Aula chat de matemática: o papel do professor nas interações síncronas com alunos do ensino médio
Mathematics' chat class: the teacher's role in synchronous interactions with high school students

Leonardo José da Silva, Odete Pacubi Baierl Teixeira

Resumo


Neste artigo serão discutidos os resultados da pesquisa de doutorado cujo foco foi analisar a prática discursiva de alunos e professor em uma aula chat de Matemática no Ensino Médio. Utilizando elementos da análise do discurso, foi construída uma ferramenta analítica que visando categorizar os discursos de professor e alunos durante uma sessão de chat. Apesar das dificuldades do professor em lidar com o intenso fluxo comunicativo e com a linguagem simbólica matemática, o ambiente chat se mostrou profícuo para os processos de ensino e aprendizagem de Matemática.

 

In this article it will be partially discussed the doctorate's research results conducted by the author. The goal here is to analyze how is the teacher, who is also the author of the study, coordinated the discursive dynamics in mathematics’ chat class in high school. Using elements of discourse analysis, it was built an analytical tool aiming to categorize the teacher talks and the students. Despite the difficulties of the teacher in dealing with the intense communication flow and the symbolic language of mathematics, the environment chat proved fruitful for the processes of teaching and learning mathematics.


Palavras-chave


Educação a Distância; Educação Matemática; Chat Educacional

Texto completo:

PDF

Referências


ALRØ, H.; SKOVSMOSE, O. (2006). Diálogo e Aprendizagem em Educação Matemática. Trad. Orlando de A. Figueiredo. São Paulo: Autêntica.

ARAUJO. (2005). A Conversa na Web: o estudo da transmutação em um gênero textual. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. (Orgs.). Hipertexto e Gêneros Digitais. 2. ed. Rio de Janeiro: Lucerna.

BAIRRAL, M. A. (2011) Interagindo, ouvindo o silêncio e refletindo sobre o papel do formador em chat com professores de matemática. Educar em Revista. Curitiba: Editora UFPR, n. l, v.1, p. 173-189. Edição Especial.

______.; POWELL, A. B. (2008). Analysing High School Students Interacting at Distance with VMT-Chat on Taxicab Problem. Paper presented at the II SIPEMAT, Recife.

______.; POWELL, A. B.; SANTOS, G. T. dos. (2007). Análise de interações de estudantes do Ensino Médio em chats. Educação e Cultura Contemporânea, v. 4, n. 7, p. 113-138.

______. (2004) Compartilhando e construindo conhecimento matemático: análise do discurso nos chats. BOLEMA, v. 17, n. 22, p. 37-61.

BELLO, W. R. (2004) Possibilidades de construção do conhecimento em um ambiente telemático: análise de uma experiência de Matemática em EaD. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). São Paulo: Pontífice Universidade Católica.

BEM-CHAIM, D.; ILANY, B.; KERET, Y. (2008). “Atividades Investigativas Autênticas” para o Ensino de Razão e Proporção na Formação de Professores de Matemática para os Níveis Elementar e Médio. Tradução: Antônio Vicente Marafiot Garnica. In: Bolema, Rio Claro, SP, ano 21, n. 31, p. 129-159.

BORBA, M. C. (2008). Educação a Distância online. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

______.; Malheiros, A. P. S.; Zulato R. B. A. (2007). Educação a distância online. Belo Horizonte: Autêntica.

COLL, C.; ONRUBIA, J. (1994). A construção de significados compartilhados em sala de aula: atividade conjunta e dispositivos semióticos no controle e no acompanhamento mútuo entre professor e alunos. In: COLL, C. e EDWARDS, D. (orgs.). (1998). Ensino, aprendizagem e discurso em sala de aula. p.143-170. Porto Alegre: Artes Médicas.

COLL, C. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. Porto Alegre: Artmed.

FREITAS, M.T. (1994). Vygotsky e Bakhtin – Psicologia e Educação: um intertexto. São Paulo: Ática. p. 74-79.

