“CANTINHO DO PENSAMENTO”: UM ATO NORMATIVO?

Eliane Maria de Jesus, Silas Borges Monteiro

Resumo


Este trabalho é oriundo de uma pesquisa, ora em andamento, com chancela da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Objetiva-se trazer narrativas de crianças sobre suas vivências acerca do “cantinho do pensamento”, em uma creche pública no interior do estado de Mato Grosso. A investigação se insere no campo da Educação em interface com a filosofia da diferença. Dialoga com autores como Jacques Derrida/Nietzsche, Deleuze, Kohan, Corazza e outros assemelhados. As itinerâncias metodológicas lançaram mão da observação participante e da escuta de narrativas, evocadas por crianças no âmbito de uma cenacontecimento na ambiência da creche. A cena resulta de exercícios de um experimentar possibilidades, a do “cantinho” como ato normativo, dimensionado no pensar criativo e autônomo de crianças na Educação Infantil. Nessa direção, apresentam-se no texto modos outros de se pensar as infâncias, num movimento desconstrutor, bem ao modo derridiano, afirmando infâncias, que operam em uma lógica própria, e se mostram para nós a maneira como reverberam seus atos nessa instituição, com suas artistagens, devires e vivências.

 


Palavras-chave


Cantinho do pensamento; Educação Infantil; Vivências; Crianças; Desconstrução.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOWICZ, Anete. Introdução. In: ABRAMOWICZ, Anete; TEBET, Gabriela Guarnieri de Campos (Org.). Infância e pós-estruturalismo. São Paulo: Porto de Idéias, 2017. p. 15-26.

ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho: os cotidianos das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: GARCIA, Alexandra; OLIVEIRA, Inês Barbosa de (Org.). Nilda Alves: praticante pensante de cotidianos. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. p. 133-151.

ANDRÉ, Marli E. D. A. A pesquisa no cotidiano escolar. In: FAZENDA, Ivani (Org.).

Metodologia da pesquisa educacional. 5 ed. São Paulo: Cortez, 1999. p. 35-46. ARENDT, Hannah. A vida do espírito. 4. ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000. BARROS, Manoel de. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2010.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas I: Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1987.

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

CARVALHO, Alexandre Filordi de; LEITE, César Donizetti Pereira. Inventividade nas imagens errantes: micropolítica estética e devir-infância. In: RODRIGUES, Allan de Carvalho; BERLE, Simone; KOHAN, Walter Omar (Org.). Filosofia e educação em errância: inventar escola, infâncias do pensar. Rio de Janeiro: NEFI, 2018. p. 397-410.

CORAZZA, Sandra Mara. Infância e educação: Era uma vez - quer que conte outra vez? Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

CORAZZA, Sandra Mara. O docente da diferença. Periferia, Rio de Janeiro: EdUERJ, v.1, n. 1, p. 91-110, jan./jun. 2009.

CORAZZA, Sandra Mara; TADEU, Tomaz. Manifesto por um pensamento da diferença em educação. In: Composições. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 9-17.

COUTO, Mia. O menino que escrevia versos. In: COUTO, Mia. O Fio das Missangas:

contos. São Paulo. Companhia das Letras, 2009. p. 131-134. DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. vol. 4. São Paulo: Editora 34, 1997.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. São Paulo: Escuta, 1998.

DERRIDA, Jacques. Anne Dufourmantelle convida Jacques Derrida a falar da Hospitalidade. São Paulo: Escuta, 2003.

DERRIDA, Jacques. Esporas: os estilos de Nietzsche. Rio de Janeiro: NAU, 2013. DERRIDA, Jacques. Salvo o nome. Campinas, SP: Papirus, 1995.

FERRAÇO, Carlos Eduardo. Possíveis tessituras entre currículo e didática: sobre redes de conhecimentos, experiências e problematizações. In: ALMEIDA, Maria Isabel de. et al. (org.). Didática e Práticas de Ensino na Realidade Escolar Contemporânea: constatações, análises e preposições. Campinas: Junqueira&Marin Editores, 2012. E-book. (XVI Endipe). Disponível em: http://endipe.pro.br/ebooks-2012/0012s.pdf. Acesso em: 10 set. 2019. p. 130- 145.

FROÉS, Leonardo. A infância como autoficção, em Graciliano e seus contemporâneos. Caderno de Leituras n. 85, publicado pelas Edições Chão da Feira, em dezembro de 2018, série Infância. Disponível em: https://chaodafeira.com/catalogo/caderno85/. Acesso em: 02 jan. 2018.

GALLO, Sílvio. Infância e poder: algumas interrogações à escola. In: KOHAN, Walter Omar (Org.). Devir-criança da filosofia: infância da educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010. p. 109-121.

KOHAN, Walter Omar. Infância, estrangeiridade e ignorância: ensaios de Filosofia e Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

KOHAN, Walter Omar. Prefácio. In: ABRAMOWICZ, Anete; TEBET, Gabriela Guarnieri de Campos (Org.). Infância e pós-estruturalismo. São Paulo: Porto de Idéias, 2017. p. 11-14.

LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana. Danças, piruetas e mascaradas. 6. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

MARTON, Scarlett [editora responsável]. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

MONTEIRO, Silas Borges. Quando a pedagogia forma professores. Uma investigação otobiográfica. Cuiabá: EdUFMT, 2013.

MONTEIRO, Silas Borges; BIATO, Emília Carvalho Leitão. Uma avaliação crítica acerca do método e suas noções. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v.17, n.34, p.255-271, maio./ago. 2008.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Genealogia da Moral, uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Aurora: reflexões sobre os preconceitos morais. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

OLSSON, Liselott. Movimento e experimentação na aprendizagem de crianças pequenas. In: ABRAMOWICZ, Anete; TEBET, Gabriela Guarnieri de Campos (Org.). Infância e pós- estruturalismo. São Paulo: Porto de Idéias, 2017. p. 29-80.

POLI, Cris. Pais responsáveis educam juntos. São Paulo: Mundo Cristão, 2011. PORTOCARRERO, Vera. Instituição escolar e normalização em Foucault e Canguilhem.

Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 29, n. 1, p. 169-185, jan./jun. 2004.

SANTIAGO, Silviano. Glossário de Derrida. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976. Trabalho realizado pelo Departamento de Letras da PUC/RJ, supervisão geral de Silviano Santiago.

SKLIAR, Carlos. Desobedecer a linguagem: Educar. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

SKLIAR, Carlos. Escrever e ler para ressuscitar os vivos: notas para pensar o gesto da leitura e da escrita. In: KOHAN, Walter Omar (Org.). Devir-criança da filosofia: infância da educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010. p. 17-25.

TADEU, Tomaz; CORAZZA, Sandra; ZORDAN, Paola. Linhas de escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2020v18i1p391-407

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais