Desenvolvimento do Pensamento Estatístico com Suporte Computacional
Development of statistical thinking with computational support

Juscileide Braga de Castro, José Aires de Castro Filho

Resumo


Esse artigo tem por objetivo analisar situações que contribuíram para o desenvolvimento do pensamento estatístico a partir de um projeto colaborativo com suporte computacional. A pesquisa foi realizada com 26 estudantes do 5º ano participantes do projeto Um Computador por Aluno (UCA). O processo investigativo foi realizado em quatro etapas: planejamento, coleta de dados, organização de dados e publicação da notícia. Após análises verificou-se o desenvolvimento do pensamento estatístico a partir de situações de coleta de dados, de classificação, de escolha da amostra, de cruzamento de variáveis e da definição do gráfico. A tecnologia possibilitou a ênfase na exploração dos dados, simulações, investigação de problemas com dados reais e envolvimento dos alunos em ferramentas para colaboração.


Palavras-chave


pensamento estatístico; tecnologia; laptop educacional

Texto completo:

PDF

Referências


AINLEY, J., NARDI, E.; PRATT, D. (2000) Towards the construction of meaning for trend in Active Graphing, International Journal of Computers for Mathematical Learning, 5.2, p. 85-114.

AINLEY, J., NARDI, E.; PRATT, D. (1999) Constructing Meaning for formal notation in Active Graphing, European Research in Mathematics Education, Vol. I: Group 2, p. 189-200.

BATANERO, C. (2001) Didáctica de la Estadistica. Granada: Universidad de Granada/.

BEN-ZVI, D. (2007) Using Wiki to promote collaborative learning in statistics education. Technology Innovations in Statistics Educational, no 1, vol. 1, artigo 4.

BROERS, N. J. (2006) Learning goals: The primacy of statistical Knowledge. In: International Conference on Teaching Statistics – ICOTS, 7. 2006. Salvador: Brasil. 1, CDRoom.

CAMPOS, R. C.; WODEWOTZKI, M. L. L.; JACOBINI, O. R. (2011) Educação Estatística teoria e prática em ambientes de modelagem matemática. Belo Horizonte: Autêntica Editora. Coleção Tendências em Educação Matemática.

CASTRO, J. B. (2012) O uso de objetos de aprendizagem para a construção e compreensão de gráficos estatísticos. Fortaleza: UFC, 2012. 215 p. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, UFC, Fortaleza.

CAZORLA, I. M.; KATAOKA, V. Y.; SILVA, C. B. (2010) Trajetória e perspectivas da Educação Estatística no Brasil: Um olhar a partir do GT12. In: C. E. Lopes, C. de Q. e S. Coutinho & S. A. Almouloud (Orgs.), Estudos e reflexões em educação estatística. Campinas: Mercado de letras.

CAZORLA, I. M.; UTSUMI, M. C. (2010) Reflexões sobre o ensino de estatística na educação básica. In: Cazorla, I. M.; Santana, E. (Org). Do tratamento da informação ao letramento estatístico. Itabuna: Via Litterarum.

CHANGE, B. L. (2002) Components of statistical thinking and implications for instruction and assessment. In: Jounal of Statistics Education, v. 10, n.3.

CHANGE, B., BEN-ZVI, D., GARFIELD , J., MEDINA, E. (2007) The role of technology in improving student learning of statistics. Technology Innovations in Statistics Education Journal 1(1).

CARVALHO, C. (2001) Interacção entre pares: Contributos para a promoção do desenvolvimento lógico e do desempenho estatístico no 7.º ano de escolaridade (Tese de Doutoramento, Universidade de Lisboa). Lisboa: APM.

GAL, I. (2002) Adult statistical literacy: meaning, components, responssibilities. International Statistical Review, v. 1, n. 70, p. 1-25.

GAL, I.; GARFIELD, J. (1999) Assessment and statistics education: Current challenges and directions. International Statistical Review, 67(1), 1-12.

GUIMARÃES, G. L. (2009) Categorização e representação de dados: o que sabem os alunos do Ensino Fundamental? In: Borba, R.; Guimarães, G. (Orgs.). A pesquisa em educação matemática: repercussões na sala de aula. São Paulo: Cortez, p. 134-176

LOPES, C. E. (2010) Os Desafios para a Educação Estatística no Currículo de Matemática. In: C. E. LOPES, C. de Q. e S. COUTINHO; S. A. ALMOULOUD (Orgs.), Estudos e reflexões em educação estatística. Campinas: Mercado de letras.

MARTINS, M. E. G.; PONTE, J. P. (2010) Organização e Tratamento de dados. Ministério da Educação: Lisboa.

MENDONÇA, L. O.; LOPES, C. E. (2011) Modelagem Matemática: um ambiente de aprendizagem para a implementação da Educação Estatística no Ensino Médio. Bolema, Rio Claro (SP), v. 24, n. 40, dez. p.701-724.

MOORE, David S. (2011) A estatística básica e sua prática. Tradução e revisão técnica Ana Maria Lima de Farias, Vera Regina Lima de Farias e Flores. Rio de Janeiro: LTC.

SCHIRLO, A. C.; SILVA, S. C. R. (2013) Estatística: refletindo sua inserção nos livros de matemática. Espacios. Vol. 34 (9), p. 1-14.

SNEE, R. D. (1990) Statistical Thinking and its contribution to total quality. The American Statistician, v. 44, n. 2, p. 116-121.

WILD, C. J.; PFANNKUCH, M. (1999) Statistical Thinking in Empirical Enquiry. International Statistical Review, v. 67, n.3, p. 223-265.

WODWOTZKI, M. L. L. ; JACOBINI, O. R. ; CAMPOS, C. R. ; FERREIRA, D. H. L. (2010) Temas contemporâneos nas aulas de estatística: um caminho para combinar aprendizagem e reflexões políticas. In: C. E. LOPES, C. Q. e S. COUTINHO; S. A. ALMOULOUD (Orgs.), Estudos e reflexões em educação estatística. Campinas: Mercado de letras.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais



INDEXADORES DA REVISTA
     
             Anti-Plágio