GONZÁLEZ, BEATRIZ & LEÓN, ANIBAL. Interacción Verbal Y Socialización Cognitiva e Nel Aula. Acción Pedagógica, Nº 18, Enero - Diciembre, 2009, pp. 30 – 41.

GRACIAS, T.A.S. (2003). A Reorganização do Pensamento em um Curso a Distância sobre Tendências em Educação Matemática. 2003. 175f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

HILGERT, J. G. (2000). A construção do texto “falado” por escrito: a conversação na internet. In: PRETI, D. (Org.). Fala e escrita em questão. São Paulo: Humanitas, FFLCH/USP.

KALINKE, M. A. (2009). A mudança da linguagem matemática para a linguagem Web e as suas implicações na interpretação de problemas matemáticos. 2009. 205 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - Pontífice Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

LEMKE, Jay L. (1997). Teaching all the languages of science: Words, symbols, images, and actions. Metatemas, 42, 268-269. Disponível em: . Acesso em: 03 de julho de 2015.

LOPES, Anderson. (2004). Avaliação em Educação Matemática a Distância: uma experiência de Geometria no Ensino Médio. Dissertação mestrado em educação matemática, São Paulo, Pontifícia Universidade Católica.

MARTINHO, Maria Helena e PONTE, João Pedro da Ponte (2005). Comunicação na sala de aula de Matemática: Práticas e reflexão de uma professora de Matemática. Atas do V CIBEM, Universidade do Porto, p. 17-22, jul.

MARCUSCHI, L. A. In: MARCUSCHI, L. A; XAVIER, A. C. (Orgs). (2005). Gêneros Textuais Emergentes no Contexto da Tecnologia Digital. 2.ed. Rio de Janeiro: Lucerna.

MENEZES, L. (1999). Matemática, linguagem e comunicação. Atas do ProfMat 99. Lisboa: APM, 71-81.

MERCER, Neil. (1998). As perspectivas socioculturais e o estudo do discurso em sala de aula. In: COLL, C.; EDWARDS, D. (orgs.). Ensino, aprendizagem e discurso em sala de aula. Porto Alegre: Artes Médicas, p.13-28.

MORTIMER, E. F.; SCOTT, P. (2002). Atividade discursiva nas salas de aula de ciências: uma ferramenta sociocultural para analisar e planejar o ensino. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 7, n. 3.

OLIVEIRA, R. S. de; MEIRA, Luciano R. (2010). Uso de marcas verbais para aspectos não verbais da conversação em salas de bate-papo na Internet. Intercom-Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, v. 33, n. 1, p. Pag. 105.

ORLANDI, E. P. (2006). Análise de Discurso: conversa com Eni Orlandi. Entrevistador: Raquel Goulart Barreto. Revista Teias: Rio de Janeiro, ano 7, p. 13-14. Jan/Dez.

PONTE, J. P.; BROCARDO, J.; OLIVEIRA, H. (2006). Investigações matemáticas na sala de aula. 1. ed., 2. reimp. Belo Horizonte: Autêntica.

______. FONSECA, H.; BRUNHEIRA, L. (2004). Actividades de investigação na aula de Matemática. Veritati: Revista da UCSal – Universidade Católica do Salvador, n. 4, p. 57-73.

SILVA, L. J. (2013). Atividades investigativas e argumentação: alunos do ensino médio interagindo numa aula chat de matemática. XI Encontro Nacional de Educação Matemática. Curitiba, jul.

SILVA, L. J. TEIXEIRA., O. P. B. (2012). Educação Matemática em ambientes virtuais: uma análise das interações discursivas do professor com alunos do ensino médio em um chat educacional. Anais do I Congresso Brasileiro de Recursos Digitais na Educação. São Paulo: Mackenzie.

STIPCICH, M. S.; MASSA, M. (2002). Un estudio de tipo etnográfico: el discurso del profesor de física. Revista Investigações em Ensino de Ciências .v.7, n.2, p. 155-176.

VAN DIJK, Teun A. (2011). Cognição, discurso e interação. 7ª edição. São Paulo: Contexto.

VYGTSKY, L. S. (1991). A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes.

______. (1987). Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

______. (1984). A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA