A Geometria Hiperbólica nos currículos escolares e universitários
Hyperbolic Geometry in school and university curricula

Elias Santiago de Assis

Resumo


A presente pesquisa, de natureza qualitativa, tem como objetivo identificar a forma como os currículos dos cursos de Licenciatura em Matemática no Brasil contemplam o ensino da Geometria Hiperbólica. Além disso, busca-se fazer um paralelo entre esses currículos e as propostas curriculares do ensino básico no que diz respeito a abordagem dessa geometria não euclidiana. Neste sentido, foram analisadas as ementas curriculares de trinta e cinco cursos e as diretrizes curriculares dos estados em que tais cursos estão alocados. Os resultados obtidos apontaram para a supremacia da geometria euclidiana em detrimento da geometria hiperbólica tanto no ensino superior quanto na educação básica. A despeito da possibilidade de se abordar diversos conceitos das geometrias não euclidianas por meio de softwares de geometria dinâmica não foi constatada uso dessa ferramenta nos componentes curriculares analisados.


Palavras-chave


Geometria hiperbólica; Currículo; Formação de professor.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, P. F. A. Introdução à geometria hiperbólica plana: o disco de Poincaré. Fortaleza: Editora da UFC.

EVES, H. Introdução à história da matemática. Tradução Hygino Domingues. São Paulo: Editora Unicamp, 2008.

BARBOSA, J. L. Geometria hiperbólica. Rio de Janeiro: IMPA, 2008.

BONGIOVANNI, V.; JAHN, A. P. De Euclides às geometrias não euclidianas. Revista Iberoamericana de Educacion Matemática, n. 22, p. 37-51, 2010, Jun.

BOYER, C B. História da matemática. Tradução de Elza F. Gomide. 2.ed. São Paulo: Blucher, 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRAVO, R. S. Técnicas de investigação social: Teoria e ejercicios. Madrid: Paraninfo, 1991.

BRITO, A. J. Geometrias não-euclidianas: um estudo históricopedagógico. 1995. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação. Campinas, SP, 1995.

CABARITI, E. Geometria hiperbólica: uma proposta didática em ambiente informatizado. 2004. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004.

CALDATTO, M. E.; PAVANELLO, R. M. O processo de inserção das geometrias não euclidianas no currículo da escola paranaense: a visão dos professores participantes. Bolema, Rio Claro (SP), v. 28, n. 48, p. 42-63, 2014.

CAMARGO, K. C.A. A expressão gráfica e o ensino de geometrias não euclidianas. 2012. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2012.

CARMO, M. P. Geometria Riemanniana. Rio de Janeiro: IMPA, 2005.

CEARÁ (Estado). Superintendência de Educação. Diretrizes Curriculares da Educação Básica Matemática. Fortaleza, 2008.

COUTINHO, C. P. Metodologia de investigação em ciências sociais e humanas. 2ª edição. Coimbra: Edições Almedina, 2013.

FERREIRA, L. Uma proposta de ensino de geometria hiperbólica: “construção do plano de Poincaré” com o uso do software geogebra. 2011. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual de Maringá, Centro de Ciências Exatas, Maringá, 2011.

GALIAN, C. V. A. Os PCN e a elaboração de propostas curriculares no Brasil. Caderbos de Pesquisa, v. 144, n. 153, p. 648-669, 2014.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.

HANSEN, V. L. Changes and trands in geometry curricula. In C. Mammana, & V. Villani (Eds.), Perspectives on the teaching of geometry for the 21st century. London: Kluwer Academic Publishers, 1998, p. 235-242.

KRIPKA, R. M. L; SCHELLER, M.; BONOTTO, D. L. Pesquisa documental: considerações sobre conceitos e características na pesquisa qualitativa. In VI Simpósio Internacional de Educação e Comunicação. Atas, 2015, p. 243-247.

LEIVAS, J.C.P. Imaginação, Intuição e Visualização: a riqueza de possibilidades da abordagem geométrica no currículo de cursos de licenciatura de matemática. 2009. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2009.

LEIVAS, J. C. P. Geometrias não euclidianas: ainda desconhecidas por muitos. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v.15, n.3, p. 647-670, 2013.

LOVIS, K. A.; FRANCO, V. S. As concepções de geometrias não euclidianas de um grupo de professores de matemática da educação básica. Bolema, Rio Claro (SP), v. 29, n. 51, p. 369-388, 2015.

LOVIS, K. A.; FRANCO, V. S.; BARROS, R. M. O. Dificuldades e obstáculos apresentados por um grupo de professores de matemática no estudo da geometria hiperbólica. Zetetiké, Unicamp, v. 22, n. 42, p. 11-29, 2014.

MURARI, C. Experenciando materiais manipulativos para o ensino e a aprendizagem de matemática. Bolema, Rio Claro (SP), v. 25, n. 41, p. 187-211, 2011.

PARANÁ (Estado). Superintendência de Educação. Diretrizes Curriculares da Educação Básica Matemática. Curitiba, 2008.

PIANA, M. C. A construção da pesquisa documental: avanços e desafios na atuação do serviço social no campo educacional. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

REIS, J. D. A. D. S. Geometria esférica por meio de materiais manipuláveis. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). UNESP, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro, 2006.

RIBEIRO, G. F., SANTOS, T. S.; FERREIRA, L. Construção de atividades para o ensino de geometria hiperbólica. In VI Encontro de Produção Científica e Tecnológica, 2011. Anais, p. 1-16.

RIBEIRO, R. D. G. L. O ensino das geometrias não euclidianas: um olhar sob a perspectiva da divulgação científica. 2012. Dissertação (Mestrado). Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2012.

RIBEIRO, R. S.; GRAVINA, M. A. Disco de Poincaré: uma proposta para explorar geometria hiperbólica no geogebra. Revista Professor de Matemática On-line/SMB, Eio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 53-66, 2013.

ROCHA, M. V. Uma proposta de ensino para o estudo da geometria hiperbólica em ambiente de geometria dinâmica. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

SÃO PAULO (Estado). Superintendência de Educação. Diretrizes Curriculares da Educação Básica Matemática. São Paulo, 2011.

SILVA, L. R. C.; DAMACENO, A. D.; MARTINS, M. C. R.; SOBRAL, K. M.; FARIAS, I. M. S. Pesquisa documental: alternativa investigativa na formação docente. In IX Congresso Nacional de Educação. Anais. Paraná: PUC, 2009, p. 4554-4566.

SOUZA, A. C. C. Aspectos históricos das geometrias não euclidianas. Bolema, Rio Claro-SP, v. 8, n. 9, 1993.

SOUZA, M. L.; LUCCAS, S. Geometria hiperbólica: possibilidades para o ensino do conhecimento geométrico não euclidiano. Espacios, v. 36, n, 12, 2015.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Pró-Reitoria de Graduação. Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática. Maringá, 2008.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Pró-Reitoria de Graduação. Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática. Presidente Prudente, 2015.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Pró-Reitoria de Graduação. Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática. Santo André, 2010.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA. Pró-Reitoria de Graduação. Grupo de Trabalho de assessoramento aos Projetos Pedagógicos de Curso. Elementos do projeto político-pedagógico de curso de graduação da Unipampa. Rio Grande do Sul, 2011, 19p.




DOI: https://doi.org/10.23925/1983-3156.2017v19i3p393-413

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA