A VIDA COMO ELA FOI: PRODUZINDO RESISTÊNCIA NAS AULAS DE HISTÓRIA

Caroline Pacievitch, Carmem Zeli de Vargas Gil, Fernando Seffner, Nilton Mullet Pereira

Resumo


O presente artigo pretende abordar as aulas de História, desde uma pesquisa constituída no fazer docente em estágio de formação de professores. Partimos da análise de planejamentos e observações de aulas construídos por estudantes de História, nos últimos 4 semestres, nas disciplinas de estágio de docência no ensino fundamental, ensino médio e educação patrimonial. O objetivo consistiu em problematizar o currículo de História, na escola básica, através do que chamamos de práticas insurgentes. Tal concepção nos levou a pensar no conceito de resistência, tendo como interlocutores de escrita autores do campo da decolonialidade, da educação crítica e da filosofia da diferença. A partir daí construímos um conceito de resistência vinculado à ideia de criação. Concluímos, portanto, que, nos tempos atuais, a radicalidade da crítica curricular inclui a ideia, não de uma reatividade aos “tempos difíceis”, mas de uma resistência criativa, que faz transbordar o currículo desde um estudo do passado, problematizando o presente e criando abertura para novos futuros.


Palavras-chave


Ensino de História; Resistências; Gênero; Patrimônio.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2019v17i4p1626-1647

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais