Artes de dizer, nutrir e fazer etnomatemático em uma feira livre
Arts of saying, nourishing and making ethnomathematics in a free fair

Shirley Patrícia Nogueira de Castro e Almeida, Edson Crisostomo

Resumo


Neste trabalho tivemos por objetivo identificar os saberes e fazeres dos feirantes e fregueses que fazem a feira do bairro Major Prates, em Montes Claros, região Norte de Minas Gerais. Por meio da observação das relações tecidas naquele espaço, desenvolvemos uma investigação sobre as práticas cotidianas no contexto da Feira Livre, a partir da análise das artes de dizer, de nutrir e de fazer etnomatemático. Fizemos uma análise qualitativa dos gestos e vozes dos sujeitos que fazem a feira que evidenciam uma utilização eficiente de conceitos matemáticos em sua prática comercial cotidiana. Verificamos que a Feira do Major Prates tem se consolidado por sua vocação marcadamente hortifrutigranjeira, bem como pela possibilidade de convivência familiar das pessoas que a frequentam para se nutrir, divertir-se e trabalhar. 

 

This work aims to identify the knowledges and achievements of the stallholders and customers who "make the fair" of the Major Prates neighborhood, in Montes Claros, the northern region of Minas Gerais. Through the observation of the relationships woven in that space, we developed an investigation about the daily practices in the Free Fair’s context, from the analysis of the arts of saying, nourishing and making ethnomathematics. We made a qualitative analysis of the gestures and voices of the subjects who "make the fair" that shows an efficient use of mathematical concepts in their daily commercial practice. We have verified that the Major Prates’ Fair has been consolidated by its vocation markedly “hortifrutigranjeira”, as well as by the possibility of familiar coexistence of the people who attend it to nourish, have fun and work.


Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. A cultura popular na Idade Média e no renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec / Brasília: EdUnB, 1987.

BARBOSA, Fernando Cordeiro. A Feira de São Cristóvão como espaço de interconexão de universos sociais. Niterói: EdUFF, 2000.

BOURDIEU, Pierre. As formas do capital. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1985.

BRAUDEL, Fernand. Os jogos das trocas. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

CARLOS, Ana Fani Alessansdri. A (re)produção do espaço urbano. São Paulo: Edusp, 1994.

CARRAHER, David. CARRAHER, Terezinha Nunes; SCHLIEMANN, Analucia. Na vida dez, na escola zero. São Paulo: Cortez, 1988.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de Fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

CERTEAU, Michel de; GIARD, Luce; MAYOL, Pierre. A invenção do cotidiano: 2. Morar, cozinhar. Petrópolis: Vozes, 1996.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed, 2000.

CHARLOT, Bernard. Relação com o saber, formação de professores e globalização: questões para a educação hoje. Porto Alegre: Artmed, 2005.

CHION, Michel. Músicas, media e tecnologias. Coleção Biblioteca Básica de Ciência e Cultura. Lisboa: Instituto Piaget, 1994.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Da realidade à ação: reflexões sobre educação e matemática. São Paulo: Summus, 1986.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. São Paulo: Ática, 1990.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 2. ed., 2. reimpressão. Belo Horizonte: Autêntica, 2005a.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: uma nova abordagem sobre a construção do conhecimento revoluciona a aplicação das disciplinas na escola. Revista Nova Escola, São Paulo, n. 69, p. 10-17, ago. 1993.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 99-120, jan./abr. 2005b. DOI: 10.1590/S1517-97022005000100008

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FORMAN, Shepard. Camponeses: sua participação no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

HUBERMAN, Leo. História da riqueza do homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

JAPIASSU, Hilton Ferreira. Epistemologia: o mito da neutralidade científica. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

MARGAIRAZ, Dominique. Foires et marches dans la France préindustrielle. Paris: EHESS, 1988.

MARTINS, Gilberto de Andrade. Estudo de caso: uma estratégia de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2006.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. 3. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

MASCARENHAS, Gilmar. Modernidade urbana e flexibilidade tropical: as feiras livres na cidade do Rio de Janeiro (1904-1934. Revista GeoUerj, Rio de Janeiro, n. 2, p. 29-41, 1997.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. v. 1 e 2. São Paulo: E.P.U./EDUSP, 1974.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Conversas. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

MORAIS, Ione Rodrigues Diniz; ARAÚJO, Marcos Antônio Alves. Territorialidades e sociabilidades na feira livre da cidade de Caicó (RN). Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 7, n. 17, p. 244-249, fev. 2006.

MORALES, Lúcia Arrais. A Feira de São Cristóvão: um estudo de identidade regional. 1993. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.

PINTAUDI, Silvana Maria. Supermercados na Grande São Paulo: contribuição ao estudo da transformação do comércio varejista de gêneros alimentícios nas grandes metrópoles. 1981. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo. São Paulo.

PRADELLE, Michèle de la. Les Vendredis de Carpentras. Faire son Marché, en Provence ou Ailleurs. Paris: Fayard, 1996.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

REZENDE, Antônio. Curso de Filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 1992.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

VEDANA, Viviane. “Fazer a Feira”: estudo etnográfico das “Artes de fazer” de feirantes e fregueses da Feira Livre da Epatur no contexto da paisagem urbana de Porto Alegre. 2004. 251f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

VELHO, Gilberto. Individualismo e cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

WEBER, Max. Conceitos e categorias da Cidade. Tradução de Antônio Carlos Pinto Peixoto. In: VELHO, Otávio Guilherme. (Org). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.




DOI: https://doi.org/10.23925/1983-3156.2017v19i1p273-295

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA