Análise de Praxeologias em Avaliação Formativa em Ambientes Virtuais na Construção delimites de uma Função Real de uma Variável Real
Analysis of practices in formative evaluation in virtual environments in the construction of the concept of limits of a real function of a real variable

Osnildo Andrade Carvalho, Luiz Marcio Santos Farias, Itamar Miranda da Silva

Resumo


O presente trabalho é um recorte de uma pesquisa em andamento, e tem como objetivo analisar as práticas em avaliação formativa em aulas de cálculo diferencial e integral através de ambientes virtuais. Nosso foco é a incompreensão do conceito de limites, conceito este essencial para o curso de cálculo. Nossa lente teórica está alicerçada nos aportes da Teoria Antropológica do Didático; esta teoria apresenta elementos importantes para o desenvolvimento da pesquisa tais como as praxeologias, os ostensivos e não ostensivos. A nossa questão de investigação é como os estudantes reorganizarão as praxeologias relativas ao conceito de limites, numa organização didática, com a presença sistemática da avaliação formativa, tendo como suporte um ambiente virtual. Temos como hipótese que a atividade institucional somente se completa quando se dá ênfase à exploração dos momentos de trabalho da técnica e do tecnológico-teórico. A nossa abordagem metodológica está pautada na engenharia didática, que procura modelar teoricamente a investigação. E por fim, esperamos, com essa investigação, apresentar contribuições para o aprendizado de cálculo diferencial e integral bem como dialogar com pesquisas relacionadas com o tema.


Palavras-chave


Cálculo diferencial, avaliação formativa, limites.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLAL, L. Estratégias de avaliação formativa: concepções psicopedagógicas e modalidades de aplicação. In: ALLAL, L.; CARDINET, J.; PERRRENOUD, PH. (Ed.), A avaliação formativa num ensino diferenciado (175-209). Coimbra: Almedina, 1986.

ARTIGUE, M. Ingénierie Didactique. Recherches en Didactique de Mathématiques. França, vol 9, no 3, p. 281-308, 1988.

ARTIGUE, M. La enseñanza de los princípios del cálculo: problemas epistemológicos, cognitivos y didácticos. In: ARTIGUE, M.; DOUADY, R.;

MORENO, L.; GÓMEZ, P. (ed). Ingeniería didáctica en educación matemática, p. 97-140. Bogotá: Una Empresa Docente. Grupo Editorial Iberoamérica, 1995.

BARUFI, M.C.B. A construção/negociação de significados no curso universitário inicial de Cálculo Diferencial e Integral. 1999. Tese (doutorado em Educação). Universidade de São Paulo. São Paulo.

BATISTA, C. O. O processo comunicacional da avaliação nas práticas de professores universitários. In: VILLAS BOAS (Org.). Avaliação Formativa: práticas inovadoras. Campinas, SP. Papirus, 2011.

BLOOM, B.; HASTINGS, J.; MADAUS, G. F. Handbook of formative and summative evaluation of student learning. New York: McGraw-Hill, 1971.

BROUSSEAU, G. (1983). Les obstacles épistémologiques et les problèmes en mathématiques. Recherches en Didactique des Mathématiques, 2(3), 303-346.

BODIN, A. Didactique des mathématiques et évaluation: petite histoire de 40 ans de chemins parallèles. A terme, l’évaluation est-elle soluble dans la didactique? In: MATHÉ, A., MOUNIER, É (Edit.) Actes du séminaire national de didactique des mathématiques. ARDM. Paris. 2015. Disponível em: Em 27/06/2018. Acesso em: 28 de jun. 2018.

CHEVALLARD, Y. Le moment de l’évaluation, ses objets, ses fonctions : déplacements, ruptures, refondation. 2004. Disponível em: . Acesso em: 28 de jun. 2018. 


CHEVALLARD, Y. El análisis de las prácticas docentes en la teoría antropológica de lo didáctico. Recherches en Didactique des Mathématiques. Vol. 19, nº 2, 1999.

CORNU, B. Limits. In: TALL, D. (Ed.) Advanced Mathematical Thinking. Londres: Kluwer Academic Publisher, p. 153-166, 1991.

D’AMBRÓSIO, U. Educação Matemática: Da teoria à prática. 23ª ed. Papirus, Campinas – SP, 2012.

FERNANDES, J. A. N. ECOLOGIA DO SABER: o ensino de limite em um curso de engenharia. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará,
Instituto de Educação Matemática e Científica, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas, Belém, 2015.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. 3a edição. Campinas, SP. Autores associados. 2009.

HADJI, C. L’ apprentissage assisteé par l’évaluation (A.A.E.) mythe ou réalité? Cahiers Pédagogiques, 281, 20-23, 1990.

HOFFMANN, J. Avaliação Mediadora. Uma prática em construção da pré-escola à universidade. 33ª edição. Editora Mediação. Porto Alegre - RS, 2014a.

HOFFMANN, J. Avaliação. MITO & DESAFIO. 44ª edição. Editora Mediação. Porto Alegre - RS, 2014b.

LOPES, A. Algumas reflexões sobre a questão do alto índice de reprovação nos cursos de Cálculo da UFRGS. Matemática Universitária nº26/27- junho/dezembro 1999 – p.123-146 Anais. Sociedade Brasileira de Educação Matemática/Regional Belo Horizonte, 2007.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. Estudos e proposições. 22ª edição. Editora Cortez. São Paulo, 2011.

PERRENOUD, Ph. AVALIAÇÃO da Excelência à regulação das aprendizagens; entre duas lógicas. Ed. Artmed, Porto Alegre - RS, 1999.

RAFAEL, R. C.; ESCHER, M. A. Evasão, baixo rendimento e reprovações em Cálculo Diferencial e Integral: Uma questão a ser discutida. Encontro Mineiro de Educação Matemática, 2015.

SANTOS, M. B. S. Um olhar para o conceito de Limite: constituição, apresentação e percepção de professores e alunos sobre o seu ensino e aprendizado. Tese de doutorado, PUC-SP, São Paulo, 2013.

SCRIVEN, M. The metholology of evaluation. In R. W. Tyler (Ed.), Perspectives of Curriculum Evaluation, Area Monograph on Curriculum Evaluation 1. Chicago: Rand McNally, 1967.

SIERPINSKA, A. Obstacles épistémologiques relatifs à la notion de limites, RDM. Vol 6, n. 1, p. 5 - 67. 1985.

TALL, D. Conflictis in learning of Real Numbers and Limits. Mathematics Teaching, p. 44-49. 1978.

TROUCHE, L. A Propos de l’Apprentissage des limites de functions dans um environnement calculatrice. Etudes des rapports entre processus d’Instrumentation. 1996. Tese (Doutorado em Didática da Matemática), Université Montpellier II. Sciencies et Techniques du Languedoc.

VILLA BOAS, B. Portfólio, avaliação e trabalho pedagógico. 4a edição. Campinas, SP. Papirus, 2004.

VILLA BOAS, B. Virando a escola do avesso por meio da avaliação. 2a edição. Campinas, SP. Papirus, 2008.

VILLA BOAS, B et al. Avaliação Formativa: práticas inovadoras. Campinas, SP. Papirus, 2011.

ZUCHI, I. A abordagem do conceito de limite via sequência Didática: do ambiente lápis papel ao ambiente computacional. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2005.




DOI: https://doi.org/10.23925/1983-3156.2019v21i5p374-385

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA