE, Chantal. Entrevista a Samuele Mazzolini: la apuesta por un populismo de izquierda. Nueva Sociedad, n. 281, p. 129-138, 2019. Disponível em: https://nuso.org/articulo/la-apuesta-por-un-populismo-de-izquierda/. Acesso em: 7 jun. 2019. MOUFFE, Chantal. Por un populismo de izquierda. Buenos Aires: Siglo XXI Editores, 2018.

NORTH, Connie E. More than words? Delving into the substantive meaning(s) of “Social Justice” in Education. Review of Educational Research, v. 76, n. 4, p. 507-535, 2006. DOI: https://doi.org/10.3102/00346543076004507

SELLAR, Sam; LINGARD, Bob. The OECD and global governance in education. Journal of Education Policy, v. 28. n. 5, p. 710-725, 2013. DOI: https://doi.org/10.1080/02680939.2013.779791

SILVA, Fabiany de Cássia T.; XAVIER FILHA, Constantina. Conhecimentos em disputa na Base Nacional Comum Curricular. Campo Grande: Editora Oeste, 2019.

TAUBMAN, Peter. Teaching by numbers: Deconstructing the discourse of Standards and Accountability in Education. New York: Routledge, 2009. UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Learning: The Treasure Within. Paris: UNESCO, 1996.

WEINSTEIN, Bárbara. Entrevista a Stephan Rozenbaum: Desdém da classe média pelos mais pobres foi essencial para vitória de Bolsonaro, diz historiadora de NY. RFI, 12 jun. 2019. Disponível em: http://br.rfi.fr/brasil/20190612-desdem-da-classe-media-pelos-mais-pobres-foi-essencial-para-vitoria-de-bolsonaro-diz. Acesso em: 2 maio 2019.

ZAJDA, Joseph; MAJHANOVICH, Suzanne; RUST, Val D. Education and social justice: issues of liberty and equality in the global culture. In: ZAJDA, Joseph; MAJHANOVICH, Suzanne; RUST, Val D. Education and Social Justice. Netherlands: Springer, 2006. p. 1-12.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2019v17i3p1101-1122

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais