Um ensaio exploratório sobre o desenvolvimento profissional docente em uma perspectiva catastrófica
An exploratory essay on teacher professional development in a catastrophic perspective

Emerson Batista Gomes, Dario Fiorentini

Resumo


Este ensaio tece relações entre experiência, aprendizagem, socialização e a teoria das catástrofes, visando à construção de um modelo analítico para o desenvolvimento profissional docente em uma perspectiva catastrófica (DPDPC). Foram utilizadas como referências da prática profissional, experiências de aprendizagem de dois licenciandos em matemática que participaram de um projeto de iniciação à docência. Como resultado do estudo, foi produzido um modelo conceitual de DPDPC que ajuda a descrever e compreender a aprendizagem e o desenvolvimento profissional de professores, a partir de experiências de formação e de docência nas quais ocorrem momentos de conversão catastrófica com potencial de promover mudanças de relação com o saber escolar e uma progressiva socialização e identificação com outras formas de ser e fazer docente.

 

This essay explores the relationship among experience, learning, socialization, and the catastrophe theory, in order to construct an analytical model for teacher professional development in a catastrophic perspective (TPDCP). It was used as reference of professional practice, learning experiences of two undergraduates in mathematics who participated in a project initiation to teaching. As a result of the study, a conceptual model of DPDPC was presented that helps describe and understand the learning and professional development of teachers, based on experiences of education and teaching in which occur moments of catastrophic conversion with potential for promoting change in relationship with the knowledge and a progressive socialization and identification with other ways of being and doing teaching.


Palavras-chave


Aprendizagem Docente; Desenvolvimento Profissional; Teoria das Catástrofes

Texto completo:

PDF

Referências


ARNOUD, V. I. (1989). Teoria da catástrofe. Campinas: Editora da UNICAMP.

CHACÓN, I. M. G. (2003). Matemática emocional: os afetos na aprendizagem matemática. Trad. Daisy Vaz de Moraes. Porto Alegre: Artmed.

CHARLOT, B. (2000). Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Tradução Bruno Magne. Porto Alegre: Artmed.

CHEVALLARD, Y (1991). La Transposition didactique. Du savoir savant au savoir enseigné. France: La pensé e sauvage, 1991.

____________. (1999). El análisis de las prácticas docentes en la teoría antropológica de lo didáctico. Recherches em Didactique des Mathématiques. v. 19, n. 2, pp. 221-266.

____________. (2009). La TAD face au professeur de mathématiques. Communication au Séminaire DiDiST de Toulouse le 29 avril.

DEWEY, J. (1979). Como pensamos: como se relaciona o pensamento reflexivo com o processo educativo, uma reexposição. 4ª ed. São Paulo: Ed. Nacional.

________. (2011). Experiência e educação. 2ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

DUBAR, C. A. (1997). A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Porto: Porto Editora.

AUTOR2 (2009).

AUTOR2 (2013).

FORMOZINHO, J. O. (2009). Desenvolvimento profissional dos professores. In: FORMOSINHO, João (Coord.). Formação de Professores: aprendizagem profissional e acção docente. Porto: Porto Editora, pp. 221-284.

GAUTHIER, C. et al. (1998). Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Tradução Francisco Pereira. Ijuí: Ed. UNIJUÍ.

AUTOR1 (2004).

AUTOR1; AUTOR2; OUTRO COAUTOR (2014).

GOMES FILHO, J. (2009). Gestalt do objeto: sistema de leitura visual da forma. 9ª ed. São Paulo: Escrituras editora.

HARGREAVES, A; FULLAN, M. (1992). Understanding teacher development. New York: Teaches College Press, pp. 1-19.

LEWIN, Kurt. (1973). Princípios de Psicologia Topológica. São Paulo: Cultrix, 1973.

LISONDO, H. R. (2011). Mudança sem catástrofe ou catástrofe sem mudanças: liderando pessoas para o processo de mudanças nas organizações. São Paulo: Casa do Psicólogo, Uninove.

LAVE, J; WENGER, E. (1991). Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge: University Press.

NÓVOA, A. (1992). Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, Antônio. Vida de Professores. Porto: Porto Editora, pp. 11-30.

OLIVEIRA, S. N. (1999). Família e educação escolar no contexto neoliberal. Revista da FAEEBA/Universidade do estado da Bahia, v. 8, n. 11, jan./jun.

PASCARELLA, E. T.; TERENZINI, E. T. (2005). How college affects students: A third decade of research. Vol. 2. San Francisco: Jossey-Bass.

PIMENTA, S. G. (2005). Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, n. 3, pp. 521-539, set./dez.

PONTE, J. P. (1998). Conferência plenária apresentada no Encontro Nacional de Professores de Matemática. In: Actas do ProfMat 98. Lisboa: APM, pp. 27-44.

PONTE, J. P.; OLIVEIRA, H.; VARANDAS, J. M. (2003). O contributo das tecnologias de informação e comunicação para o desenvolvimento do conhecimento e da identidade profissional. In. FIORENTINI, D. (Org.) Formação de professores de matemática: explorando novos caminhos com outros olhares. Campinas: Mercado das Letras, pp.159-192.

REIS, L. P. C. (2010). A participação da família no contexto escolar. Monografia, DE. Salvador: UNEB, 2010.

RODRÍGUEZ, J. M. (1995). Formación de Profesores y Prácticas de Enseñanza. Un estudio de caso. Huelva: Publicaciones Universidad de Huelva.

TARDIF, M. (2007). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes.

THOM, R. (1995). Paraboles et catastrophes. Collection Champs, vol. 186. Paris: Flammarion, 1995.

_________. (1997). Prédire n’est pas expliquer. Collection Champs, vol. 288. Paris: Flammarion.

VÁSQUES, A. S. (2011). Filosofia da práxis. 2ª Ed. São Paulo: Expressão Popular.

ZEICHNER, K. M. (1993). A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA