EDUCAÇÃO QUILOMBOLA: ANÁLISE DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

Marina Graziela Feldmann, Andréia Regina Silva Cabral-Libório

Resumo


Este artigo partiu da problemática: Como a Educação Não Formal pode contribuir para o resgate da história e memória de uma comunidade de remanescentes de quilombo? Objetiva: promover a valorização da cultura e o protagonismo quilombola. A base teórica apoia-se nas contribuições de: Geertz, Gohn, Moreira e Candau, Andrade, Santos e Freire. A metodologia ancora-se na abordagem qualitativa, por meio da análise de documentos do projeto de extensão realizado em uma comunidade quilombola e das ações realizadas. Os resultados evidenciam: o protagonismo quilombola é importante para a valorização e para reafirmação do sentimento de pertença ao território e identidade quilombola. A educação não formal pode ser uma importante aliada na luta para a valorização étnica- cultural deste povo.


Palavras-chave


: Educação não formal; Cultura; Protagonismo quilombola.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Tânia (Org.). Quilombos em São Paulo: tradições, direitos e lutas. São Paulo: IMESP, 1997.

ANDRADE, Anna Maria; TATTO, Nilto (Ed.). Inventário Cultural dos Quilombos do Instituto Socioambiental. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2013. Disponível em: https://issuu.com/instituto-socioambiental/docs/pdf-publicacao-final_inventario. Acesso em: 05 maio 2020.

BRASIL. Decreto n.º 4.887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que trata o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Ano 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/D4887.htm. Acesso em: 22 jun. 2019.

BRASIL. MEC. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, DF. Ano 2004, p. 1-36: Disponível em: http://www.uel.br/projetos/leafro/pages/arquivos/DCN-s%20-%20Educacao%20das%20Relacoes%20Etnico-Raciais.pdf. Acesso em: 6 mar. 2020.

BRASIL. MEC. Resolução nº 8, de 20 de novembro de 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Ano 2012. Disponível em: http://www.seppir.gov.br/portal-antigo/arquivos-pdf/diretrizes-curriculares. Acesso em 06 mar. 2019.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Publicada Diário Oficial da União, DF, Ano 1988, nº 191-A, Seção I, p. 1. Art. 68, p. 138. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 6 mar. 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES. Quilombos ainda existem no Brasil. Fundação Cultural Palmares (FCP), 2008. Disponível em: http://www.palmares.gov.br/?p=3041#:~:text=Levantamento%20da%20Funda%C3%A7%C3%A3o%20Cultural%20Palmares,pode%20chegar%20a%20cinco%20mil. Acesso em 03 jun. 2020.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOHN, Maria da Gloria. Educação Não formal e o educador social: atuação no desenvolvimento de projetos sociais. São Paulo: Cortez, 2010.

GOHN, Maria da Gloria. Educação não formal nas instituições sociais. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 18, n. 39, p. 59-75, set./dez. 2016. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/3615/2053. Acesso em: 02 mar. 2020.

INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA (INCRA). 2020. Disponível em: http://www.incra.gov.br/pt/quilombolas.html. Acesso em: 03 jun. 2020.

MOREIRA, Antonio Flávio; CANDAU, Vera Maria (Orgs.). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 10. Petropólis - RJ: Vozes, 2013.

PASINATO, Raquel. Planejamento Territorial Participativo: relato de experiências em comunidades quilombolas do Vale do Ribeira/SP. Instituto Socioambiental. São Paulo, agosto de 2012. Disponível em: https://www.socioambiental.org/sites/blog.socioambiental.org/files/publicacoes/planejamento.pdf. Acesso em: 06 mar. 2019.

INCRA. Regularização de território quilombola: perguntas & respostas. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Diretoria de Ordenamento da Estrutura Fundiária. Coordenação Geral de Regularização de Territórios Quilombolas – DFQ. 2017. Disponível em: http://www.incra.gov.br/sites/default/files/incra-perguntasrespostas-a4.pdf. Acesso em: 04 jun. 2020.

SANTOS, Sales Augusto dos. A Lei no 10.639/03 como fruto da luta anti-racista do Movimento Negro. In: Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei 63 Federal nº 10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. p. 21-37.

SANTOS, Patrícia. Relatório Técnico Científico- RTC- Quilombo de Peropava. Instituto de Terras do Estado de São Paulo- ITESP. 2011.

SILVEIRA, Denise Tolfo; CÓRDOVA, Fernanda Peixoto GERHARDT. A pesquisa científica. In: ENGEL, Tatiana; SILVEIRA, Denise Tolfo (Orgs). Métodos de pesquisa: coordenado pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. Disponível em: http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf. Acesso em: 03 jun. 2020.

VON SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes; PARK, Margareth Brandini; FERNANDES, Renata Sieiro. Educação não-formal: um conceito em movimento. In: Rumos Itaú Cultural (Org.). Visões singulares, conversas plurais. São Paulo: Itaú Cultural, 2007. v. 3. p. 13-42. Disponível em: http://d3nv1jy4u7zmsc.cloudfront.net/wp-content/uploads/2012/02/000459.pdf. Acesso em: 03 jun. 2020.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2020v18i3p1298-1314

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais